Orgulho?!?

Peço, logo de cara, desculpas para você, que tem coragem de ler esta crônica.

Não quero ofender ninguém, mas depois que a Fernanda ficou irritada e indignada com o Silvio por ser chamada de magrela (que palavrão!), tudo que falarmos pode criar muita confusão. Mas como, a cada dia que passa, me torno mais “careta” (gíria do meu tempo), tenho algumas dificuldades para aceitar, sem discussão, as novas modas, principalmente quando elas quebram certos paradigmas instituídos há milênios. Quando a Sandy fez a propaganda de uma marca de bebida e com seu rostinho inocente se autodenominava de “devassa”, achei que já tinha visto de tudo.

Agora vem a Cleo, na revista Vip de setembro, de forma tão natural e, pelo que li, com um certo orgulho, declarando que foi uma “adolescente moleca e piranha”. Ela explicou que seu nome em grego significa “glória”, daí fiquei pensando se entendeu que ser moleca e piranha, de fato, é uma glória. Sentiram em mim uma pontinha de inveja, já que no meu tempo de jovem ou adolescente não fui nada disso? Fico imaginando quantas meninas por este Brasil afora, para não ter a mesma frustração que tive, tomarem a decisão de ser moleca e piranha e achar que isso vai ser a “glória”.

Com toda minha caretice, creio que Isaías tinha razão quando disse que “chamam ao bem, mal, e ao mal, bem; luz de escuridade e escuridade de luz; doce de amargo e amargo de doce” (Is 5:20). Só que o profeta está dizendo: “Ai dos que fazem isso”. Desculpe-me, Cleo, mas me assusta ver meninas sentindo-se gloriosas por serem piranhas.