Relacionamentos positivos e negativos

Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão (Pv 17.17)

É importante entendermos a diferença entre um relacionamento comum e uma verdadeira aliança. A Bíblia apresenta os dois como situações distintas das quais nós, que cremos na Palavra de Deus, podemos tirar muitas lições.

Uma comparação contemporânea seria a diferença entre amigo e colega. O colega é aquele com o qual nós podemos nos assentar para lanchar, ou que está conosco durante uma aula, um trabalho, durante uma partida de futebol ou um final de semana em um passeio. Já o amigo, em todo o tempo, voltamos nossa atenção a ele, preocupando-nos com sua saúde, bem-estar, sonhos etc.

Por essa razão, associamos a palavra amigo à aliança. Colegas podem tornar-se, no futuro, amigos. Creio que esse é o motivo de a Bíblia afirmar que em todo o tempo ama o amigo, que pode vir a se tornar até irmão.

A Bíblia nos ensina que, no Éden, a presença de Deus era uma constante na vida de Adão e Eva, mas eles escolheram aproximar-se do Diabo, que não tinha interesse no seu bem-estar, pelo contrário, queria só lhes prejudicar (Gn 1-3).

Outro exemplo de relacionamento negativo foi o de Sansão e Dalila (Jz 16). Vindo de um casamento frustrante, ele foi se relacionar com os filisteus, que eram inimigos do seu povo, Israel. Sansão passou a se abrir com Dalila, confidenciando-lhe seus problemas. Ela, no entanto, era apenas uma colega, ou uma diversão passageira, que na primeira oportunidade vendeu os segredos de Sansão, favorecendo seu próprio povo, os filisteus.

Contudo, a Palavra também nos oferece exemplos positivos de relacionamentos nos quais nós podemos nos inspirar. Davi conhecia alguém que o indicou para trabalhar no palácio do rei Saul, quando este se encontrava possesso (1 Sm 16). Por causa da amizade e da aliança que esse personagem não identificado tinha com Davi, as qualidades espirituais e os talentos musicais desse filho de Jessé chegaram aos ouvidos do atormentado rei, que permitiu a Davi trabalhar no palácio.

Outra aliança virtuosa que podemos destacar é a de Elias com Eliseu. Os dois tinham uma vida de comunhão de pai e filho, o que gerou uma porção dobrada da unção sobre o ministério de Eliseu, logo após a partida de Elias. Eliseu tornou-se um profeta com maior respeito ainda e, através da vida dele, milagres em dobro passaram a acontecer em seu trabalho para o reino de Deus.

Elias e Eliseu tinham uma vida de comunhão, como se pai e filho fossem, o que gerou uma porção dobrada da unção sobre o ministério de Eliseu.

Hoje, muitas pessoas confundem relacionamentos superficiais com verdadeiras alianças. Alguns veem um pregador na igreja, impressionam-se com sua boa ministração e logo pensam que ele é amigo, sem compreender que esse pode ser o princípio de um relacionamento. Quando conhecemos alguém, o normal é convidar essa pessoa para ir primeiramente à sala da sua casa, nunca ao quarto. Apenas o tempo permitirá que esse alguém tenha amizade o suficiente para conhecer todos os cômodos da sua casa. Você, assim, não vai contando seu problema para qualquer pessoa. Precisamos saber a diferença entre os que são colegas e aqueles que se tornaram para nós amigos íntimos.

Portanto, peço a Deus que eu e você tenhamos maturidade e discernimento espiritual, para que possamos desfrutar de cada relacionamento que o Senhor tem acrescentado em nossas vidas com sabedoria.

Pr. Jorge Linhares é pastor presidente da Igreja Batista Getsêmani, sediada em Belo Horizonte/MG


Leia mais

Aprendendo com a misericórdia a ser mais humana

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!