31.9 C
Vitória
domingo, 28 novembro 2021

3 princípios sobre a justiça de Deus

Os perversos estão oprimindo e até matando as viúvas, os órfãos e os estrangeiros e, ainda, escarnecendo da justiça, dizendo que Deus não vê suas atrocidades (Sl 94.3-7)

Por Marlon Max

Em diversos textos Bíblicos vemos a ação de um Deus que é justo e atua em defesa daqueles que estão sendo injustiçados. Mesmo assim, quando olhamos para nosso dia a dia vemos diversas situações que consideramos injustas passarem impunes. É nesse momento que muitos perguntam: onde está Deus?

O reverendo Hernandes Dias Lopes esclarece três princípios sobre a justiça de Deus e suas obras. As obras de Deus, reforça o pastor, reflete Seu caráter, portanto ser justo é um atributo imutável de Deus e Ele detesta a injustiça, frisa Dias Lopes.

Em primeiro lugar, Deus, o justo Juiz, é incorruptível (Sl 94.20,21). “Pode, acaso, associar-se contigo o trono da iniquidade, o qual forja o mal, tendo uma lei por pretexto?”.

“O salmista, numa pergunta retórica, indaga: “Pode, acaso, associar-se contigo o trono da iniquidade?”. A resposta é um sonoro não. O juiz de toda a terra (Sl 94.2) é incorruptível e insubornável. Ele é irrepreensível em seu caráter e justo em suas sentenças. Sua lei jamais é torcida para favorecer os injustos ou negar o direito dos inocentes”, explica.

Em segundo lugar, Deus, o justo Juiz, é o refúgio do seu povo (Sl 94.22). “Mas o Senhor é o meu baluarte e o meu Deus, o rochedo em que me abrigo”.

“Mesmo que a terra nos seja hostil, os céus nos serão obsequiosos. Mesmo que os homens nos cacem como uma fera persegue sua presa, encontramos em Deus escape e verdadeiro refúgio”, comenta o pastor.

Em terceiro lugar, Deus, o justo Juiz, condenará os ímpios (Sl 94.23). “Sobre eles faz recair a sua iniquidade e pela malícia deles próprios os destruirá; o Senhor, nosso Deus, os exterminará”.

“Tanto os malfeitores quanto os juízes que acobertaram seus crimes sob o manto da lei, serão destruídos e exterminados, quando Deus fizer cair sobre sua cabeça a violência que impuseram aos inocentes. Aqueles que criaram as leis, torceram as leis e escaparam dos tribunais da terra, jamais escaparão da justiça divina. Deus é uma pedra que transforma a arrogância humana em pó, mas, também, é o castelo forte de proteção para o seu povo”, esclarece Dias Lopes.

Se por um lado há aflições e injustiças, Deus é o protagonista que pode reparar os erros da nossa história. Como justo juiz, ele proverá justiça para os mais vulneráveis e até mesmo para aqueles que perderam as esperanças.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Comunhão Digital

- Publicidade -

Fique Por Dentro

- Publicidade -

Plugue-se