20.6 C
Vitória
sexta-feira, 7 agosto, 2020

Abuso de poder religioso?

Leia também

Comércio demite 2,137 milhões de trabalhadores no trimestre encerrado em junho

Com muitos trabalhadores fora da força em função da pandemia, número de pessoas ocupadas no Brasil teve redução recorde de 9,6% no período

Américas continuam a ser epicentro da pandemia da covid-19

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, insistiu na necessidade de adoção das medidas já conhecidas para controlar os contágios de covid-19

Embaixada brasileira foi atingida por explosões em Beirute

Apesar da destruição, o governo brasileiro informou que o impacto não causou danos estruturais ao prédio da embaixada brasileira Por Renata Tranches (AE) O Ministério das...

A influência é considerada legítima, e exercício da liberdade de pensamento. E os religiosos? Não podem falar sobre política? Isso chega a soar ofensivo.

Discussão recorrente nas últimas eleições, a participação de cidadãos religiosos no debate político voltou à cena porque o Ministro Edson Fachin propôs que o TSE passe a reconhecer o “ilícito” de “abuso de poder religioso”.

O caso comprova que até os mais eruditos podem se equivocar, afinal, o crime de “abuso de autoridade religiosa” afronta a Constituição, em especial o art. 1º,  art. 5º e art. 19, que o Poder Público crie “distinções entre brasileiros ou preferências entre si”.

A tese do “abuso religioso” decorre de visão equivocada, que tenta excluir as pessoas de fé do debate público. O Estado é laico, não laicista. O próprio TSE, ao julgar o RO 265.308, em 2017, decidiu que a Constituição e as leis eleitorais não contemplam a figura do “abuso do poder religioso” porque o Congresso jamais criou essa figura. Se o Judiciário criasse esse crime eleitoral, haveria um ativismo inaceitável, com desrespeito ao texto constitucional.

A tipificação do ilícito eleitoral em face somente dos religiosos também seria uma flagrante discriminação, uma perseguição religiosa. Não há debates dessa natureza sobre outros setores. Ainda que possa haver excessos e até coação psicológica para direcionar os votos em outros nichos, não está posta a hipótese de se criar, por exemplo, o “abuso de poder ambientalista”, “ruralista” ou “sindicalista”.

Nessas situações, a influência é considerada legítima, e exercício da liberdade de pensamento. E os religiosos? Não podem falar sobre política? Isso chega a soar ofensivo.

A “coação moral de natureza eleitoreira” é muito mais frequente em universidades e em shows multitudinários do que nas igrejas. O Estado Democrático de Direito não admite tratamento diferente para  sindicatos e igrejas, artistas e ministros religiosos.

Michael Sandel, professor de Harvard, observou que pessoas encaram a disputa política a partir de suas visões de mundo e, legitimamente, alguns cidadãos formam convicções a partir da religião.

O próprio STF, na ADPF 548, garantiu a livre manifestação de ideias em universidades durante período eleitoral. Estudantes e professores universitários têm mais direitos do que os religiosos que não participam da academia?  Quem tem  fé é cidadão de segunda classe?

Só quem se submeteu ao crivo do voto popular pode criar normas gerais. Por isso é antidemocrático o TSE legislar. Mesmo os 11 ministros do STF, ainda que bem intencionados, não podem ocupar o lugar de 513 deputados federais e de 81 senadores. O STF legislar fere o equilíbrio dos Poderes. Quando os juízes legislam, aí sim temos abuso de autoridade.

Os limites eleitorais, obviamente, devem ser respeitados. É preciso coibir as propagandas irregulares dentro dos templos e eventuais abusos de poder econômico, quando usados pela religião. Mas isso deve ser feito dentro das regras eleitorais, não com a criação de um tipo específico que resultará apenas em criminalização da fé.

O voto do Ministro Fachin parece suscitar a velha e ultrapassada afirmação de que política e religião não se misturam. O Judiciário não pode criar lei nem impor discriminações que terminariam por perseguir os valores religiosos. Isso violaria a Constituição e o art. 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esperamos, respeitosamente, que o TSE não queira tornar “lei” essa tese equivocada.

William DouglasProfessor e Juiz Federal e Valmir Nascimento Milomem SantosProfessor e Conselheiro do IBDR.

- Continua após a publicidade -

Comunhão Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Semana de lives da Consciência Cristã 2021; Confira as datas!

O tema das lives, que acontece de hoje, 3, até sábado, 8, é "Feitos à imagem de Deus", que será a abordagem do Consciência Cristã 2021

Helena Tannure e Alda Célia no Congresso Vitoriosas

É a terceira edição do evento, que é voltado para mulheres. O tema do Congresso Vitoriosas 2020 será Transformadas. Saiba mais! 

Lagoinha abre curso Linhas de ensino; Saiba mais!

As aulas das turmas do primeiro módulo do Curso Linha de ensino se iniciam a partir de 17 de agosto. Saiba mais!

Fórum literário: O absurdo, a esperança e mais além

Realizado desde 2016, o Fórum literário é um curso para peregrinar nos caminhos da arte e da fé cristã. Evento, que será online, começa hoje, 27. Saiba mais aqui! 

Plugue-se

“Recuperando a esperança” e fortalecendo a fé

Baseado em milhares de histórias verdadeiras, "Recuperando a esperança" é um forte lembrete de nunca é tarde demais para mudar e se transformar

Justin Bieber e esposa batizados: “momento especial”

Justin Bieber e esposa foram batizados e publicaram fotos do momento nas redes sociais

Doses diárias de sabedoria com devocional de Provérbios

O devocional de provérbios é um lançamento da gravadora Nova Fase, apresentado pelo pastor Alirio Misael

Mari Borges passa a integrar o time de artistas da Musile

Cantora mineira, que tem 11 anos de carreira, vem crescendo nas plataformas. Seu canal no Youtube ultrapassa os 600 mil inscritos