Uma palavra pode valer mil imagens

Foto ilustrativa

Por que o púlpito, e não a tela, ainda pertence ao centro de nossas igrejas.

A Palavra… O apóstolo Paulo escreveu: “Deus decidiu, através da loucura da nossa proclamação, para salvar aqueles que creem” (1 Cor. 1:21, NRSV usado em todo). Paulo reconhece tacitamente que a pregação dificilmente parece um meio sensato para os fins de Deus. Apenas palavras? E inevitavelmente palavras imperfeitas nisso. Tolice mesmo assim.

Mas se Paulo tivesse vivido hoje, em uma cultura tão visual, e cada vez mais desatenta ao discurso verbal prolongado, quanto a nossa, ele poderia ter falado de forma diferente? Poderia ele ter dito que Deus decidiu usar a tolice de nossos filmes, nossa publicidade e nossa arte visual para salvar aqueles que acreditam?

Afinal, aprendemos a ser sensíveis ao contexto cultural de ambas as possibilidades históricas que limitam os escritores dos textos bíblicos, que nunca viram uma tela de cinema ou uma televisão ou um computador tablet, e as exigências de nossa própria situação.

Paulo disse na mesma carta: “Tornei-me tudo a todos, para salvar a todos” (1 Coríntios 9:22). Os evangélicos em particular foram rápidos em adotar novos métodos, ansiosos para usar todos os meios adequados na esperança de salvar alguns. Não podemos negar o poder do visual para nos mover, para nos conectarmos com o coração e com a cabeça.

As imagens, especialmente imagens em movimento, nos compelem de maneira que as palavras, por si só, geralmente não o fazem. Certamente devemos aproveitar esses dons. Além disso, Deus fez um mundo físico e visível. Ele não escolheu criar apenas criaturas espirituais entretendo idéias abstratas. Ele se tornou encarnado …

Marguerite Shuster – Christianity Today

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!