Sátira aos cristãos rende processo milionário contra Porta dos Fundos

O vídeo “O Céu Católico” traz os atores Fábio Porchat e Gregório Duvivier (ambos ateus) ridicularizando o conceito de Paraíso

O esquete que desencadeou a ação judicial é “O Céu Católico”. Comunhão ouviu a opinião de pastores e especialistas.

Acostumados a publicar vídeos em que ridicularizam os personagens bíblicos e os cristãos, o canal Porta dos Fundos alega que faz valer sua “liberdade de expressão”. Há algum tempo, o grupo chegou a ganhar na justiça uma causa exatamente por esse motivo.

Porém, há no Brasil lei contra vilipêndio da fé alheia (desvalorização da fé). Embasada nisso, a associação católica Centro Dom Bosco, do Rio de Janeiro, entrou com ação na 46ª Vara Cível do TJ do Rio, denunciando o vídeo “O Céu Católico”, em que os atores Fábio Porchat e Gregório Duvivier (ambos ateus) ridicularizam o conceito de Paraíso.

A instituição carioca está pedindo indenização de R$ 5 milhões pelo esquete em que os textos do Antigo Testamento são distorcidos e também há a afirmação de que os protestantes não entram no céu.

A solicitação de retaliação é de R$ 1 para cada visualização no YouTube. Como o material, publicado em outubro de 2016, já foi visto por mais de 5 milhões de pessoas, o valor ultrapassa R$ 5 milhões de reais.

Liberdade de expressão x intimidade

Para o advogado Sérgio Carlos de Souza, que avaliou o tema polêmico – e não o caso concreto -, a liberdade de expressão deve prevalecer, mas com ressalvas. “Este é um assunto clássico de direito de expressão versus intimidade. A liberdade de expressão deve permanecer, desde que não ultrapasse o limite do ‘razoável’. Ou seja, que não haja afronta contra a imagem e a honra ou informações falsas. Também é importante lembrar que figuras públicas sempre estão sujeitas a comentários. É inevitável.”

O pastor da Missão Atos (ES) Eduardo Baruque também é a favor da liberdade de expressão com ressalvas. “Usar o humor para uma reflexão sadia, tudo bem. Mas denegrir a imagem das instituições e de pessoas não. Creio que o diálogo é o melhor caminho. Não chegaria a este ponto, tentaria uma conversa”, explicou.

Já o pastor Washington Pereira Viana, da Batista (ES), afirma que a melhor solução é fazer a sua parte. “Continuar proclamando o Evangelho é a opção mais assertiva. Prefiro não entrar em confronto. Mas o fato é que o que o grupo faz é desrespeitoso.”

O que é o Porta dos Fundos

É um coletivo de humor criado por cinco amigos insatisfeitos com a falta de liberdade criativa da TV brasileira, que decidiram montar um canal de esquetes de humor no YouTube.

Em quatro anos de existência, o grupo atingiu a marca de 3 bilhões de visualizações e mais de 13 milhões de assinantes, se tornando o maior fenômeno da Internet brasileira e um dos maiores canais do mundo.

Assista ao vídeo: