Pobre Mandioca!

Recentemente, em um de seus discursos, nossa presidente afirmou que estava comungando a mandioca com o milho, que foram essenciais para o desenvolvimento de toda a civilização humana e uma das maiores conquistas do Brasil.

Dilma Rousseff também afirmou que, quando criamos a bola nos transformamos em “homo e mulheres sapiens”. Tentei fazer uma exegese contemporânea e contextualizada na fala da presidente, mas tenho que confessar que meus conhecimentos não foram suficientes para mergulhar no mais profundo dos sentidos filosóficos do que ela quis dizer. Só me resta fingir que entendi e cair no ridículo de tentar explicar. Fingindo então, vamos lá. Agora “entendi” por que o mundo tá todo bagunçado. Em lugar de sermos livres para sonhar e voar, somos frutos da evolução de uma raiz que vive enterrada. Em lugar de subir, nós, “homo e mulheres ex-sapiens”, queremos mesmo é descer, mergulhar, aprofundar, semelhante à nossa amada e glorificada mandioca. E não é que ela (a presidente) tem razão. Poderíamos até ser “sapiens” e fugir do buraco, mas como Paulo afirma, “mas o mal que não quero, esse faço” (Rm 7:19), ou seja, percebo que o destino da humanidade é mesmo o buraco da mandioca.
Triste destino!

VIRANDO O JOGO
Outro dia, em uma palestra para adolescentes, perguntaram-me: o diabo está para o cristão assim como o Brasil para a Alemanha? (ou, é impossível vencer o diabo?). Resposta difícil, pois assim como no futebol, ela depende de alguns fatores externos e internos. Primeiro vamos aos elementos internos. O diabo possui um poderoso exército que todas as manhãs sai pelo mundo só para nos tentar, provar e destruir. Inventam todo tipo de “tentaçãozinha” e até as “tentaçãozonas”, que sempre nos derrubam. Até hoje o diabo continua usando a mesma tática que derrubou Eva, quando ela percebeu que o “fruto proibido” era bom para comer, agradável aos olhos e desejável. E ele continua agindo da mesma maneira, e os homens continuam caindo e tornando-se prisioneiros em suas garras. Logo, se dependesse só dos fatores internos, nossas chances de vencer o diabo seriam as mesmas de ganhar da Alemanha com o Fred sozinho no ataque. Mas tem o fator externo que se chama Cristo. Nesse caso, Paulo esnoba: com Cristo somos mais que vencedores, e a derrota do diabo já está decretada, pois ele já está amarrado, ou melhor, acorrentado, e só sairá para ser lançado no lago de fogo. O que sabemos é que, na proporção que nossa vida espiritual melhora, o placar do jogo diabo x cristão sai de um 7 x 1 para um 1 x 2. Acredite, dá pra virar o jogo!

EVANGÉLICO É RELIGIÃO?
“Em uma reunião com representantes de várias religiões, fui questionado por um líder não cristão sobre o porquê de os evangélicos sempre quererem tirar pessoas de suas religiões”. Alegava ele que a regra básica é ser tolerante, mas os evangélicos fazem parte da única religião que age contra essa corrente. Umbandistas, espíritas, budistas, católicos, etc, não saem por aí tentando converter ninguém.
Confesso que fiquei preocupado em responder, porque não queria ser intolerante e exclusivista, mas educadamente retornei a pergunta: “Você sabe o que é evangélico?” Diante da sua negativa, expliquei que a palavra “evangélico” vem do verbo evangelizar, que por sua vez significa: anunciar boas-novas. Foi minha deixa para perguntar que, se ele fosse portador de uma BOA NOTÍCIA, ficaria quieto, escondido, recolhido dentro de uma igreja meditando… ou “botaria a boca no trombone”? Aproveitei para explicar que nosso ímpeto vem exatamente da paixão em falarque Deus enviou Seu Filho para que todos que nEle cressem sejam salvos. Como se não bastasse, informei que é o fato de crer em Jesus que nos transforma em filhos de Deus e que um dia todos estaremos com Cristo na Eternidade, e tudo isso de graça ou sem que seja preciso fazer qualquer sacrifício ou mesmo pagar qualquer “promessa”. Com tantas boas notícias, você acha que os evangélicos podem ficar calados?

Compartilhe