26.2 C
Vitória
segunda-feira, 26 outubro 2020

Ana Paula Vescovi defende reforma tributária com impacto neutro na carga

Leia também

Vacina de Oxford produz em idosos resposta imunológica contra covid-19

A vacina de Oxford/AstraZeneca é uma das que estão com os testes mais avançados. Ela está na fase 3 dos ensaios clínicos

Etanol continua competitivo com gasolina, diz ANP

Na média dos postos pesquisados no País, a paridade é de 68,28% entre os preços médios de etanol e gasolina

Ajuste fiscal passa por reformas que aumentam produtividade, diz Bruno Funchal

Funchal disse que o teto dos gastos já endereçou o primeiro problema estrutural da questão fiscal brasileira

É uma reforma importantíssima para a produtividade do País, dado o custo burocrático e de contencioso para as empresas e para o próprio Fisco”, acrescentou Ana Paula

Por Eduardo Rodrigues (AE)

A economista-chefe do Santander e ex-secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, defendeu nesta quinta-feira que a reforma tributária tenha um impacto neutro na carga, sem aumento ou redução de impostos.

“A discussão que geralmente interessa é melhorar o desenho do sistema e a sua eficiência. Fazer um sistema mais simples, mais justo, sustentável e transparente. Hoje nem sabemos quanto pagamos de imposto sobre bens e serviços”, afirmou, na videoconferência “Tributação sobre o consumo: a visão dos setores produtivos”, promovida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Ana Paula lembrou que a reforma tributária elevará o potencial de crescimento da economia brasileira, com mais geração de empregos. “Teremos uma maior chance de investimentos que melhorem a infraestrutura e um país com muito mais chance de sair do que chamamos de armadilha da renda média”, completou.

Segundo Ana Paula, o impacto da reforma tributária que está no Congresso é de 10 pontos porcentuais sobre o PIB no longo prazo. “É uma reforma importantíssima para a produtividade do País, dado o custo burocrático e de contencioso para as empresas e para o próprio Fisco”, acrescentou.

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, foi pelo mesmo caminho e voltou a criticar propostas de criação de novos tributos na reforma tributária, como o imposto sobre pagamentos estudado pela equipe do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Qualquer proposta de criação de novos impostos é uma ‘antirreforma'”, avaliou. “É fundamental que a reforma tributária não aumente a carga. Parece ser um senso comum, mas algumas propostas vão justamente na contramão dessa linha”, afirmou, na videoconferência.

O presidente da Febraban repetiu seu apoio às propostas (PEC45 e PEC110) que tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado. “O novo modelo não deve interferir no funcionamento da economia. O modelo tributário afeta as decisões de produção, consumo e investimento, mas o regime atual é contrário à tomada de decisões que siga lógica econômica”, completou.

Sidney voltou a defender uma reforma com carga tributária equilibrada para todas as forças da economia e maior segurança jurídica para todos os agentes econômicos. “Hoje temos uma indústria de contencioso tributário que enriquece a muitos”, apontou.

O executivo ressaltou que a Febraban não pleiteia a redução de impostos, mas sim um modelo tributário mais competitivo. “A reforma tributária passou a ser imperativa e urgente para a retomada da economia após a pandemia de covid-19. Precisamos retomar a pauta da agenda fiscal sustentável, e isso passa pela reforma tributária”, concluiu.

Reforma administrativa

Ana Paula Vescovi avaliou, também, não ser viável ou razoável discutir a reforma administrativa junto com a tributária. “Temos que discutir a reforma diante de uma neutralidade tributária. O tamanho do Estado também é uma decisão da sociedade que não tem nada a ver com o desenho tributário. Temos condições de ter uma sociedade eficiente com maior crescimento potencial, independentemente se o Estado é grande ou pequeno”, afirmou.

Ana Paula ressaltou a importância da reforma administrativa dentro do debate sobre o tamanho do Estado e a sustentabilidade de dívida pública. “Mas essa é uma outra discussão. Precisamos ter essa clareza, ou vamos travar o debate sobre a reforma tributária”, avaliou.

Crédito

Isaac Sidney defendeu no evento a redução da carga tributária sobre as operações de crédito, que é paga pelo tomador de empréstimos e não pelos bancos. “A cunha fiscal sobre o spread bancário é um problema mal resolvido e precisamos tocar nessa ferida. Precisamos tornar o crédito mais acessível e isso passa por resolver as causas estruturais do spread”, afirmou o presidente da Febraban.

Segundo ele, a concessão de crédito teria sido ainda maior durante a pandemia se não fosse a alta carga de tributos sobre essas operações. Sidney destacou que a cada R$ 100 em spread bancário, os cidadãos e empresas pagam R$ 20 em tributos.

“Precisamos repensar o modelo tributário do crédito para que ele se torne mais barato para famílias e empresas. Muitas vezes as pessoas pensam que estão pagando juros, quando na verdade estão pagando tributos”, completou.

Custo de transição

Ana Paula Vescovi, alertou, na videoconferência, que o custo de transição na reforma tributária para Estados e municípios não pode sobrecarregar a União. “Temos que ter o cuidado de não colocar a conta da transição em cima da União ou sobrecarregar as contas pública para fazer um consenso sobre a reforma. Se o País crescer mais, todos os atores serão ganhadores nesse processo”, afirmou.

Para ela, a reforma tributária será uma oportunidade para se discutir questões do desenvolvimento regional, como subsídios e gastos tributários para atenuar ineficiências. “É preciso enfrentar a questão do excesso de subsídios no Brasil, que não encontra paralelos no mundo”, completou.

Como mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, os secretários estaduais de Fazenda e Finanças defendem a criação de fundos com recursos da União para compensarem a eventual perda de arrecadação de entes na reforma, além da desoneração completa das exportações.

A criação desse fundo – com repasses de até R$ 480 bilhões em dez anos – esteve no centro da discórdia recente entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Enquanto Maia apoia o pedido dos governos estaduais, Guedes é totalmente contra o aumento do dispêndio da União no que considera uma recriação da extinta Lei Kandir – que foi alvo de disputas entre governo federal e governos regionais por mais de duas décadas.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Guedes diz que pode desistir de imposto sobre transações digitais

"A Febraban é que mais subsidia e paga todos os economistas brasileiros para dar consultoria contra esse imposto", afirmou Guedes

Medo do desemprego cai e é menor que o registrado no final de 2019, revela CNI

O desemprego também segue maior entre a população feminina, os brasileiros que residem no Nordeste e os que recebem até um salário mínimo

Avaliação positiva de Bolsonaro sobe de 29% em dezembro para 40% em setembro

O Ibope também perguntou os entrevistados se aprovam ou desaprovam a maneira do presidente administrar o País

Simone Tebet: governo falar em imposto novo polui o debate da reforma tributária

"Vamos discutir ISS e ICMS em um segundo momento, quando o governo tiver condições de criar um fundo", disse a senadora

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Governo pede retirada de urgência na tramitação da reforma tributária

O projeto de lei com essa primeira etapa da reforma tributária foi enviado ao Congresso no dia 21 de julho

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

Semana dos manuscritos do Mar Morto; Saiba mais!

Arqueólogos e especialistas vão apresentar um dos mais impactantes achados da humanidade, na semana dos manuscritos do Mar Morto. Evento, que começa nesta segunda,19, é gratuito!

Live Solidária “Um Com Eles” em Libras

A live solidária, realizada pela Portas Abertas, será transmitida pelo Facebook, e estará acessível a todos que entendem a língua brasileira de sinais. Saiba mais!

Desafio Superação em corrida virtual; É neste domingo, 18

Em alusão ao Outubro Rosa, o Desafio Superação vai mobilizar mulheres cristãs de todo o Brasil em prol da saúde. Saiba mais!

Vovô Raul Gil recebe artistas gospel em live; Saiba mais

A live gospel do Vovô Raul Gil será no dia 21 de outubro e vai reunir personalidades e artistas evangélicos. Saiba mais!
- Publicidade -

Plugue-se

Respostas simples para questões complexas sobre a fé cristã

"Cristianismo bem explicado" é o quarto livro da série da Mundo Cristão, dedicada a esclarecer pontos difíceis sobre convívio social, Bíblia e teologia.

Kemuel fará reality; Novidade será anunciada em live

Isadora Pompeo, Rebeca Carvalho, Sarah Beatriz, Neil Barreto, Felipe Vilela e Pyero Tavolazzi são alguns dos convidados da live com Kemuell neste domingo, 25

Lenda da indústria da música, Mariah Carey e o despertar da fé

Em seu livro "The Meaning of Mariah Carey" (O significado de Mariah Carey), a cantora pop , Mariah Carey, disse que depois de encontrar o Espírito Santo durante sua juventude, sua fé em Deus foi despertada. Saiba mais!

Discos de platina e platina triplo para Davi Sacer

om milhões de plays, o cantor e compositor recebe premiações durante a gravação do seu novo projeto no Rio de Janeiro (RJ)