O que a Bíblia fala sobre tatuagem?

Por se tratar de um assunto polêmico, Comunhão ouviu dois posicionamentos sobre o tema.

 Tatuagem é pecado?

A FAVOR:

Tatuagem é manifestação cultural e, a meu ver, não é pecado. As escarificações e desenhos impressos na pele por tinta e agulha são primariamente marcas tribais que traziam à vista de todos um profundo valor a quem a possuía. Assim como produtos manufaturados e especiarias, as tatuagens atravessaram os mares e vieram com as embarcações junto a marinheiros e piratas em um novo adorno, agora eternizado na pele. Textos do Antigo Testamento (Lv. 19.28) sobre marcas no corpo não tratam diretamente sobre tatuagem, antes disso as escarificações eram fruto de culto aos mortos e adoração a divindades pagãs. Coisa resolvida pela Graça. Sobre ser templo do Espírito Santo, vejo no Novo Testamento muito mais a exortação de pureza sexual do que com o tema tatuagem. Sejamos fiéis ao texto. Sobre tudo isto, devemos nos questionar quanto às motivações que nos levam a isto e no que acarretará tal escolha. Na dúvida, ore.

CONTRA:

Minha opinião sincera sobre o assunto é totalmente negativa. Não vejo necessidade de tatuagem ou qualquer outra marca no corpo. O nosso corpo é templo do Espírito Santo. Desde a antiguidade, o livro de Levítico veio para explicar ao povo de Israel a necessidade da verdadeira santidade ao Senhor e de como adorá-lo. Ensinou o povo no deserto a se livrar das impurezas do Egito e prevenir as futuras mazelas que viriam nas nações pagãs, que habitavam na terra de Canaã. Dentre essas recomendações, uma foi essa: de não marcar o corpo. O povo de Deus não precisa desse recurso, nem mesmo colocar o nome de Jesus na pele. Para quê? Existem outros processos de evangelização, como a Bíblia Sagrada, que é a principal fonte, além dos testemunhos. Não precisamos de tatuagem para expressar coisa alguma.

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!