Alex Kendrick: A força do cinema cristão

Produtor e diretor do grupo de filmes mais visto pelo segmento evangélico de todos os tempos, Alex Kendrick, declara: “Deus está usando o cinema cristão para tocar milhares de vidas”

Por Priscilla Cerqueira 

Palavras se somam a imagens que fixam, impressionam. Uma sensibilidade que mostra o amor em sua forma mais pura, traz esperança e faz-nos refletir sobre nossas atitudes e nosso coração em relação a Deus.

Um dos maiores nomes do cinema cristão no mundo, em conteúdos voltados para a família, com abordagem de fé, identidade e perseverança, o pastor, produtor, diretor e também ator Alex Kendrick se tornou conhecido por seus papéis nos filmes “Desafiando Gigantes”, “Corajosos” e “Quarto de Guerra”.

Agora, além de atuar como diretor na produção, ele interpreta John Harrison, um treinador de time de basquete de ensino médio que tem seus sonhos arruinados quando a maior fábrica da cidade é fechada, fazendo com que centenas de famílias se mudem. O personagem experimenta tais provações no longa-metragem “Mais que Vencedores”, nova produção da Kendrick Brothers que, somente no Brasil, já levou mais de um milhão de pessoas aos cinemas.

Em novembro, o cineasta esteve no país para a divulgação da obra, produzida pela empresa que dirige ao lado dos irmãos, Stephen e Shannon Kendrick. Nesta entrevista exclusiva à Comunhão, Alex Kendrick deu um testemunho sobre seu relacionamento com Deus e de como alcançou sucesso com a sétima arte, uma paixão de criança que virou ministério, pautado na meta de investir na sua geração para mudar vidas e honrar a Deus. “Deus orquestrou todos os detalhes quando oramos e confiamos no Senhor. E começou a nos inspirar com histórias de redenção, esperança e fé”, contou.

Todos os seis títulos lançados pelos irmãos Kendrick conquistaram o público, e o melhor, almas se renderam aos pés do Senhor, garante Alex. São milhares de pessoas que relataram nova fé em Jesus e compartilharam histórias incríveis sobre Deus trabalhando em suas vidas. Kendrick revelou ainda o que pensa sobre o cinema cristão e seu desejo de filmar uma produção no Brasil. Confira!

Quando teve a visão de implantar um ministério voltado ao cinema? Foi um chamado divino?

Eu e meus irmãos crescemos sem TV em casa. Era especial assistir a um filme com a família nos cinemas. Lembro-me de que pensava: “Tenho que fazer filmes quando ficar mais velho”. Então tivemos interesse nisso. Meus pais pediam que entregássemos os corações ao Senhor. Fizemos isso e, após a faculdade, iniciamos o ministério voltado para o cinema. O amor por contar histórias nunca nos deixou, e isso nos motivou a unir esse sentimento ao ministério com a narrativa. Consultei o meu pastor se poderíamos produzir um filme para a comunidade e pedimos a Deus por Suas ideias. Então nasceu nosso primeiro trabalho, “A Virada”, em 2003, exibido em apenas um cinema.

Mas, quando o colocamos em DVD, o filme explodiu e vendeu mais de um milhão. Muitas pessoas responderam ao Evangelho e pedimos a Deus mais ideias para produzir outros. Então surgiu o segundo filme, “Desafiando Gigantes”, que também foi um sucesso. Depois fizemos outras quatro produções: “À Prova de Fogo”, “Corajosos”, “Quarto de Guerra” e “Mais que Vencedores”. Quando entregamos nossos corações a Deus, Ele começou a nos inspirar com histórias de redenção, esperança e fé. Aprendi a não ir à frente de Deus, mas andar com Ele todos os dias. Queremos atrair as pessoas para Deus através de nossos filmes, dando-lhes uma ótima experiência cinematográfica!

“Queremos atrair as pessoas para Deus através de nossos filmes, dando-lhes uma ótima experiência cinematográfica!”

Sendo pastor, como equilibrou a vida familiar com o ministério e a carreira?

Liderei uma igreja por 20 anos e gostei muito. Mas, quando o ministério do cinema começou a crescer tão rapidamente, orei e recebi conselhos sobre o que deveria fazer. A igreja orou por nós e nos abençoou para produzirmos trabalhos que honrassem a Deus e compartilhassem a mensagem do Evangelho. Agora uso filmes para ministrar na vida das pessoas. É claro que consome muito tempo, não apenas a produção do filme, mas também o tratamento de imagem, de áudio, toda a edição.

É um grande desafio. Mas minha família me ajuda na produção. Meu filho mais velho é cinegrafista; o caçula é ator; minha esposa e filhas ajudam com alimentação, adereços e decoração dos cenários. Todos estão envolvidos nesse ministério. É uma bênção! Louvo a Deus por qualquer fruto desse ministério. No entanto, me protejo com cuidado, me reabasteço com o Senhor para que eu possa ser restaurado espiritual e emocionalmente para não prejudicar minha relação com a família e com a igreja.

Qual o processo de escolha dos projetos cinematográficos?

Passamos um ano entre projetos pedindo a Deus orientação e inspiração. Ele nos conta as histórias, e o resto vai fluindo. Sempre acreditamos no Senhor, independentemente de qualquer coisa. A cada dois anos, lançamos uma produção no mercado cinematográfico. Quase todos os dias recebemos algum script, livro ou telefonema de sugestões de histórias. Entendemos isso; todo mundo acha que suas ideias são incríveis.

Mas esperamos Deus determinar o que quer que façamos. Os nossos distribuidores não entendem a nossa fé. Estão sempre nervosos quando produzimos filmes sobre fé.
Mas ficam impressionados com o que Deus faz. A única maneira que consigo entender com isso é que realmente existe um Deus. É realmente incrível, mas temos aprendido que à medida que escutamos o Senhor e O obedecemos, Ele é fiel e dá resultados.

Kendrick contracenando em um de seus filmes, uma das funções que mais gosta de fazer quando grava
Você é diretor, produtor, roteirista e ator. Tem algo que goste mais? Cada função é uma nova experiência?

Gosto de qualquer coisa que ajude a contar a história. Produzir é muito difícil para mim, então meus irmãos fazem isso. Gosto de dirigir, atuar e editar, porque posso ver a história se desenhar. Mas atuar nas cenas também é interessante. Algumas são mais difíceis por causa da história, que exige uma maior produção. Mas, de qualquer forma, qualquer função é sempre um desafio.

Seus filmes atingiram proporções extraordinárias em todo o mundo. Você esperava toda essa repercussão? E como lidou com esse sucesso?

Quando dedicamos nossos filmes a Deus, Ele nos abençoa mais do que imaginávamos. Mas também percebemos que, se não O honrássemos, Ele poderia tirar tudo. Por isso, levamos nosso trabalho muito a sério! Primeiro sou ministro, marido e pai; tenho responsabilidades. O que sempre analiso é como estamos espiritualmente, se estamos tomando decisões sábias e quais são nossos pedidos de oração. Não nos referimos a ninguém em nossos filmes como estrelas, nós os vemos como atores. A mensagem e o fato de estarmos fazendo isso como ministério é que são importantes.

“Louvo a Deus por qualquer fruto desse ministério. No entanto, protejo-me com cuidado, reabasteço-me com o Senhor para que eu possa ser restaurado espiritual e emocionalmente para não prejudicar minha relação com a família e com a igreja”

Muitas pessoas se declaram restauradas ou mesmo convertidas ao ser impactadas por filmes de vocês. Como se sente diante dessa responsabilidade?

Temos visto tantas histórias milagrosas de Deus revivendo casamentos mortos, levando o pródigo para casa, fornecendo o que for necessário para curar as famílias. Tudo isso é reflexo das mensagens passadas por nossos filmes. Deus tem feito muitas coisas.
Vou contar uma experiência. Havia um casal que levou para ver o filme seu filho adolescente com necessidades especiais. Ele tinha comunicação limitada e conseguia falar um pouco, mas os pais nunca sabiam o quanto ele realmente entendia sobre a salvação. Depois de assistirem ao filme e voltarem para o carro, o filho começou a se comunicar com os pais: “Quero que minha identidade esteja em Cristo. Eu quero ser um seguidor de Jesus”.

É muito gratificante saber que tantas pessoas são tocadas e incentivadas por esses filmes. Nós apenas fazemos o filme, enquanto Deus muda o coração. Nós existimos para honrar a Jesus Cristo e tornar Sua verdade e amor conhecidos entre as nações através de filmes, livros, currículos e palestras. Ao misturar, em espírito de oração, histórias envolventes com integridade doutrinária, procuramos incentivar e inspirar espectadores e leitores com recursos que afetam sua vida espiritual e fortalecem suas famílias e seus relacionamentos pessoais.

“Nossas prioridades são a oração e a busca dEle. Se esse é o propósito de Deus para nós, então O seguimos aonde quer que Ele nos leve. Dessa maneira saberemos que os resultados positivos virão”

E qual a repercussão desses depoimentos – sobre lições de fé, encorajamento e fornecimento da verdade bíblica no contexto da aplicação da vida – na sua vida
pessoal e espiritual?

Cresci espiritualmente com todos os filmes que lancei. Enquanto desenvolvemos a história, Deus me ensina as lições de cada filme da minha vida pessoal. Às vezes é doloroso, mas sou grato pela maneira como Deus constrói minha fé! Em minha própria vida, tomei medidas a fim de criar mais oportunidades para meus filhos crescerem espiritualmente, em vez de apenas me certificar de que estamos sempre na igreja aos domingos. Comecei a ler regularmente a Palavra de Deus para eles. Leio um capítulo das Escrituras todos os dias, pois creio que a Bíblia tem histórias tão envolventes quanto qualquer filme que tem por aí. Com isso, nossos filhos estão aprendendo sobre a Palavra de Deus.

Como você avalia suas produções?

Melhoramos nossas produções em cada novo trabalho. Sempre buscamos pela excelência. Tentamos melhorar o valor de produção de cada um com melhor atuação, direção e cinematografia para chamar a atenção do espectador. Mas, antes de qualquer coisa, nossas prioridades são a oração e a busca dEle, se esse é o propósito de Deus para nós. Então O seguimos aonde quer que Ele nos leve. Dessa maneira, os resultados positivos virão.

“Quase todos os dias recebemos algum script, livro ou telefonema de sugestões de histórias. Entendemos isso; todo mundo acha que suas ideias são incríveis. Mas nós esperamos Deus determinar o que quer que façamos”

Críticos do cinema, pastores e líderes afirmaram que “Mais que Vencedores” é uma das mais belas lições de fé e de esperança. Considera-a como sua grande produção cinematográfica? Em que ela se diferencia das demais?

Todos os filmes que lançamos têm histórias com abordagens muito diferentes. Eu diria que “Desafiando Gigantes” é certamente o mais inspirador. Do ponto de vista conjugal,
“À Prova de Fogo” é muito convincente. “Corajosos” apenas lembra os papéis que temos como pais e o quanto isso não é algo que você delega facilmente. Somos orientados a amar nossos filhos. Baseado numa história real, “Quarto de Guerra” mostra como a oração é uma arma poderosa na vida do cristão. Considerado estratégia de evangelismo, “Mais que Vencedores” mostra a relação de Deus com Seus filhos, através de questionamentos como a verdadeira identidade e paternidade em Deus. Esse filme de fato é a nossa maior e melhor produção cinematográfica até hoje e a de maior sucesso de bilheterias nos cinemas. Mas não necessariamente é a nossa história mais poderosa. Como os outros filmes, ele também tem um enredo único, fala sobre como é importante nos encontrarmos Naquele que nos criou.

Você também é autor de livros de sucesso como “Courageous” e “The Resolution for Men”. Conte-nos um pouco sobre suas obras literárias.

“Love Dare” foi o nosso primeiro livro e realmente ajudou os casamentos. “Resolution for Men” (“Resolução para Homens”) ensinou a verdadeira definição de masculinidade e como abraçar seu papel como marido e pai. “O Plano de Batalha para Oração”, nossa nona obra, talvez seja um dos maiores sucessos na literatura que já lancei. Ele orienta os leitores sobre o que é a oração, que é falar com o Deus do universo, que é santo e justo, mas que quer um relacionamento conosco. Muitas vezes oramos por algo, e isso não acontece. Imediatamente, pensamos: “Talvez Deus não se importe” ou “Ele não ouviu”. Mas Ele sempre estará aguardando pacientemente o momento perfeito para responder a uma oração, para que isso tenha mais significado para nós e dê a Ele glória. A obra ajudou as pessoas a entender como orar estrategicamente e a compreender quem são em Cristo! Estamos muito animados com o modo como o Senhor está usando esses livros para mudar tantas vidas!

Alex Kendrick contracenando no filme Mais que vencedores, sucesso de bilheteria nos EUA e no Brasil
Voltando ao cinema, você esteve no Brasil pela primeira vez para o lançamento de “Mais que Vencedores”. Qual sua análise sobre o cinema cristão no país?

O Brasil foi incrível! A terra e as pessoas são lindas! Nós nos sentimos bem-vindos e fomos tratados muito bem. Isso me fez querer visitar novamente! A comida é incrível! Adorei ver tantas coisas novas que não vemos nos EUA. Também fiquei feliz e abençoado por ver o filme “Mais que Vencedores” ocupar o primeiro lugar nos cinemas no dia em que foi lançado. Tantas pessoas viram que dobramos o número de salas de exibição! Isso é sensacional. Agora que conheci o país, gostaria de trazer minha família. Estou entusiasmado em fazer um filme no Brasil, mas vou orar e perguntar para Deus se podemos gravar uma obra aqui. Temos um filme novo que vamos gravar em 2020. Quem sabe aqui seja o próximo? Só Deus dará essa resposta.

E qual é o futuro do cinema cristão?

Deus está usando o cinema cristão para tocar milhões de vidas. Estou animado para ver o que o futuro reserva e, à medida que mais e mais jovens aprendem a usar o cinema para honrar a Deus, os filmes só ficam mais fortes!


Leia mais

X