2020: o Ano Global da Bíblia

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Na segunda-feira (16), líderes missionários se reuniram para lançar o Ano Global da Bíblia 2020

Na última segunda (16), líderes missionários se reuniram para lançar o Ano Global da Bíblia AD 2020. A reunião aconteceu no Museu da Bíblia em Washington. A iniciativa também foi endossada pelo Papa Francisco.

O movimento visa afirmar o valor do Livro Sagrado. Além disso, busca restaurar o significado da Bíblia nas culturas ocidentais, onde crianças crescem cada vez mais sem exposição ao Evangelho. Da mesma forma, o movimento alerta que 1.600 idiomas ainda carecem de tradução das escrituras.

O Ano Global da Bíblia vai tornar 2020 a “Década da Bíblia”, segundo Loyd Estrada, advogado global do envolvimento da Bíblia com a Aliança Evangélica Mundial.

“Muitos de nós imaginamos o Ano Global da Bíblia AD 2020 como um catalisador para, talvez, uma segunda Reforma que esteja centrada em torno da palavra de Deus unida pela graça, pelo poder e pela sabedoria de Deus”, disse Loyd.

A iniciativa facilitará parcerias com organizações de ideias semelhantes e proporcionará eventos em estádios com vista a acelerar os esforços de alfabetização da Bíblia.

ORGANIZAÇÕES PARTICIPANTES

O World Evangelical Alliance (WEA) junto com organizações como Wycliffe Bible Translators, Youth With a Mission, American Bible Society, Call2All participaram do lançamento do Ano Global da Bíblia na capital do país. Mais de 500 líderes e organizações de 200 países colaboram com o movimento.

O Ano Nacional da Bíblia declarado por Ronald Regan, em 1983, obteve muitos esforços. Entretanto, nunca houve uma iniciativa como essa, declarou Mark Anderson presidente da Call2All. “Estamos muito mais adiante na expansão da palavra de Deus em tantas formas e apresentações orais diferentes. Este é o maior esforço desse tipo em relação às Escrituras”, revelou.

OBJETIVOS DO MOVIMENTO

Os objetivos do Ano Bíblico são: orar, traduzir, publicar, distribuir, educar e motivar. Dessa forma, levar pessoas a se envolverem com a palavra de Deus. Segundo Mark Anderson, a discussão está em andamento há duas décadas. Entretanto, se formalizou há quatro anos.

“Estamos trabalhando juntos para concluir o trabalho de tradução em todas as línguas e, em seguida, teremos a Bíblia disponível geograficamente para todos no mundo”, disse Anderson.

Efraim Tendero, secretário-geral da Aliança Evangélica Mundial disse que não se pode perder a geração que cresce em países de heranças cristãs. “Eles não aprendem sobre a Bíblia nas escolas. De fato, eles não ouvem nenhuma referência na cultura popular sobre a Bíblia. Se eles vão à igreja, eles podem ter lido a Bíblia, mas em muitos casos, eles não leram a Bíblia”, revelou.

Nick Hall, fundador da PULSE, disse que está empolgado com a iniciativa do Ano Global da Bíblia ao ver uma “geração analfabeta biblicamente em ascensão”. Além disso, Hall declarou que há planos para realizar outra reunião em Washington, no National Mall, em 2020. Segundo ele, a reunião visa um “renascimento da Bíblia”.

O Papa Francisco também elogiou o Ano Global da Bíblia e deixou palavras de encorajamento para o movimento. “Devemos estar cientes de toda a Bíblia, não apenas dos evangelhos, mas de toda a Bíblia. O Ano Global da Bíblia nos conscientiza disso. Faça isso, seja encorajado e o Senhor abençoará ricamente”, disse o pontífice.

*Da Redação, Com informações de The Christian Post

LEIA MAIS

Educando com a Bíblia