20.8 C
Vitória
sábado, 4 julho, 2020

Resolução de meu ano novo: chamar-me cristão em público

Mais lidas

Flexibilização do isolamento pode ter levado 1,1 milhão de volta ao trabalho

Segundo a Pnad Covid, pesquisa divulgada pelo IBGE, de 7 a 13 de junho, a taxa de desemprego no País estava em 12,4%, ante 11,8% na semana anterior

ES: Igreja celebra aniversário com carreata, culto drive-in

Aniversário de 29 anos da Primeira Igreja Batista da Praia da Costa, em Vila Velha (ES) foi diferente. Além de uma live com o grupo Kemuel, teve a carreta da gratidão e o encerramento com o culto drive-in, com participação de Anderson Freire

Bolsonaro sanciona lei que torna obrigatório o uso de máscara

Medida foi publicada hoje no Diário Oficial da União. Saiba mais! 

Desigualdades e baixo aprendizado são os maiores desafios na educação

Relatório do Inep aponta desafios para cumprir metas do PNE. Saiba mais! 

Depois de anos “brincando de ser legal” com meus amigos incrédulos, posso lhe dizer: só fica mais estranho falar sobre fé quanto mais você espera

Em janeiro, tomei uma resolução incomum. No dia de Ano Novo, como muitas pessoas, tiro o plástico de um novo planejador e imagino suas páginas cheias de ambições sinceras, mas improváveis, desde ler a capa da Bíblia até a oração todas as noites. Mas no ano passado, em vez de mudar uma prática diária, decidi mudar um padrão: começaria a falar abertamente sobre minha fé cristã. Fazer isso exigiria revelar meu relacionamento com Jesus a muitas pessoas fora da minha comunidade da igreja pela primeira vez.

Sou residente da “Zona Nenhuma”, um título que o Noroeste do Pacífico recebeu quase duas décadas atrás, graças a uma alta porcentagem de residentes que afirmam não ter afiliação a nenhuma religião. Em uma pesquisa Gallup de 2017 do estado de Washington, 47% dos adultos americanos se identificaram como não religiosos, em comparação com 33% da população em geral. Seattle, em particular, é uma das muitas cidades americanas progressistas onde a narrativa cultural diz que os cristãos são uma anomalia na melhor das hipóteses ou anti-intelectuais e atrasados ​​na pior.

Quando tomei minha resolução de Ano Novo, eu morava em Seattle há 15 anos. Eu sabia como andar na linha. Se eu conhecesse um não-cristão, consideraria cuidadosamente quando revelar que frequento a igreja. Mais provável do que não, eu não mencionaria nada. Quando eu estava na faculdade durante esse período, um amigo ficou confuso ao descobrir minha fé cristã através de um post que escrevi, pois só falava sobre minha família judia. Quando mencionei minha fé, faria todo o possível para que as pessoas soubessem que sou cristão, mas não esse tipo de cristão – alguém que se encaixa no estereótipo de evangélicos de um urbanista “homem de palha”. Eu queria ser o tipo de crente que você poderia convidar para sua festa.

Com o tempo, a estratégia de negar meu relacionamento com Jesus começou a sair pela culatra e comecei a murchar por dentro. Leva tempo e energia para apresentar diferentes lados de si mesmo para pessoas diferentes; ninguém pode ser seu próprio gerente de relações públicas para sempre. Eu estava nadando em águas turvas e mornas, tanto na minha vida online quanto na real, e me tornei falso e desapegado. A vibração da minha fé também estava sofrendo.

Depois de décadas de “ser legal”, na esperança de que eu passasse em um teste de fogo imaginário de meus muitos amigos agnósticos e espirituais, mas não religiosos, deixe-me dizer-lhe: só fica mais estranho falar sobre fé quanto mais você esperar .

Eu estava bem ciente dos riscos de abrir. Eu sabia como era quando as conversas com amigos não-cristãos foram para o sul, porque isso aconteceu comigo várias vezes ao longo dos anos. Esses cenários não terminaram em confronto, mas em fantasmas . Certa vez, sentado em frente a um café no bairro de Capitol Hill, em Seattle, contei a um produtor de rádio público sobre minha vida religiosa e frequência à igreja. O peso pesado do silêncio depois que eu falei era palpável. Terminamos o café, embaralhamos mais alguns minutos de conversa embaraçosa e depois deitamos a mesa. Nunca mais tive notícias dele.

Um cenário semelhante ocorreu com um conhecido que conheci em uma aula de redação. Enquanto tomava pizza em um restaurante perto do centro da cidade, contei a ela sobre minha família de origem e falei sobre como minha fé afeta minha estrutura ética. Em vez de investigar mais, a conversa foi simples. Terminamos uma fatia final e nos separamos.

Passei os próximos anos jogando na minha cabeça (e depois evitando) cenas semelhantes com outros conhecidos. Mas então o Espírito começou a me convencer em oração a superar a vergonha que eu havia anexado ao evangelho. Lentamente, Deus revelou o paradoxo que eu criei: a coisa que mais valorizo, a vida com Deus, foi a que escondi por medo de julgamento.

Durante o último ano praticando uma testemunha mais pública, aprendi algumas coisas.

Primeiro, quando ocultamos nossas identidades como cristãos, participamos tacitamente da narrativa cultural de que podemos administrar como nos comunicamos. A necessidade de aceitação pelos pares se torna um ídolo. Mas a história cristã nos lembra que não podemos prever o resultado de nossas vidas, nem podemos controlar como os outros nos percebem ou nos recebem. A vida cristã resiste à categoria de “marca pessoal”. Em vez disso, é generativa e voltada para os outros.

Segundo, aprendi que, se você tem medo de falar sobre Jesus por qualquer motivo – talvez pelo que pareça ser um bom motivo – lembre-se: as pessoas que você pensa que são contra você podem realmente ser a seu favor. Embora eu tenha sido fantasma, o oposto também aconteceu. No ano passado, tomei café com pessoas do meu passado que estão genuinamente curiosas sobre minha experiência de fé. Esses momentos foram um presente. Consegui ouvir profundamente e entender melhor as experiências de amigos que se identificam como espirituais, mas não religiosos. Por outro lado, me foi dado o espaço para falar abertamente sobre Jesus.

Finalmente, aprendi novamente o que já sei, mas continuo esquecendo: não me sento no centro da história – Deus sabe. Como cristãos, acreditamos que nossas vidas estão ocultas com Deus e mantidas por Ele, e isso é imensamente libertador. Por outro lado, é cansativo exercer energia ansiosa contornando essa realidade.

Vi essa verdade acontecer também na minha vida de escritor. No ano passado, comecei a escrever mais publicamente sobre fé e cultura, mas antes disso, imaginei um sofá com meus críticos sentados em uma fileira. Comecei a nomeá-los na minha cabeça – não apenas pessoas específicas do meu passado, mas também meus próprios medos. Então imaginei cada pessoa ou cada medo se levantando do sofá, um por um. Lentamente, meu medo foi substituído por leviandade.

No Sermão da Montanha, Jesus oferece uma advertência que poderia ter sido escrita para os cristãos americanos em 2020. Somos aconselhados a não nos tornarmos como o sal que perde sua salinidade (Mt 5:13) ou uma lâmpada escondida sob uma tigela ( 5:15). Talvez nos últimos anos, tenhamos tido uma ideia errada do que significa ser salgado. Em vez de um adesivo no rosto ou outro post no Facebook com carga política, somos chamados a uma prática muito mais simples: estar presente e transparente com nossos vizinhos.

“Da mesma maneira, que sua luz brilhe diante dos outros”, diz Jesus, “para que eles vejam suas boas ações e glorifiquem seu Pai no céu” (Mt 5:16). Aprendemos essa passagem quando crianças na Escola Dominical e cantamos também: “Essa pequena luz minha, vou deixar brilhar.” É um convite intuído por crianças e facilmente abafado por adultos.

Em vez de falar sobre nossa fé ironicamente ou com um filtro cuidadosamente escolhido, vamos falar com transparência e ousadia. Melhor ainda, não vamos sozinho. Vamos também falar com confiança sobre como a bondade de Deus nos muda e muda nossas comunidades. Nós nunca vamos reverter a maré de pessoas que saem da igreja se não falarmos claramente sobre quem somos como o corpo da igreja e o que nos motiva a buscar Jesus.

Sim, nossas vidas podem parecer estranhas e até desagradáveis ​​para alguns amigos seculares. Mas quando vivemos de maneira honesta e aberta, tornamo-nos colaboradores de Cristo e testemunhamos o fato de que não se trata de nós em primeiro lugar.


LEIA MAIS

 

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

The send Argentina é adiado para 2021

Em comunicado, os organizadores do The Send disseram que a data exata será definida assim que o governo tiver o poder de reativar eventos maciços

Em agosto, 16º Fórum de Ciências Bíblicas

Com o tema “A Bíblia para as novas gerações”, evento será realizado nos dias 13 e 14 de agosto, no Centro de Eventos de...

Expoevangélica 2020 é adiada para dezembro

Neste ano, a Expoevangélica celebra 15 anos e pretende realizar uma grande festa em Fortaleza (CE).

Plugue-se

Juliano Son canta “Nada mudou”, do EP Tudo Novo

Canção é o quinto e último single do projeto musical Tudo Novo, de Juliano Son

Kemuel e o fenômeno da música “Algo Novo”

Com quase cinco milhões de vies no Youtube, "Algo Novo", tem impactado a vida de muita gente e diversos testemunhos de cura 

“Quando o sol se põe” estreia dia 22, na Netflix

Filme é uma boa opção para todas as pessoas, independente da religião. Entre os atores de “Quando o Sol se Põe” estão a cantora Priscilla Alcantara, Lu Alone, Filipe Lancaster e Lito Atalaia

Denzel Washington e seu encontro sobrenatural com o Espírito Santo

O ator é bem conhecido por interpretar o papel de Malcolm X - um filme biográfico relacionado às atuais tensões raciais nos Estados Unidos e o Livro de Eli