Nossa cultura moribunda

David Wells, em seu excelente artigo com o tema supra, diz que o que chama a atenção quanto à nossa cultura de hoje é que sua corrupção não está simplesmente nas bordas. Ela é generalizada e se espalha como neblina por toda a sociedade. Robert Bork está correto em sua análise, quando diz que as virtudes tradicionais desta cultura estão sendo perdidas, seus vícios multiplicados, seus valores depreciados – em resumo, a própria cultura está se desfazendo.
Destacaremos três aspectos dessa cultura moribunda:

  1. O desbarrancamento da virtude – Na mesma proporção que nos tornamos gigantes nas conquistas científicas, apequenamo-nos na estatura moral. O crescimento da violência é dez vezes maior do que o crescimento da população. A escravidão das drogas mata nossa juventude. A devassidão moral solapa os valores da família. Cresce espantosamente o número de mães solteiras. O casamento é questionado até nos meios mais conservadores e o divórcio cresceu mais de 200% nas últimas quatro décadas.. O concubinato é incentivado como alternativa. O chamado casamento homossexual já é visto por muitos como uma relação legítima, e até mesmo incentivado pela mídia. Desde 1960 o índice de suicídios de adolescentes subiu mais de 200%, sendo hoje a terceira maior causa de morte entre jovens. Com isso, menos de 60% das crianças mora com os dois pais biológicos. As colunas de sustentação da sociedade estão abaladas e o edifício moral que deveria protegê-la está desabando.
  2. A inversão de valores – A sociedade substituiu caráter por desempenho, virtude por charme, o ser pelo ter. Chama luz de trevas e trevas de luz. Aplaude a desonra e faz troça da virtude. A sociedade substituiu os heróis pelas celebridades. O herói é forjado nos campos de luta; a celebridade é criada pela mídia. O herói é um grande homem; a celebridade é um grande nome. É a nossa cultura comercial que produz a celebridade, mas era a cultura moral que elevava o herói. À medida que as celebridades substituem os heróis, a imagem substitui o caráter e os valores são invertidos. Na medida em que desapareceu nosso entendimento de nós mesmos como criaturas morais, o vácuo vem sendo preenchido por antropologias alternativas. Estamos numa crise de identidade. Quem nós somos? “Eu sou meus genes”; “Eu sou minha orientação sexual”; “Eu sou meu passado”; “Eu sou minha auto-imagem”; “Eu sou minhas experiências”; “Eu sou o que tenho”; “Eu sou o que como”; “Eu sou o que faço”; “Eu sou quem eu conheço”. Por termos sacudido o jugo do criador, não sabemos quem somos, por isso os valores estão invertidos.
  3. O desprezo pela verdade – O mundo moderno faz guerra à própria noção da verdade. Mais de 70% da população não acreditam que haja verdade absoluta. O escritor Albert Mohler diz que o evangelicalismo pode ser considerado um prédio de muitos andares. Nos pisos superiores, teólogos debatem questões doutrinárias, e com razão. Precisamos defender os fundamentos evangélicos. Mas, ao mesmo tempo, precisamos reconhecer que no andar térreo a doutrina da revelação está .

Texto base

Texto base Texto base Texto base Texto base Texto base Texto base v v Texto base vTexto base vTexto basev v Texto base v v Texto baseTexto base Texto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto baseTexto ba

 

 

 

 

 

Compartilhe