21.5 C
Vitória
sábado, 4 julho, 2020

ONG pede à África do Sul que legalize prostituição para combater HIV

Mais lidas

Partida entre Fluminense e Botafogo será transmitida em TV aberta

Partida entre Fluminense e Botafogo será transmitida em TV aberta

Presidente sobrevoou áreas afetadas por ciclone em Santa Catarina neste sábado

"Governo está a disposição para ajudar os atingidos", diz Bolsonaro. Confira!

Flexibilização do isolamento pode ter levado 1,1 milhão de volta ao trabalho

Segundo a Pnad Covid, pesquisa divulgada pelo IBGE, de 7 a 13 de junho, a taxa de desemprego no País estava em 12,4%, ante 11,8% na semana anterior

ES: Igreja celebra aniversário com carreata, culto drive-in

Aniversário de 29 anos da Primeira Igreja Batista da Praia da Costa, em Vila Velha (ES) foi diferente. Além de uma live com o grupo Kemuel, teve a carreta da gratidão e o encerramento com o culto drive-in, com participação de Anderson Freire

A África do Sul tem a maior incidência da epidemia de HIV no mundo

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) recomenda à África do Sul que legalize a prostituição, considerando que o governo impede os esforços para acabar com a epidemia do HIV ao tratar o trabalho sexual como crime.

No relatório de 70 páginas “Porque o trabalho do sexo deve ser descriminalizado na África do Sul”, divulgado em Joanesburgo, a organização de defesa dos direitos humanos defende que as autoridades sul-africanas “deveriam descriminalizar a troca de sexo por dinheiro praticada consensualmente por adultos”, levando em conta o bem-estar e a segurança dos trabalhadores do sexo.

“Os profissionais do sexo na África do Sul enfrentam prisão, detenção, assédio e abuso da polícia, o que também os impede de denunciar violações ou outros ataques brutais de que são alvo”, afirma Liesl Gerntholtz, vice-diretora executiva do Human Rights Watch.

“Em todo o mundo, nós e outros grupos de direitos humanos encontramos os mesmos padrões de abuso onde o trabalho sexual é criminalizado”, afirma.

A venda de sexo é ilegal na África do Sul, lembra a organização internacional, acrescentando que a prática foi criminalizada em 2007 pelo Governo do Congresso Nacional Africano (ANC, sigla em inglês), no poder desde a queda do apartheid (regime de segregação racial que vigorou no país) em 1994.

A legislação sul-africana também proíbe a propriedade ou frequência a “bordéis”, obter rendimentos com a “prostituição” e persuadir uma mulher para a prática, diz a HRW.

Baseado em pesquisa realizada entre maio e junho de 2018 pela Human Rights Watch em quatro províncias da África do Sul, o levantamento mostra a forma como a criminalização do trabalho do sexo “alimenta violações dos direitos humanos contra profissionais do sexo, inclusive por agentes policiais, e impede o seu direito à saúde”.

“Os profissionais do sexo também relataram serem explorados sexualmente pela polícia e obrigados a pagar subornos aos agentes policiais”, afirma o HRW no relatório. O trabalho destaca ainda inconsistências profundas entre os diferentes órgãos do governo sul-africano na sua abordagem ao trabalho sexual.

A organização norte-americana fala dos esforços do Ministério da Saúde da África do Sul para apoiar as profissionais do sexo no acesso à saúde pública, enquanto o sistema de justiça criminal adota “abordagem punitiva”.

Entre as recomendações, a HRW apela ao Ministério da Justiça e Desenvolvimento Constitucional para que introduza uma nova lei que elimine sanções criminais e administrativas contra o trabalho sexual voluntário consensual de adultos e dê assistência aos direitos constitucionais dos profissionais do sexo, incluindo o direito ao trabalho de acordo com a legislação.

A África do Sul tem a maior incidência da epidemia de HIV no mundo – 19% da população mundial infectada com o HIV reside no país.

*Com informações da Agência Brasil.

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Artistas cristãos na ação social “Eu Soul VC”

Entre os artistas cristãos confirmados estão Casa Worship, Renascer Praise, André e Felipe, Rebeca Carvalho e Leandro Borges

The send Argentina é adiado para 2021

Em comunicado, os organizadores do The Send disseram que a data exata será definida assim que o governo tiver o poder de reativar eventos maciços

Em agosto, 16º Fórum de Ciências Bíblicas

Com o tema “A Bíblia para as novas gerações”, evento será realizado nos dias 13 e 14 de agosto, no Centro de Eventos de...

Expoevangélica 2020 é adiada para dezembro

Neste ano, a Expoevangélica celebra 15 anos e pretende realizar uma grande festa em Fortaleza (CE).

Plugue-se

Enciclopédia dos adventistas em formato digital

Enciclopédia é fruto de um trabalho de dezenas de profissionais em várias partes do mundo e inclui material sobre pioneiros adventistas na América do Sul

Juliano Son canta “Nada mudou”, do EP Tudo Novo

Canção é o quinto e último single do projeto musical Tudo Novo, de Juliano Son

Kemuel e o fenômeno da música “Algo Novo”

Com quase cinco milhões de vies no Youtube, "Algo Novo", tem impactado a vida de muita gente e diversos testemunhos de cura 

“Quando o sol se põe” estreia dia 22, na Netflix

Filme é uma boa opção para todas as pessoas, independente da religião. Entre os atores de “Quando o Sol se Põe” estão a cantora Priscilla Alcantara, Lu Alone, Filipe Lancaster e Lito Atalaia