back to top
22.1 C
Vitória
segunda-feira, 15 DE julho DE 2024

10 dicas para ter um casamento duradouro

Foto: Shutterstock

Boa comunicação e transparência, além de perdão e compartilhamento de sonhos, são essenciais para uma vida conjugal saudável

Por Patricia Scott

Nas Sagradas Escrituras, o casamento surge no início de tudo, no Éden, a partir de Adão e Eva, conforme Gênesis 2.21-24. O texto bíblico deixa claro que a união instituída pelo Senhor representa uma parceria entre homem e mulher, que engloba o físico, o emocional e o espiritual.

Sendo assim, é uma aliança que deve ser indissolúvel, segundo a Bíblia, independentemente das dificuldades. Nos tempos atuais, no entanto, quando as relações são tão “líquidas” e o sistema social não valoriza o matrimônio dentro dos preceitos cristãos, manter a relação a dois de maneira duradoura e sólida se torna, cada vez mais, um grande desafio.

Na contramão da visão contemporânea, entretanto, o Livro Sagrado revela aos casais orientações que são imitáveis. Isso significa que elas devem ser colocadas em prática em qualquer época, porque permanecem sempre atuais.

- Continua após a publicidade -

“O casamento exige constantes adaptações, pois se trata de uma extensa caminhada conjunta, concebida até a morte”, afirma o pastor Rafael Nery, que acrescenta: “A aptidão para definir prioridades, equilibrando outros relacionamentos e responsabilidades, ao passo em que se mantém princípios espirituais como pilares, conduz o casal a um caminho de vida plena, no qual Deus e o parceiro são valorizados”.

Comunicação e transparência

A partir desse entendimento, Nery pondera que os casais devem manter uma boa comunicação para lidar com cada questão proeminente, a fim de identificar e corrigir eventuais desvios. Isso “possibilita o florescimento de um amor resiliente, capaz de enfrentar adversidades, e reforça tanto o vínculo entre marido e mulher quanto todas as outras conexões que temos na vida”, expõe o autor do livro “Famílias Indestrutíveis”, da Editora Vida.

Rafael destaca, ainda, a transparência e a franqueza como primordiais para um casamento duradouro. Isso porque evita segredos desnecessários, o que é saudável para a relação do casal.

Romance e sonhos

Separar um tempo para o casal se dedicar um ao outro é um pilar para uma intimidade sadia, diz o pastor. “Essa é uma ocasião cujo foco está na conexão romântica e íntima, e mantê-lo expressa o zelo de ambos para com a relação e ainda previne o distanciamento”, aconselha Rafael.

Outro ponto destacado pelo pastor é o alinhamento de sonhos e metas. “Trabalhar juntos para definir e alcançar objetivos comuns, como a compra de uma casa ou a realização de uma viagem, é fundamental para a construção de uma vida conjunta”, pontua.

Perdão e equilíbrio

Rafael observa ainda que reconhecer os erros e pedir perdão ao cônjuge demonstra bravura. “Promove a cura de feridas emocionais, além de permitir a renovação do amor no casamento e corrige enganos”, enfatiza e emenda: “Grandes obras não são feitas por impulsos, mas uma série de pequenas coisas que se somam, ou seja, cada pequeno passo na direção da compreensão e do perdão, constrói gradativamente uma relação mais forte”.

Nery destaca que o casal precisa ter equilíbrio entre a carreira e a vida familiar. Dessa forma, ao priorizar o suporte emocional e a presença do cônjuge, ajuda a evitar tensões no casamento, o que é mais significativo do que ganhos financeiros. “Tomar decisões implica uma avaliação cuidadosa das conseqüências de cada escolha em favor do bem-estar” do casal.

Interdependência e limite 

“Uma relação saudável se estabelece a partir da interdependência. Cada cônjuge continua sendo quem é, sem perder sua individualidade”, analisa a psicóloga Magali Leoto, autora do livro “Vivendo e Aprendendo a Brigar”, da Mundo Cristão.

Ao mesmo tempo, entretanto, um necessita do outro. “Há segurança no relacionamento. A relação de interdependência traz mais confiança, amizade e empatia às necessidades do parceiro. Em outras palavras, uma capacidade maior de ouvir o coração do outro”.

Magali avalia que no casamento existe a necessidade de limite, lembrando que isso não significa vingar uma ofensa com outra maior, nem trazer à tona o que ficou para trás. “Então, colocar limite é ter alteridade, isso é, capacidade de entender o lugar do outro. É considerar as limitações humanas”, pondera e frisa: “É muito provável que, quando o outro agiu de modo que magoou você, não o fez pensando em prejudicá-lo. Mas, se o feriu, ele merece uma oportunidade de reparar o erro.

Amizade e respeito 

Outra base para um casamento duradouro é a amizade. Isso porque os amigos verdadeiros conhecem nossos bons e maus momentos. “Eles podem discordar de algumas atitudes que tomamos, mas procuram nos alertar sobre o erro”, assegura Magali, que emenda: “Esse amigo tem um valor todo especial quando é o próprio cônjuge, que decidiu construir uma vida com base em um amor forte e verdadeiro”.

Amizade e respeito, que podem ser entendidos como consideração e compromisso, devem caminhar lado a lado. Desse forma, as “uniões que pretendem ter futuro devem começar com respeito mútuo acentuado”, diz Magali, que finaliza: “Respeito, nas Sagradas Escrituras, traz consigo alguns sinônimos, como honra e dignidade”.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Publicidade

Comunhão Digital

Publicidade

Fique por dentro

RÁDIO COMUNHÃO

VIDA E FAMÍLIA

- Publicidade -