22.9 C
Vitória
quinta-feira, 9 abril, 2020

As boas novas e os pobres: eles estão saindo da igreja?

- Continua após a publicidade -

Mais lidas

Justiça destina R$ 2,5 bilhões da corrupção para a saúde

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar, ainda, a aplicação de R$ 51 milhões no combate ao novo coronavírus.

Caixa cadastrou 10 milhões benefícios emergenciais em seis horas

A expectativa do banco e encerrar o dia com 20 milhões de benefícios cadastrados. Confira! 

Antes de reunião com Mandetta, Bolsonaro defende, nas redes, uso de cloroquina

O uso dos medicamentos é uma das divergências entre Bolsonaro e Mandetta. O encontro ocorre dois dias depois da ameaça de demissão do ministro ter sido quase concretizada. Saiba mais!

Israel, Páscoa, o Êxodo e a “praga coronavírus”

"No Livro do Êxodo, lemos que 'os israelitas gemeram em sua escravidão e clamaram, e Deus ouviu seus gemidos", disse o presidente de Israel. Confira!

Nas últimas décadas, o afastamento da frequência à igreja correspondeu a um maior isolamento social geral para os americanos na faixa de renda mais baixa

O fosso entre a classe média e aqueles que ganham os maiores rendimentos nos Estados Unidos cresceu ao longo do tempo. No entanto, há uma faceta preocupante para os cristãos: muitos americanos mais pobres estão abandonando a igreja.

Ao se afastar das comunidades da igreja, as pessoas financeiramente carentes acabam perdendo ainda mais. Bem como tornando sua situação econômica ainda pior.

De acordo com a Pesquisa Social Geral (GSS) – sigla em inglês – dentro de quatro faixas de renda diferentes, os que nunca compareciam a serviços religiosos, apresentou grande alteração nos últimos 46 anos. Em 1970 a diferença de freqüência à igreja entre os quatro grupos de renda era apenas de 5%.

Essa diferença aumentou significativamente nas últimas quatro décadas e um aumento notável nos últimos anos. Em 2018, um quarto dos americanos mais ricos relatou nunca ter participado dos cultos.

O crescente fosso social entre ricos e pobres se estende além da frequência à igreja, pois os americanos na faixa de renda mais baixa relatam cada vez mais estar isolados de suas próprias comunidades em geral.

Com base em quatro perguntas da (GSS) sobre socialização com amigos, familiares e vizinhos no último ano – agrupadas como medida de atividade social -, não houve diferenças significativas entre os vários níveis de renda até meados da década de 90. Mas desde esse ponto, até a atividade social se dividiu entre os que têm e os que não têm.

Os que estão no topo da escada de renda se tornaram ainda mais sociais desde 2000, enquanto os que estão na base estão se tornando mais isolados. A diferença entre o topo e o fundo era essencialmente zero em 1996, atingiu 1,5 pontos.

Segundo a pesquisa, pessoas que têm vidas sociais menos ativas têm maior probabilidade de nunca comparecer a um culto, embora as taxas de mudança sejam dignas de nota.

Cerca de 40% das pessoas que estão abaixo da renda, se envolvem em poucas atividades sociais e nunca frequentam a igreja. O dobro da taxa de alguém na faixa superior de renda que tem uma vida social ativa.

De uma perspectiva evangélica, essas tendências sugerem que pode estar ficando mais difícil para os fiéis fazer amizade com os da classe socioeconômica mais baixa. Apesar da mensagem de Jesus de “proclamar boas novas aos pobres”, os pobres se vêem cada vez mais separados dos cristãos.

No entanto, as igrejas ampliam as redes sociais, ensinam habilidades e incentivam o envolvimento da comunidade, que pode ser altamente valioso no mundo do trabalho.

Se as pessoas não frequentam a igreja, perdem oportunidades de interação com outros “irmãos” o que pode prejudicar famílias de baixa renda que podem se beneficiar dessas conexões. As tendências do GSS em torno do déficit de renda e do comparecimento à igreja indicam que os laços invisíveis que mantêm nossas comunidades unidas – nosso “capital social” – estão se desgastando.

Nas últimas décadas, o afastamento da frequência à igreja correspondeu a um maior isolamento social geral para os americanos na faixa de renda mais baixa. Assim, não substituíram a comunhão da igreja por outras redes que cumprem a mesma função.

É impossível saber se os americanos pobres deixaram a igreja porque não se sentiram bem-vindos ou se deixaram porque não têm tempo ou energia para comparecer. A desigualdade de renda que está devastando a economia americana também está afetando as igrejas.

As comunidades que costumavam ser uma maneira de superar essa divisão, mas mesmo lá a diferença entre os que têm e os que não têm está crescendo.

*Da redação, com informações de Christianity Today 


LEIA MAIS

O privilégio em servir aos pobres!
Transformação social a partir da Igreja 
O Reino e a Justiça 

- Continua após a publicidade -

Revista Digital

- Continua após a publicidade -

Fique Por Dentro

Live: “As perguntas cruciais a serem respondidas na crise”

Um dos 25 melhores CEO’s dos EUA, Craig Groeschel fará nesta quinta-feira (02), às 10h30, uma Live exclusiva para o Brasil com tradução simultânea

Vigília online ‘Há uma Luz’: um clamor contra o covid-19

Para levar paz e esperança à população afetada pela pandemia global da Covid-19, a plataforma cristã, InChurch, organizou a vigília online “Há uma Luz” nesta quarta (1º).

26 de março: live – Como inovar na igreja em tempos de disruptura

Nesta quinta (26), as 19h, vai acontecer a primeira live da série "O efeito da liderança na crise” com Josué Campanhã, diretor da Envisionar e Thiago Faria

Novo Som faz show online

Devido a quarentena por causa do coronavírus, a banda vai estar ao vivo no sábado (28) a partir das 20h. Será transmitido pelo Instagram e Facebook

Receber notícias

Gostaria de receber notícias em primeira mão? Assine gratuitamente agora:

Plugue-se

Inovação! Kemuel lança primeiro single em inglês

Com participação de Amanda Malela, a versão de “O Teu Amor” dá início a um novo momento na carreira do grupo

Lives, podcasts cristãos, aumento do consumo digital

Em tempos de isolamento social hoje é consumo digital. Cantores e pastores brasileiros usam lives e publicam podcasts com conteúdos específicos para seus membros Em...

Conheça as novas artistas da Sony Music

Amanda Loyola, que é capixaba, foi destaque do quadro de Jovens Talentos do Raul Gil e Thais Castro, que é líder do ministério de louvor da igreja Por Amor de São Bernardo do Campo (SP). Agora as duas integram o time Sony Music

Brasileira cria projeto que conecta pacientes isolados

O projeto "Acortando la Distancia", da brasileira Giovanna Angiolillo, 44 anos, que mora em Madri, na Espanha, ajuda pacientes isolados com coronavírus, a conectar com suas famílias