26 C
Vitória
segunda-feira, 27 setembro 2021

Fome, protestos e confrontos em Beirute

Quase uma semana após a explosão em Beirute, no Líbano, população enfrenta fome e escuridão. “E as vítimas estão desamparadas”, afirma Roberto Khatlab. Além disso, uma onda de protestos e confrontos acontece contra o governo

Por Priscilla Cerqueira

Como se não bastasse o luto pelas mortes da explosão devastadora da última terça-feira, 4, a população também enfrenta protestos e confrontos. A polícia libanesa lançou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes que jogavam pedras e bloqueavam uma via perto do Parlamento em Beirute neste domingo, 9.

Dois ministros do governo libanês renunciaram ao cargo neste domingo, fazendo criticas ao primeiro-ministro libanês. A enorme explosão de terça-feira (4) matou 158 pessoas e feriu mais de 6 mil, além de destruir partes da cidade, num momento de crise política e econômica, gerando furiosos apelos para que o governo renuncie.

A população enfrenta uma crise econômica no país e o descontentamento com o presidente Michel Aoun. O escritor e professor brasileiro, Roberto Khatlab, que mora no Líbano, afirma que não é a primeira vez que a população vai às ruas protestar contra o governo. A insatisfação é geral.

“Em Outubro  de 2019 parte da população saiu as ruas , nascendo assim uma revolução, em árabe “thaura”, que uniu os libaneses, cristãos, muçulmanos, drusos. O ano de 2020 chega a pandemia de covid 19. Mais conflitos na região e agora a explosão no porto”, disse.

Calamidade no país

Roberto afirma que a população libanesa acusa o governo de corrupção. Muita gente está passando dificuldades, até fome. “Os bancos bloquearam as contas bancarias do povo, isto faz q o país esta num abismo e as vitimas agora estão grande parte desamparada. Os hospitais estão lotados, com muitos feridos por conta da explosão. Uma verdadeira catástrofe em todos os sentidos”, relata.

Além da explosão, o Líbano registrou recorde de casos do novo coronavírus. A informação foi divulgada pelo site da rede de televisão Al Jazeera.

beirute_vítimas
Criança ferida após explosão na região portuária de Beirute, em hospital na capital do Líbano. Foto: Ibrahim Amro/AFP

Protestos inevitáveis

Roberto Khatlab, que acompanha a situação dos países no Oriente Médion é categórico em afirmar que por conta do contexto crítico que o país enfrenta há muitos anos, a exigência da população é por reformas. Esse pedido vem sendo feito há muitos anos, mas até hoje nada foi feito.

A reação do povo e ainda mais com essa catástrofe que gerou a explosão, é o protesto. Nesse momento, segundo o professor, a população quer mais reformas internas que ajuda.

“O governo está parado. Agora com a explosão o povo exige mais energicamente  as reformas para receber ajudas internacionais . O Patriarca da Igreja Maronita católica, Nechara Rai, solicita a neutralidade do Líbano na região. Ele é apoiado por vários partidos políticos e comunidades religiosas. Mas tem ainda uma oposição”, explicou.
- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se