21 C
Vitória
quarta-feira, 8 dezembro 2021

Abner Ferreira defende responsabilidade ambiental no Vaticano

O bispo participou do evento Fé e Ciência: rumo à COP26, que recebeu 22 representantes de outras religiões, além de cientistas

Por Patricia Scott

O evento Fé e Ciência: rumo à COP26, promovido pelo Vaticano, nesta terça-feira (5), contou com a presença do bispo Abner Ferreira, da Assembleia de Deus Ministério Madureira. O papa Francisco participou da reunião, que recebeu 22 representantes de outras religiões, além de cientistas.

O objetivo do encontro foi assinar em conjunto um apelo às autoridades globais que estarão na COP26, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que acontecerá entre os dias 31 de outubro e 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia. O documento solicita que as nações participantes se comprometam com a redução da própria emissão de gás carbônico, como também ajudem a financiar a redução de poluentes em países pobres.

Abner Ferreira, em seu discurso, destacou a tarefa principal da Igreja de anunciar as Boas-Novas da Salvação em Cristo Jesus. No entanto, ele frisou que isto não isenta a Igreja de preocupar-se com a questão ecológica.

“Foi Deus quem responsabilizou homens sobre esta tarefa [cuidar do meio ambiente]. Gênesis 2.15 está escrito: ‘Tomou pois o Senhor Deus o homem e o pôs no Jardim do Éden, para o lavrar e o guardar’. Trabalhar e proteger, proteger e trabalhar. O cristão não deve violar os mandamentos de Deus quanto à preservação das espécies por causa do progresso”, salientou

Abner Ferreira discursou no evento Fé e Ciência: rumo à COP26 – Foto: Reprodução YouTube

O bispo Abner pontuou ainda que a preservação do meio ambiente não é responsabilidade apenas dos governantes. “O zelo pelo local onde vivemos é tarefa de cada um de nós, pois é, antes de tudo, a nossa casa, o nosso patrimônio, o nosso bem maior, a nossa herança [do Senhor]”.

Ferreira encerrou o discurso citando que a pandemia serviu para uma reflexão: “Nós só temos uma escapatória, nos unirmos pelo bem comum, pela preservação do lugar onde Deus nos colocou para viver. Muito obrigado, Deus abençoe”.

Uma oração silenciosa marcou o ecumenismo da reunião, que foi conduzida pelo diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. De acordo com nota oficial do Vaticano, após a última assinatura, a do Papa Francisco, Bruni convidou os participantes a um momento para “levando no coração, sobretudo os mais pobres e marginalizados, aqueles que primeiramente e de maneira mais forte sofrem os danos causados pelas mudanças climáticas”.

Leia na integra o discurso do bispo Abner Ferreira:

Mas, isto não nos isenta de preocupar-se (sic) com a questão ecológica. Foi Deus quem responsabilizou homens sobre esta tarefa. Gênesis 2:15 está escrito: ‘Tomou pois o Senhor Deus o homem e o pôs no Jardim do Éden, para o lavrar e o guardar’. Trabalhar e proteger, proteger e trabalhar. O cristão não deve violar os mandamentos de Deus quanto à preservação das espécies por causa do progresso.

A preservação do meio ambiente não é responsabilidade apenas dos governantes. O zelo pelo local onde vivemos é tarefa de cada um de nós, pois é, antes de tudo, a nossa casa, o nosso patrimônio, o nosso bem maior, a nossa herança.

O que podemos fazer para reduzir a poluição e os impactos ambientais? A preservação do meio ambiente está intrinsecamente ligada ao homem, ao que ele tem e ao que pode deixar de legado para as futuras gerações. O cuidado com o planeta Terra pode ser feito tanto no âmbito da coletividade, quanto na individualidade. Hábitos simples podem gerar enormes mudanças. Uma mente renovada e sadia pensa com qualidade acerca do ambiente em que vive, em total harmonia com a natureza. Salmo 24:1,2, disse o salmista: ‘Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e todos aqueles que nele habitam, porque Ele a fundou sobre os mares e a firmou sobre os rios’.

Que Deus abençoe a todos os que participam desse evento. Eu encerro as minhas palavras lembrando uma palavra que meu querido papai, bispo primaz Manoel Ferreira, que tem 67 anos de sacerdócio, e nesse episódio da pandemia, eu conversando com ele e falando ‘pai, qual sua visão sobre isso, o que está acontecendo, o que a humanidade deve fazer?’, e ele disse ‘meu filho, acima da ciência, só Deus’. Essa pandemia serviu para nos trazer uma reflexão: que nós só temos uma escapatória, nos unirmos pelo bem comum, pela preservação do lugar onde Deus nos colocou para viver (sic). Muito obrigado, Deus abençoe”.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se