16.9 C
Vitória
domingo, 12 julho, 2020

Ânimos acirrados: conflitos entre Irã e EUA

Mais lidas

Verstappen crava melhor tempo dos treinos livres do GP da Estíria

Neste domingo, a largada será às 10h10. Saiba mais!

Capixaba Natália Gaudio defende maior longevidade para atletas brasileiras

Após estar na Rio 2016, atleta quer Tóquio e não descarta Paris. Saiba mais!

Casaquistão desmente afirmações chinesas sobre novo vírus mortal

Embaixada chinesa na capital do país advertiu sobre nova doença com "índice de mortalidade superior à Covid-19"

ONU diz que pandemia pode elevar pobreza na América Latina

Em documento, ONU destaca fragilidade do sistema de saúde da América Latina

Os conflitos entre Irã e EUA continuam. O país do oriente médio repudiou apoio de Trump e negou violência contra manifestantes. “As ações podem ter consequências imprevisíveis e dolorosas”, avaliou o historiador, pastor Alderi de Matos

Os conflitos entre Irã e EUA. O governo iraniano rejeitou, nesta segunda (13), o apoio demonstrado pelo presidente Trump aos protestos que ocorreram nos últimos dias. Porém, Teerã negou que a polícia esteja respondendo de forma violenta aos protestos que começaram depois que o governo do Irã admitiu culpa no acidente com um avião ucraniano na semana passada.

No último sábado, o Irã admitiu responsabilidade no abate de um avião da Ukrainian International Airlines. Depois de vários negando envolvimento no acidente em que morreram 176 pessoas.

O incidente aconteceu na última quarta (8. E as forças armadas iranianas admitiram que tudo se deveu a um “erro humano”, ocorrido horas depois de um ataque perpetrado por Teerã contra bases norte-americanas no Iraque, em resposta à investida norte-americana que matou o general Qassem Soleimani em 3 de janeiro.

Protestos

Logo no sábado, o país registrou violentos protestos contra o regime. Foram manifestações da população que se repetiram no domingo e nesta segunda.  No fim de semana, Trump demonstrou no Twitter o seu apoio aos manifestantes. E pediu ao regime para que não exerça violência sobre quem protesta nas ruas.

“O Governo do Irã deve permitir que os grupos de Direitos Humanos monitorem e relatem os fatos sobre os protestos em curso do povo iraniano. Não pode haver outro massacre de manifestantes pacíficos, nem um apagão da Internet. O mundo está atento”, escreveu o presidente norte-americano no Twitter.

O presidente acrescentou, em outra mensagem dirigida ao “corajoso povo iraniano”, que a “presidência” norte-americana e a Administração “estão do seu lado desde o princípio e vão continuar ao seu lado. Acompanhamos de perto os seus protestos e estamos inspirados com a sua coragem”, disse.

Hoje, o regime iraniano reagiu, através da televisão estatal. Ali Rabiei, porta-voz do governo do Irã, assinalou os iranianos que não esqueceram d morte do general Qassem Soleimani e que os Estados Unidos são responsáveis por grande parte das dificuldades econômicas sentidas pelos iranianos no momento.

Para o porta-voz do governo de Teerã, os tweets de Trump em defesa dos manifestantes iranianos são “lágrimas de crocodilo”.

Manifestações e violência

Este é o terceiro dia de manifestações em Teerã. De acordo com a agência Reuters, os manifestantes continuam a contestar o regime, após o abate do avião ucraniano.  Segundo o jornal The Guardian, a polícia iraniana respondeu aos protestos de domingo com violência e balas reais. Teve vários feridos.

“Dispararam repetidamente gás lacrimogêneo, não conseguíamos ver nada. (…) Uma jovem ao meu lado foi baleada na perna. Foi terrível, terrível”, disse uma das testemunhas ouvidas pelo jornal britânico que preferiu não se identificar.

A polícia negou a ação violenta aos protestos. “A polícia não disparou contra os manifestantes. Os policiais da capital receberam ordens para mostrar moderação”, disse o chefe de polícia de Teerão, Hossein Rahimi.

Sofrimento para os cristãos

Na opinião do historiador e pastor, Alderi de Matos, os eventos dos últimos dias podem resultar em grande sofrimento adicional para os cristãos do Irã e de todo o Oriente Médio. As ações podem ter consequências imprevisíveis e dolorosas.

“Num mundo cada vez mais polarizado, política e ideologicamente, os detentores do poder precisam agir com prudência e sensatez para não exacerbar ainda mais as situações tão delicadas que existem em muitas regiões. As negociações, o diálogo e as pressões de natureza pacífica devem ter total prioridade, a fim de se evitar maior dor e sofrimento. O Irã não está isento de culpa em todos esses tristes episódios. Mas espera-se maior dose de bom senso do líder da maior democracia do mundo do que de um aiatolá, exortou.

Se o Irã entrasse em guerra com os EUA?

*Da Redação, Com informações de Agência Brasil


leia mais

Terceira Guerra Mundial?
Estados Unidos x Irã: Afinal, haverá ou não a 3ª Guerra Mundial?

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Amigos e artistas “Juntos pelo sertão” drive-in

Evento, que será realizado no dia 14 de julho, vai reunir artistas e preletores como Aline Barros, Isaías Saad, Gabriel Guedes, Juliano Son, Eli Soares, Hernandes Dias Lopes e outros.

Show drive-in do 3 Palavrinhas esse mês; Saiba mais!

O grupo infantil 3 palavrinhas vai se apresentar na Arena Sessions, no estádio Allianz Parque, em São Paulo dia 19 de julho Atenção criançada! O...

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

The send Argentina é adiado para 2021

Em comunicado, os organizadores do The Send disseram que a data exata será definida assim que o governo tiver o poder de reativar eventos maciços

Plugue-se

Seguir os ensinos de Deus é a melhor escolha

“Se Não Fosse o Seu Amor” é o livro de estreia da empresária Larissa Pessoa, um romance que mostra que seguir os ensinos de Deus é a melhor escolha

Generosidade: O padeiro doador de pão e de fé

O dono de uma padaria no interior de São Paulo decidiu transformar a crise provocada pela pandemia de Covid-19 em uma oportunidade de ajudar quem precisa.

Fórum de Ciências bíblicas 2020: A Bíblia e a Criança

O Fórum de Ciências Bíblicas 2020, que terá temática para as crianças, será realizado nos dias 13 e 14 de agosto

Fé ativa: a base da vida cristã

O discipulado que produz cristãos que levam Deus a sério