25.9 C
Vitória
quarta-feira, 27 outubro 2021

As famílias estão sofrendo… (Parte 01)

Mais Artigos

Sempre que acontecem estes desvios na família, tem alguém que sofre mais as suas consequências

Por Bento Adeodato Porto

Muitas famílias da terra estão sofrendo. Neste momento,, cada um de nós, com certeza, pode listar mais uma dezena de famílias que estão sofrendo com doenças, drogas, embriaguez, prostituição, criminalidade, desonestidade, falta de caráter, falta de harmonia no seio familiar, conduta violenta, preconceito e outros desvios por parte de um ou mais de seus membros.

Sempre que acontecem estes desvios na família, tem alguém que sofre mais as suas consequências. São mães e pais, avôs e avós, filhos e filhas, irmãos e irmãs ou outros parentes, além de sogros e sogras, que muitas vezes vivem uma vida miserável de sofrimento, por causa de um ou mais de seus entes familiares, conforme Provérbios capítulo 17, versículo 25:

“O filho tolo causa tristeza a seu pai e amargura àquela que o deu à luz.

Provérbios 17:25”

Isso ocorre, não porque a humanidade esteja doente, como pregam alguns estudiosos da conduta humana, mas porque o ser humano é um ser que nasce doente por natureza. Esta doença é espiritual. É como se fosse um vírus – o vírus da rebeldia e da desobediência a Deus e a tudo que representa autoridade (pais, responsáveis, autoridades constituídas do Estado).

O ser humano é a obra-prima da criação de Deus. Enquanto ao criar o universo, o sol, a lua, a terra, as plantas e os animais, Deus usou apenas da sua Palavra, dando a ordem produza, encha-se e “haja…”, ou seja, “exista….” e tudo veio a existir, conforme a Palavra de Deus, para criar o homem, Deus moldou o barro, e soprou-lhe nas narinas o fôlego de vida e de um pedaço do corpo do homem fez a mulher, para ser a sua companheira e ajudadora. “Por isso, deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher e serão ambos uma só carne…”. E assim se origina a família criada por Deus. E esta família era perfeita, conforme está escrito em Gênesis 1-3.

Porém, esta família criada para ter relacionamento criatura-criador com Deus, veio a desobedecer-lhe, comendo o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal e, a partir de então, conhecendo o mal, não conseguiram dominá-lo ou controlá-lo, como o faz o Criador, mas ficaram, homem e mulher, à mercê do mal, e tiveram os seus instintos contaminados pelo mal.

Por isso, está escrito no livro do profeta Jeremias, capítulo 17, versículo 9:

“O coração humano é mais enganoso que qualquer coisa e é extremamente perverso; quem sabe, de fato, o quanto é mau?

Eu, o Senhor, examino o coração e provo os pensamentos. Dou a cada pessoa a devida recompensa, de acordo com suas ações”.

Jeremias 17:9,10”

Ora, a Palavra de Deus, que está na Bíblia, é a verdade e ela nos ensina que o nosso coração humano é enganoso, perverso e mau.

E tem mais. Sabe, desde quando o coração de uma pessoa é mau? A resposta está na própria Bíblia, na declaração e constatação que o próprio Deus fez, depois de ter destruído o mundo pelo dilúvio, por causa da maldade humana. Veja o que está escrito em Gênesis, capítulo 8, versículo 21:

“Em seguida, Noé construiu um altar ao Senhor e ali ofereceu como holocaustos alguns animais e aves puros.

O aroma do sacrifício agradou ao Senhor, que disse consigo: “Nunca mais amaldiçoarei a terra por causa do ser humano, embora todos os seus pensamentos e seus

propósitos se inclinem para o mal desde a infância. Nunca mais destruirei todos os seres vivos.

Gênesis 8:20,21”

Você está assustado em pensar que uma criancinha já nasce má, não é? Eu também acho terrível isso.

Mas a Palavra de Deus é verdadeira e se comprova na prática: a criança nasce, totalmente dependente da mãe e do pai, e assim vai crescendo, principalmente com a mãe dando-lhe toda a atenção e carinho, sacrificando a si própria para cuidar daquele ser pequenino e indefeso. Porém basta atingir uma idade de cerca de pouco mais de um ano de vida, que a criança já começa a exibir a sua personalidade por meio de que? Se você disse ou pensou em “pirraça” você acertou.

Observe bem: o que é a pirraça, senão uma rebeldia contra a vontade e as ordens da mãe ou do pai? Mas quem ensinou àquele ser pequenino e indefeso a fazer pirraça, ou seja, se rebelar contra mãe e pai? A resposta é “ninguém”. É puro instinto que está no “DNA da desobediência” a qualquer forma de autoridade, que, depois que houve a primeira desobediência no Jardim do Éden, foi repassado por Adão e Eva para seus filhos e destes para os filhos dos filhos, de geração em geração, até chegar em nossos dias.

A Bíblia nos ensina e nos alerta que todos os pensamentos e propósitos do ser humano se inclinam para o mal desde a infância. Portanto, se o pai e mãe ou responsável pela criança não lhe ensinarem no caminho do bem, certamente ela seguirá o seu curso natural que é seguir o caminho do mal.

“A humildade e o temor do Senhor trazem riquezas, honra e vida longa.

O perverso anda por um caminho cheio de espinhos e perigos; quem dá valor à vida se afasta dele.

Ensine seus filhos no caminho certo, e, mesmo quando envelhecerem, não se desviarão dele.

Provérbios 22:4-6”

O versículo em Provérbios, capítulo 22, versículo 6, não orienta que você “diga” a seu filho ou filha por que caminho deve seguir, mas orienta que você vá com ele ou com ela pelo caminho certo, isto é, que você os ensine, não apenas com palavras, mas pelo seu exemplo.

Você deve estar se perguntando: “será que isso é verdade? Sempre ensinei a meu filho o bom caminho, mas ele, na adolescência, ou depois que ficou adulto, se desviou de meus ensinamentos”.

A Bíblia não mente, se você tivesse ensinado no caminho certo, seu filho não se desviaria dele, nem na velhice, conforme está escrito em Provérbios, capitulo 22, versículo 6.

Você acha que ensinou o que é certo ao seu filho, mas, se ele se desviou, é porque você o ensinou o que o mundo ensinou a você. Isto é que você repassou para ele. Por exemplo:

– você o ensinou a ser honesto e trabalhar para sobreviver;

– você o ensinou a respeitar todas as pessoas indistintamente, principalmente os mais velhos

– você o ensinou a não ter vícios

– você o ensinou a ser fiel à sua família

– você o ensinou a “ir à igreja”

Talvez você tenha ensinado a seu filho tudo isso e, ainda assim, ele se desviou do “caminho” e você está perplexo, sem entender o porquê aconteceu isso.

O primeiro passo é compreender o que aconteceu com o seu filho. Provavelmente, você ensinou a seu filho “comportamentos” que você julgou bons para a vida dele. Mas antes de ensinar comportamentos, você deveria ter ensinado a ele “princípios”, os quais vão orientá-lo por toda a sua vida e vão repercutir no comportamento familiar e social dele.

O comportamento pode ser moldado pelo mundo, mas os princípios são norteadores do comportamento e o preservam de influências externas. É mais fácil mudar de comportamento do que de princípios.

O primeiro princípio a ser ensinado a uma criança é o do “temor do Senhor”. Mas, jamais ensine a uma criança a ter “medo” de Deus. Seria o mesmo que ensiná-la a ter medo da própria mãe ou de seu pai. Ensine a criança a ter amor por Deus e, consequente respeito, reverência e submissão a Deus. Se o seu filho ou filha não for apenas inteligente, mas for sábio ou sábia, aprenderá tudo de bom que você lhe ensinar e, mesmo, quando estiver longe de você, saberá fazer suas escolhas corretamente. Esta é a garantia que nos dá a Palavra de Deus escrita em Provérbios 9:9-12

“Instrua o sábio, e ele crescerá na sabedoria; ensine o justo, e ele aprenderá ainda mais.

O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; o conhecimento do Santo resulta em discernimento.

A sabedoria multiplicará seus dias e tornará sua vida mais longa.

Se você se tornar sábio, o benefício será seu; se desprezar a sabedoria, sofrerá as consequências.

Provérbios 9:9-12″

Você pode retrucar o que eu escrevi, pensando, mas eu levei o meu filho ou filha para as reuniões da igreja e mesmo assim ele se desviou do caminho e andou com más companhias e agora me dá “dor de cabeça”.

Quem tem que apresentar primeiro Deus à criança é pai e mãe ou os responsáveis por ela, os quais devem amar e temer o Senhor e, assim ensinar a seus filhos, conforme está escrito em Deuteronômio, capítulo 4, versículo 10.

“Fiquem muito atentos! Cuidem para que não se esqueçam daquilo que viram com os próprios olhos. Não deixem que essas lembranças se apaguem de sua memória enquanto viverem. Passem-nas adiante a seus filhos e netos.

Nunca se esqueçam do dia em que estiveram diante do Senhor, seu Deus, no monte Sinai, onde o Senhor me disse: ‘Convoque o povo para que se apresente diante de mim, e eu os instruirei pessoalmente. Eles aprenderão a me temer enquanto viverem e ensinarão seus filhos a também me temer’.

Deuteronômio 4:9,10”

Quando pai e mãe não ensinam, eles próprios, a seus filhos o amor e o temor a Deus, eles deixam seus filhos desguarnecidos e fazem com que estes filhos fiquem buscando referências em outras pessoas no mundo fora ou, inclusive dentro da igreja, os quais podem lhes ensinar heresias e comportamentos contrários aos princípios da Palavra.

Todo cristão deve “beber água da fonte”, isto é, deve ter relacionamento direto com Deus, por meio da oração, da meditação nos textos bíblicos e de Jesus Cristo, cujo sacrifício fez o “véu do templo” se rasgar de alto a baixo e liberar a nós o acesso ao “santo dos santos”, isto é, o acesso direto a Deus, sem intermediários humanos.

O papel de líderes religiosos fervorosos, fiéis e tementes a Deus é importante, porque dedicam suas vidas a propagar o Evangelho e, assim, alcançar aqueles que não tiveram a felicidade de encontrar em seus próprios pai e mãe a referência do amor a Deus. Porém, ninguém deve seguir cegamente o que pregam os líderes religiosos, por mais bem intencionados que sejam. Todo cristão deve ser como os judeus que moravam em Beréia e faziam questão de conferir, todos os dias, nas Escrituras se o que Paulo, o apóstolo de Jesus, e Silas lhes ensinavam era verdade, conforme registro em Atos, capítulo 17, versículo 11.

“Os judeus que moravam em Beréia tinham a mente mais aberta que os de Tessalônica e ouviram a mensagem de Paulo com grande interesse. Todos os dias, examinavam as Escrituras para ver se Paulo e Silas ensinavam a verdade.

Atos 17:11”

Se ensinarmos a nossos filhos o amor a Deus e a orar e meditar – e não apenas ler – a bíblia, teremos inoculado em suas mentes e corações a vacina contra os desvios de conduta causados por influência de seculares pensamentos e filosofias contrárias à palavra de Deus. Também os protegeremos das decepções que naturalmente terão conosco, como pais, bem assim com os líderes religiosos, autoridades e outras pessoas em geral, porque, como seres humanos, certamente erraremos em algumas situações da vida. Mas Javé, o Senhor, nunca erra e sua Palavra é sempre verdadeira. “Ainda que todos sejam mentirosos, Deus é verdadeiro,”, conforme está escrito em Romanos, capítulo 3, versículo 4.

“É verdade que alguns deles foram infiéis, mas isso significa que Deus será infiel?

De maneira nenhuma! Ainda que todos sejam mentirosos, Deus é verdadeiro. E as Escrituras dizem a seu respeito: “Será provado que tens razão no que dizes, e ganharás tua causa no juízo”.

Romanos 3:3,4”

Na parte 2 deste texto, vamos ver o conceito de “bom”, segundo a doutrina de Deus ensinada por Jesus, conforme registros nas Escrituras.

Vamos nos encontrar novamente no próximo texto.

Bento Adeodato Porto é procurador federal aposentado.

- Publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Entrevistas