22.9 C
Vitória
domingo, 31 maio, 2020

A música está inútil no culto

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Após Crivella liberar, Justiça do Rio proíbe cultos religiosos por coronavírus

Foi determinado que a Prefeitura do Rio também terá que fiscalizar de forma efetiva o cumprimento das medidas de isolamento social.

Esperança na Síria: Plantando bondade em meio a muçulmanos

Como aulas de reforço com equipe do Centro de Esperança mudaram o comportamento de crianças atendidas em escola na vila de Al Bassa, na Síria

Quem era George Floyd, que foi morto por um policial nos EUA?

O homem negro que foi morto por um policial nos EUA, George Floyd ajudou pastores a evangelizar e discipular uma comunidade carente no Texas, marcada pela violência entre gangues

São Paulo ultrapassa os 100 mil casos de coronavírus

Estado também contabilizou 295 mortes por Covid-19 em um dia, chegando ao total de 7.275 óbitos confirmados. Número de casos em 24h foi o segundo maior desde o início da pandemia

Boa parte dos atuais “louvores”, como se diz, insiste na temática “autoajuda misturada com adoração”.

A música, não há dúvidas, é o meio de comunicação mais eficaz em nossa nação. Por meio dela, o brasileiro chora, ri, festeja, aprende, ensina, enfim, dá o seu recado. No ambiente da igreja não é diferente. Nas últimas décadas, a música passou, literalmente, a ocupar mais de 50% do tempo destinado ao culto, o que a promoveu a principal meio de ensino e adoração. E é justamente aí que mora o perigo, pois a música tem sido falha em cumprir esses dois papéis.

A música evangélica não ensina mais, como faziam os antigos hinos, cujas letras são consistentes e recheadas de ensinamentos teológicos. Boa parte dos atuais “louvores”, como se diz, insiste na temática “autoajuda misturada com adoração”. As melodias são quase sempre repetitivas e muitos compositores encerram suas composições no oitavo verso (quando muito), desprezando teologia, rima, prosódia e até mesmo a língua portuguesa. E dá-lhe repetição que dura uma eternidade. Imagine ouvir músicas repetitivas como essas no carro, em meio a um trânsito caótico. Sofrimento garantido!

A música intitulada cristã, dos dias de hoje, também pouco tem servido para adoração, pois os ministros não ministram mais; eles apenas cantam sucessos do momento, misturando assuntos, ignorando a Deus, o público, o que pensam os irmãos e a visão da igreja onde congregam. No passado, quando esse estilo de “louvor congregacional” nasceu, o povo cantava e adorava de fato, milagres aconteciam no meio da congregação, a pregação e a música se completavam, e o Espírito Santo trabalhava com liberdade. Hoje, o culto virou uma “missa” gospel, com liturgia escrita e seguida à risca. Esse era o nosso principal temor, lembra?

Nos músicos e cantores do passado, havia ‘temor a Deus’ e medo de se tornarem como Nadabe e Abiú, que trouxeram fogo estranho ao altar de Deus e acabaram fulminados.”

Beleza e sensibilidade passam longe da música cristã atual. Na maioria dos cultos, o som é altíssimo e os instrumentos desconhecem a palavra “suavidade”. Fico admirado com tamanha paciência dos irmãos, pois eles são obrigados a receber toneladas de decibéis sem ter a quem reclamar. Existem exceções? Claro, mas só garimpando muito é possível encontrar igrejas que ainda sabem praticar o genuíno louvor congregacional.

Você se pergunta: “O que fazer, então?” A primeira ação é parar tudo e começar de novo. Remendar é pior. Os músicos da igreja, juntamente com seus pastores e líderes, precisam urgentemente debater o tema “música na igreja” e aprender a história do louvor congregacional, que nasceu de músicos que conheciam profundamente a Deus e a sua Palavra. Os antigos líderes da adoração eram pessoas de oração, cheias do Espírito Santo, com vidas santificadas, e que se preocupavam em conectar as pessoas a Deus. Os ministros do passado não “imitavam” os artistas de sucesso, eles possuíam um brilho próprio dado por Deus. Aliás, essa é a razão de muitos deles ainda estarem atuantes até hoje. Os milagres não aconteciam por acaso; eram fruto de vida no altar. Nos músicos e cantores do passado, havia “temor a Deus” e medo de se tornarem como Nadabe e Abiú, que trouxeram fogo estranho ao altar de Deus e acabaram fulminados (Levítico 10.1-2).

Quando o povo de Deus voltou do cativeiro babilônico e lançou alicerces de um novo templo que não seria nem a sombra do antigo templo em termos de beleza e suntuosidade, os jovens acharam o “máximo”, todavia, os idosos, que conheceram o antigo templo, choraram de tristeza, pois o novo templo, por certo, seria muito inferior ao antigo (Esdras 3.10-13). Esse é exatamente o sentimento que tenho em relação à música congregacional executada na igreja hoje. Apesar de toda a liberdade que se tem para dançar e usar todos os instrumentos e estilos musicais, os artistas têm produzido uma música medíocre (mediana), que não serve para adorar, não ensina, e que ainda vem embalada em ministrações cansativas e distantes da glória do antigo templo. É hora de renovação! Urgente!


ATILANO MURADAS

Pastor, jornalista, teólogo, escritor, cantor, compositor e palestrante. Possui 10 CDs gravados e é autor dos livros “Decolando nas asas do louvor” e “A música dentro e fora da Igreja”, ambos lançados pela Editora Vida. ([email protected])


Leia mais

“O Nosso General É Cristo” ganha nova versão na voz de Peter Quintino

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Vila Mix em Casa Gospel acontece neste sábado (30)

Grandes nomes do meio evangélico do Brasil como André Valadão e Deive Leonardo vão participar do VillaMix em Casa Gospel. Evento será transmitido pelo youtube. Saiba mais!

“Carreata da solidariedade”, Marcha para Jesus em SP

Realizada pela organização da Marcha para Jesus, a ação foi batizada de “Carreata da Solidariedade” e será realizada no dia 13 de Junho

Diante do Trono anuncia congresso online

Diante da pandemia do coronavírus, a banda anunciou o "Congresso Mulheres e Moças" online

GOD Brasil: Como anunciar o que o mundo precisa ouvir?

O God Brasil é um movimento que incentiva o evangelismo intenso no mundo inteiro em um dia

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Animações para explicar crenças bíblicas em série

Série Princípios são divididos em 12 episódios que tiram dúvidas de temas bíblicos e também exploram temas contemporâneos, como o aborto.

“Aventuras em Galápagos”: desbravando a criação

A diversidade de recursos naturais das ilhas foi cenário para a produção, que faz parte de um projeto pedagógico da Educação Adventista

Em breve, um documentário sobre a Igreja Perseguida

Série conta com 12 episódios em que cristãos perseguidos contam suas histórias e como enfrentam a perseguição

Em reflexão, Hillsong United grava vídeo com integrantes em quarentena

"Tendo colocado a letra e a melodia para combinar com qualquer humor ou ocasião, a mensagem dessa música é perfeita para todos nós agora", escreveu integrante. Confira!