Renato e Cristiane: um casal que tem abençoado muitos casais

O casal dá orientações e estratégias para vencer as diferenças que surgem na vida conjugal, e assim, tem ajudado seus leitores a evitarem o risco do divórcio

Em tempos em que o divórcio é visto como a saída mais fácil para os problemas do casamento, e arranjos conjugais, como o ato de morar juntos, são cada vez mais comuns, a instituição  casamento passa por um momento de provação. Afinal, o que é preciso para que ela seja protegida de tantas armadilhas e seja, assim como determinado pela Bíblia, para a vida toda? Pensando em responder essa e muitas outras questões sobre o tema, o casal Renato e Cristiane Cardoso (apresentadores do programa “The Love School: A Escola do Amor”, exibido aos sábados pela Rede Record) escreveu o livro “Casamento Blindado.

O seu casamento à prova de divórcio”, lançado pela Thomas Nelson Brasil. Com dicas para se ter um relacionamento saudável e duradouro, a obra é fruto do curso de mesmo nome, ministrado pelos autores e que já beneficiou pessoas em vários países no mundo em 20 anos de estrada. Com uma linguagem didática, o casal traz orientações e estratégias para vencer as diferenças inevitáveis que surgem na vida conjugal, e assim, ajudam os leitores a eliminarem o risco do divórcio.

Segundo vocês, o segredo para um casamento à prova de divórcio é criar medidas de prevenção para fortalecer os laços entre o casal. Quais medidas seriam essas?
De forma geral, é preciso que as pessoas tenham a consciência de que nenhum casamento está garantido se não for constantemente cuidado e trabalhado. Para ter problemas de relacionamento, basta estar em um. A partir dessa consciência, o casal tem que estar atento às ameaças à estabilidade do relacionamento (que podem variar de casal para casal) e daí então desenvolver estratégias para lidar com elas e neutralizá-las. Há relacionamentos que estão ameaçados pelo passado de um ou ambos, por mentiras, por um (a) ex, por ciúme, pela mudança de situação como a chegada de um filho ou um novo trabalho, a rotina, e muitas outras coisas.

A Bíblia diz que o casamento é indissolúvel. Qual é a opinião de vocês sobre este conceito do casamento, a despeito da banalização do matrimônio que vemos atualmente?
Infelizmente as pessoas têm corrido para a porta do divórcio muito rapidamente sem buscar primeiro todas as possíveis soluções para o problema. A soma do que temos hoje — a cultura anticasamento, a perda de valores e a facilidade do divórcio — resulta na desordem que está aí. Aos olhos de Deus, o casamento é uma aliança, um pacto entre um homem e uma mulher, onde Ele foi a testemunha. Significa o empenho da palavra para com o cônjuge. É muito além do que apenas um sentimento de amor. Porém, quando as pessoas se afastam de Deus, é fácil acontecer a “dureza de coração”, que Jesus explicou como a raiz de todos os divórcios.

Casamento Blindado também é o nome do curso ministrado por vocês. Por que a decisão de fazer o livro?
Eu sei o que um mau casamento, um divórcio ou uma separação podem causar nos filhos de um casal. Eu (Renato) passei por isso, dentro do casamento dos meus pais. Sei também que há muita ignorância sobre o que fazer para ter um relacionamento feliz. As pessoas não casam para sofrer, mas sofrem porque não sabem como lidar com os desafios da vida a dois. Cristiane e eu poderíamos ter nos divorciado se não fosse pelo que aprendemos ao longo dos anos. Por isso, queremos dividir esses tesouros com os que querem aprender.

É nosso dever. Um bom casamento é o céu na terra. Casais felizes prosperam mais economicamente, são mais saudáveis e formam filhos que se tornarão melhores adultos. Todo mundo ganha. A felicidade do solteiro tem data de validade. A vida a dois, bem conduzida, é muito melhor. Nosso objetivo é levar as pessoas a descobrirem isso, e pouco a pouco, ir mudando a sociedade — um casamento de cada vez. O livro é uma ferramenta para isso, de alcance muito maior que nossos cursos presenciais que nem todos podem assistir.

Homem e mulher têm papéis distintos na busca por um casamento blindado? Em que cada um deve atuar para que a relação do casal possa crescer de modo saudável?
Os dois devem trabalhar em equipe. Costumamos dizer que casamento é como uma dança a dois. Se ambos não estiverem em sintonia, não há dança, apenas um pisando no pé do outro. Dito isso, as diferenças entre o homem e mulher são a razão de muitos desentendimentos no casamento. Mas essas diferenças podem também ser usadas como vantagens no fortalecimento do casal. De forma geral, o homem deve atuar como o líder, o iniciador de ações positivas para relacionamento. A mulher deve agir como influenciadora do marido, usando sua sabedoria e força de mulher, em vez de bater de frente com ele.

Com o tempo e a convivência, as brigas são inevitáveis em uma relação? E como fazê-las menos nocivas ao casamento?
As brigas são resultados naturais de duas pessoas vivendo juntas. É importante os casais saberem que brigar não é o problema. O problema é eles não terem regras quando brigam. Todo casal deve adotar certas regras para ajudar a prevenir que as brigas piorem a relação ao invés de melhorá-las. Por exemplo, não gritar, não xingar, deixar o outro falar sem interromper, atacar o problema e não um ao outro, usar a razão e não a emoção, entre outras. Quando eu e Cristiane temos algum desentendimento, são as regras que nos ajudam a resolver logo o assunto sem ninguém sair ferido.

Quais as principais armadilhas para um casamento? E como vencer esses desafios?
São muitas: ciúme, tentação à traição, insegurança (da mulher ou do homem), as emoções que afloram quando os temperamentos esquentam, frustração sexual, mentiras, despreparo total para estar numa relação, egoísmo, orgulho, falta de vontade dos homens (na maioria) de querer trabalhar na relação, as mulheres querendo impor suas vontades aos seus maridos (em muitos casos), e por aí vai. Porém, um inimigo ainda maior é a falta de conhecimento dos casais sobre como lidar com a realidade da vida a dois.

Temos enfatizado que a reeducação sentimental é essencial para manter o casamento hoje em dia. São muitos ataques, muitos inimigos, e estamos vivendo numa época de novas ameaças, que nossos pais e avós não enfrentaram. Por isso vemos que o maior inimigo dos casais hoje é o despreparo, a ignorância sobre o que fazer e não fazer para manter uma boa relação.Vencemos essas armadilhas com o preparo, com o investimento em aprender o amor inteligente.

Vocês sentem que as pessoas ainda sofrem com o tabu para tratar de certos assuntos com o (a) companheiro (a)?
Ainda há muitos tabus, sim. Conversar abertamente sobre sexo, por exemplo, é um dos maiores. Os papéis tradicionais do homem como provedor e a mulher como dona de casa também ainda afetam muitos casais. Assuntos relacionados a dinheiro costumam ser discutidos sem muita eficácia. Enfim, os casais precisam aprender a dialogar sem medo sobre tudo o que afeta a relação.

As dicas passadas no livro são frutos da vivência de vocês enquanto casal, dos depoimentos de pessoas que passaram pelo programa ou uma mistura desses dois?
Muito mais por nossa vivência, mas o nosso trabalho com outros casais acaba aprimorando nossos conhecimentos e experiências. Somos professores que não deixaram de ser alunos.

O que, na opinião de vocês, é um casamento blindado? Indo além, o que é um casamento abençoado? E como alcançá-lo?
Investir na reeducação sentimental, ou seja, começar a aprender como funciona o verdadeiro amor e a vida dois na prática. O grande problema é que os casais querem resolver suas crises de forma emotiva em vez de racional. Raiva, ciúme, mágoa, dar o troco, orgulho, egoísmo e outros sentimentos negativos levam os casais a se comportarem de maneira irracional no relacionamento, colocando tudo a perder.

Mas quando eles começam a usar a cabeça para resolver os problemas, deixar as emoções de lado e fazer o que é certo (e não necessariamente o que sentem vontade de fazer), então as crises vão sendo resolvidas. É um processo que nunca acaba, pois ameaças ao casamento podem vir a qualquer momento, mesmo aos casais mais maduros. Assim como você tem que fazer a manutenção do seu carro para que ele nunca lhe deixe na mão, você não pode deixar de cuidar do seu casamento.

Esteja atento aos sinais de problemas e lide com eles já desde o início. Não permita que os problemas cresçam. Fique atento às necessidades do seu parceiro e seja claro em comunicar as suas. Em resumo, é praticar os princípios cristãos dentro do relacionamento. É isso que faz o casamento abençoado. Se você não pratica sua fé dentro de casa, de nada vale ir à igreja.

Vocês esperavam tamanha repercussão com essa obra? E o que, no ponto de vista de vocês, justificaria essa procura por parte dos casais?
Quando escrevemos o livro, não focamos na repercussão do livro em termos de livrarias, vendas, ou listas de bestsellers, mas sim em criar uma ferramenta de grande utilidade para os casais e solteiros. O livro é um sucesso porque tem ajudado os leitores. A grande procura pelo livro mostra que as pessoas querem sim um casamento sólido e feliz. Há uma grande necessidade dessa informação, especialmente de fontes confiáveis. E quem lê “Casamento Blindado” quer dá-lo de presente para os amigos, porque o que está no livro tem mudado vidas.

Há quanto tempo vocês estão casados? E diriam que durante esse tempo buscaram “blindar” o seu casamento?
Caminhamos para 22 anos de casamento. A primeira metade desse tempo foi quando passamos por turbulências, mas elas foram boas para nós. A maior parte do que praticamos hoje que blinda o nosso relacionamento foi aprendida naquele período. Por isso sempre enfatizamos aos casais que não desperdicem seus problemas de casamento, mas que os utilizem para aprenderem e fortalecerem a relação.

A chegada dos filhos pode aumentar a cumplicidade entre o casal?
Com o nascimento do bebê a atenção do casal obrigatoriamente se voltará para o filho, especialmente a da mulher. O marido poderá se sentir deixado de lado, o ritmo sexual e a libido poderão diminuir, os gastos aumentarão, a mulher se sentirá mais estressada… enfim, tudo muda com a chegada de um filho. Por isso aconselhamos os casais que esperem alguns anos antes de terem filhos para que tenham tempo de se adaptarem e solidificarem bem a relação.Os filhos na verdade só acentuarão o que já existia entre o casal antes da chegada deles.

Quais características são vitais para a manutenção e crescimento de um casamento?
Podemos falar de muitas coisas como companheirismo, tolerância, sacrifício, fidelidade, bom humor… Mas o principal, que cobre e ensina tudo isso, é a reeducação matrimonial. Precisamos ser reeducados, entender que muito do que aprendemos ou foi errado ou já está obsoleto no mundo em que vivemos. Casamento é trabalho, e para fazer um bom trabalho você precisa de educação e preparo constantes.

Vocês já estiveram em mais de 30 países falando sobre o amor e uma vida a dois mais feliz. Notaram diferenças entre as dúvidas dos brasileiros e de outros povos quando o assunto é casamento?
Problemas de casamentos são universais. Por mais que haja diferenças nas culturas, os problemas de casais tendem a ser os mesmos. Os problemas são extremamente parecidos: ciúmes, traições, as diferenças inerentes do homem e da mulher e os problemas que este convívio traz. Uma diferença que notamos é nas sociedades onde o casamento arranjado ainda é praticado, como na Índia por exemplo. As pessoas têm o parceiro escolhido para elas. Apesar de haver também casos onde não dá certo, os casos de sucesso são muito mais comuns do que podemos imaginar em nossa cultura. Para nós, isso é uma prova de que é totalmente possível você aprender a amar alguém, mesmo que não tenha começado o relacionamento com um grande amor. Não estamos advogando esse tipo de casamento, mas apenas apontando um fato interessante do qual nossa cultura pode tirar boas lições.

Como o casal pode convidar a Cristo para fazer parte da relação?
A Bíblia diz que Deus é amor. Tentar ter um casamento feliz sem Deus é como querer viajar em um carro sem combustível. Para que Deus esteja presente na relação, primeiro as pessoas devem ter um relacionamento com Ele. Eu trato o meu marido bem porque o meu relacionamento com Deus me ajuda a fazer isso. O casal precisa entender que a vida espiritual de ambos é o que sustenta o casamento, principalmente nas horas difíceis.

Portanto, eles têm que buscar e manter o relacionamento com Deus. Muitos homens têm falhado nessa parte, pois eles, como líderes, deveriam tomar a frente e serem os sacerdotes do lar, como acontecia nos tempos da Bíblia. Hoje muitas mulheres têm cumprido esse papel porque seus maridos têm deixado a desejar.

 A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.