Pastor evangeliza traficantes no Rio de Janeiro

Pastor André Assis evangeliza traficantes
Foto do jornal El Pais ( Alan Lima)

Presídios, aldeias indígenas, festivais de música secular e países em guerra. De todos os desafios do evangelismo, as favelas têm sido um dos mais difíceis. Nesse “campo minado” um brasileiro de 45 anos tem se destacado. O pastor da Assembleia de Deus Tempo de Restauração, André Assis, e seu trabalho com traficantes das principais favelas do Rio de Janeiro foram destaque em reportagem especial produzido pelo jornal El País.

Há dez anos, Assis desenvolve atividades de evangelização com pessoas ligadas ao tráfico de drogas em locais como os Complexos do Chapadão e da Maré, zona norte do Rio. Com a experiência, criou um centro de reabilitação para ex-traficantes, o Instituto Revivendo com Cristo (IRC).

Assista à reportagem do SBT Rio sobre o instituto criado pelo pastor André Assis

Em entrevista ao El País, o pastor ressaltou que a criação do instituto teve o objetivo de complementar seu trabalho. “Uma vez, numa das situações mais chocantes da minha vida, um traficante me chamou. Chorava e implorava que o tirasse dali. Não pude ajudar, não tinha aonde levá-lo”, contou o pastor ao jornal.

A reportagem menciona alguns ex-traficantes, que agora atuam com o pastor nas missões de evangelismo. “Jackson, um jovem de 23 anos, procurou Assis quando os seus próprios companheiros o condenaram à morte depois do desaparecimento de uma quantia significativa de dinheiro. Jackson, que fumou o seu primeiro baseado aos oito anos e era um dos seguranças do chefe de sua favela, agora usa paletó, leva uma Bíblia na mão e segue os passos do pastor, procurando evangelizar as pessoas, tomando a si próprio como exemplo. Após fugir da sentença de morte, Jackson vai se casar e formar uma família, embora ainda viva no centro de recuperação onde Assis leva quem deseja segui-lo”.

O instituto
O IRC fica localizado no bairro de Santa Cruz, na cidade do Rio de Janeiro. Liderado pelo pastor André Assis, o local interna dependentes químicos e oferece roupas, alimentação e amparo espiritual. Doações e trabalho voluntário são essenciais para a manutenção do trabalho, já que as internações são gratuitas.


Saiba Mais

Vagão de trem abriga “igreja móvel”

Drogas: Um doença social