A vitória é uma escolha

A vitória é uma escolha
Jorge Linhares é pastor presidente da Igreja Batista Getsêmani, sediada em Belo Horizonte/MG

“E foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; e sua mãe deu-lhe o nome de Jabez, dizendo: Porquanto com dores o dei à luz. Porque Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Se me abençoares muitíssimo, e meus termos ampliares, e a tua mão for comigo, e fizeres que do mal não seja afligido! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido.” (I Crônicas 4:9-10)

Desde os mais remotos tempos, a tendência do ser humano é valorizar mais o “ter” que o “ser”, ou seja, algumas pessoas pensam que, se são portadoras de bens, de boa aparência e bem posicionadas socialmente, valem mais que seus semelhantes. Enfim, vivemos um tempo de um hedonismo ético, quando os homens veem o prazer em coisas materiais como o mais importante de suas vidas. E não foi diferente nos tempos bíblicos, quando muitos personagens, a exemplo de Jabez, descrito no livro de I Crônicas, que sofreu a discriminação na pele, a começar pela própria mãe, ao dar-lhe este nome, que significa “seco, dor, causador de sofrimento”.

Mas a Bíblia também narra a história de outros personagens que foram discriminados pelo que eram, a exemplo de José, lançado num poço por seus irmãos, depois numa prisão, mas que se tornou governador do Egito; Jetfé, homem valente, porém filho de uma prostituta e, por isso, quando adulto, fora expulso de casa por seus irmãos. Porém, mais tarde se tornaria juiz em Israel. Raabe, a prostituta discriminada em Canaã, marcada pela vergonha, mas que creu nas promessas do Senhor, se tornando uma das poucas mulheres mencionadas na genealogia de Jesus. Há também Maria Madalena, mulher afetada por demônios, que perdera a identidade, mas que um dia teve um encontro com Jesus e sua vida foi transformada.

Exemplo

Vamos encontrar também um dos mais fantásticos exemplos que é do próprio Jesus Cristo, que foi rejeitado por muitos, crucificado numa cruz vergonhosa, mas que venceu a morte, ressuscitando ao terceiro dia para nos livrar dos nossos pecados e da morte eterna. Existem ainda pessoas vencedoras nas quais ninguém acreditava ou dava nada por elas, como Abraão Lincoln, Beethoven, Joni Eareckson, que venceram barreiras e tornaram grandes nomes na política, na música e na literatura.

Todas essas pessoas escolheram vencer, não por si mesmas, mas sobretudo pela fé e confiança que depositaram no criador de todas das coisas. Em decorrência da sua fé, Deus ajudou-lhes a vencer todas as barreiras físicas, materiais e espirituais, colocando-as num lugar de destaque e de vitória. Portanto, ninguém precisa se deter nos seus problemas ou limitações. É preciso, sobretudo, buscar ao Deus que tudo pode, e depois agir como os personagens que citamos. Conte para o Senhor dos Exércitos sobre suas mágoas, suas derrotas, seus sofrimentos. Não se importe com sua aparência, pois Deus pode ampliar suas fronteiras, satisfazer os desejos do seu coração, efetuar mudanças radicais em sua vida. Não se detenha naquilo que disseram a seu respeito. Escolha ser uma pessoa vitoriosa.


Jorge Linhares é pastor presidente da Igreja Batista Getsêmani, sediada em Belo Horizonte/MG


Leia também
O santo e o profano

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!