23.3 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto 2022

Apesar do desemprego alto, falta gente habilitada para postos-chave

Empregos previstos para o setor de serviços recuaram e o indicador busca antecipar tendências do mercado de trabalho para os próximos meses. Foto: Reprodução

Segundo pesquisa, 68,3% dos 2.654 entrevistados afirmam que as organizações sentem dificuldade para contratar profissionais

O Brasil vive um contrassenso: ao mesmo tempo que o País soma cerca de 10,6 milhões de desempregados, as empresas reclamam da dificuldade para conseguir preencher vagas essenciais devido à escassez de talentos com as habilidades necessárias. A leitura do mercado é de que o ritmo de mudança das empresas tem sido mais acelerado do que as instituições educacionais têm conseguido captar, afirma o presidente da XP Educação, Paulo de Tarso.

De acordo com o relatório Tendências de Gestão de Pessoas em 2022, da consultoria Great Place to Work, 68,3% dos 2.654 entrevistados afirmam que as organizações sentem dificuldade para contratar profissionais. Ainda segundo a pesquisa, entre as habilidades apontadas pelas empresas como as mais importantes estão a capacidade de resolver problemas complexos, de liderar e influenciar e de ser resiliente.

É nesse cenário que emerge o conceito employer U, criado pelo especialista em educação Brandon Busteed. “O futuro de toda a educação envolve o aprendizado integrado ao trabalho. Quando universidades e empregadores colaboram para o currículo, é, em geral, pedagogicamente mais sólido e relevante para a carreira”, diz o diretor de parcerias e líder global de inovação do aprendizado do trabalho da Kaplan, empresa de serviço educacional.

A metodologia serviu de inspiração para a criação da Faculdade XP. “Queremos que a empresa seja o grande campo de prática dos alunos”, diz Paulo de Tarso. Com foco na formação de talentos tanto para o quadro interno quanto para o mercado de trabalho, a iniciativa teve investimento de R$ 100 milhões e prevê cinco graduações em tecnologia de graça, além de cursos de pós-graduação e de curta duração pagos.

“O conceito employer U não é tão recente quando olhamos para outros benchmarks (referências), mas tem ficado mais forte por meio do setor de tecnologia devido ao desequilíbrio entre oferta e demanda de mão de obra”, diz o executivo.

Problemas reais 

De olho no problema, o Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli), em São Paulo, estreou em fevereiro deste ano quatro tipos de graduação na área de tecnologia. A faculdade, sem fins lucrativos, é fruto de idealização de sócios do banco BTG, incluindo Roberto Sallouti, e de doação de R$ 200 milhões da família de André Esteves. A aprendizagem é focada no desenvolvimento de competências criadas a partir de desafios propostos por parceiros de mercado, como Ambev, Hotel Urbano, Yamaha, Falconi e Faculdade de Medicina da USP.

“Ao longo de quatro anos, os alunos desenvolvem projetos para solucionar problemas reais das empresas, unindo a experiência acadêmica às demandas do mundo corporativo”, conta a CEO do Inteli, Maíra Habimorad. No quarto ano, os estudantes escolhem entre três trilhas para definição do plano de carreira: empreendedora, acadêmica ou mercado.

O índice de contratação também é alto entre programas de formação com foco em jovens em situação de vulnerabilidade, tais como Programa Formare, CentroWEG e Alpha Edtech, os quais garantem, respectivamente ao final da capacitação, certificação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Instituto Alpha Lumen.

Cerca de 45 empresas em todo o Brasil, como 3M, L’Oréal, Siemens, Maxion, Suzano e Volkswagen, investem no Formare. A taxa de empregabilidade do programa é de 93% e 65% dos participantes ingressam em uma graduação posteriormente. Já a Weg, fabricante de motores elétricos, absorve 100% dos seus alunos, assim como a Alpha Edtech.

“O investimento das empresas em educação não é uma prática nova, mas vem crescendo e ficando cada vez mais abrangente e sofisticado”, explica Marisa Eboli, especialista em educação corporativa e professora da FIA.

Com informações de Agência Estado

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se