21 C
Vitória
sexta-feira, 19 agosto 2022

Abuso sexual infantil: mais comum do que se imagina

Foto: Reprodução

A cada hora, cerca de 15 crianças sofrem algum tipo de violência no Brasil. Quando o assunto é abuso sexual essa estatística fica ainda pior: 80% delas acontecem dentro de casa

O caso da menina de 10 anos que foi violentada pelo tio e teve o aborto concedido pela justiça, acendeu o alerta para o abuso sexual. Segundo especialistas, é mais comum do que se imagina. A cada hora cerca de 15 crianças sofrem algum tipo de violência no país. E quando o assunto é abuso sexual essa estatística fica ainda pior. 80% delas acontecem dentro de casa.

Entre 2011 e 2017, foram notificados 184.524 casos de violência sexual no Brasil. Desse total, 58.037 (31,5%) são em crianças e 83.068 (45,0%) em adolescentes, . Os dados são de um Boletim Epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde em junho de 2018. E mais: 51% das crianças abusadas sexualmente no Brasil têm de 1 a 5 anos.

Estudos mostram que, em um grande número de casos, entre 70 e 80% dos registrados, os abusadores são conhecidos das crianças e incluem cuidadores como pais, parentes e professores. E a família não denúncia por medo.

“Família tem medo do encarceramento do parente envolvido no crime”, explica a advogada cristã, Natália Lessa, que é militante no combate à violência contra mulher. “E infelizmente acontece em qualquer lugar, até na igreja. Muitos pastores cometem esse crime, mesmo sabendo disso não fazem nada, pois implica em diversas coisas, como dinheiro e a própria fé da pessoa, que passa a não vê-lo como referência”, complementa.

Inaceitabilidade do abuso

Aumentar a conscientização sobre a inaceitabilidade do abuso sexual infantil e promover a noção de que parar o abuso sexual infantil é responsabilidade de todos são algumas das informações que mais circulam pela internet.

Afinal, todos os adultos e adolescentes precisam saber que o abuso sexual infantojuvenil é um crime que costuma causar graves danos às crianças, que a ajuda está disponível para aqueles que a procuram e que as crianças nunca podem consentir na atividade sexual.

Mas afinal como tudo isso é transmitido às crianças e qual a forma eficaz de prevenção? “Prevenir é basicamente evitar que algo aconteça, é antecipar-se. Prevenir não é, por exemplo, explicar que alguém não pode tocar nas partes íntimas da criança. É, antes de mais nada, explicar o que são as partes íntimas, qual o projeto de Deus para as partes íntimas, qual a função delas no processo global de formação corpórea dessa criança.

Por isso, é preciso entender a razão de a criança interagir com esse corpo, porque esse corpo é dela… Então, antes das noções de prevenção mais populares na internet, especialmente, durante o Maio Laranja, existe um trabalho de base anterior”, informa a missionária Brena Riker, que lida com a temática da sexualidade humana há 15 anos.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se