Encontro reúne líderes para “despertar igreja” sobre perseguição

Google Imagens

Por iniciativa de seu presidente, Franklin Graham, a Associação Evangelística Billy Graham irá realizar um encontro de lideranças de todo o mundo para fortalecer a defesa dos cristãos perseguidos.

São esperados representantes de 130 países. Entre 10 e 13 de maio, eles estarão reunidos para denunciar a situação dos cristãos perseguidos e “mostrar solidariedade com aqueles que sofrem por causa de sua fé”.

O objetivo é a aumentar a consciência da igreja sobre a situação enfrentada por milhões de pessoas todos os dias e que não recebe da mídia a atenção esperada.

Segundo relatórios da Missão Portas Abertas, 2016 foi o pior ano para a perseguição desde que começaram a rastrear essa questão há 25 anos. Cerca de 215 milhões de cristãos nos dias de hoje experimentam “perseguição alta, muito alta ou extrema” nos países onde a livre prática da fé é proibida.

“Parece que todas as semanas ouvimos falar de outro caso de perseguição aos cristãos em algum lugar do globo”, disse Franklin Graham, acrescentando que é hora de a igreja de Cristo “ajudar a reverter esta tendência alarmante”.

Além de convidar políticos, Franklin diz que pretende trabalhar para gerar mudança, por isso está reunindo “as vítimas, seus defensores, líderes e influenciadores para criarmos parcerias ao mesmo tempo em que oramos por aqueles que enfrentaram espancamentos, tortura, prisão, estupro e até mesmo morte por causa de sua fé cristã”.

O ministério Billy Graham sublinha que está otimista com a mudança de postura do governo norte-americano desse Donald Trump tomou posse. Por isso, além de representantes do governo irá buscar junto as Nações Unidas garantias que “as liberdades religiosas sejam protegidas”.