Nenê condiciona a Deus o sucesso em sua carreira

“Toda vez que acordo e respiro, é por causa da minha fé,” disse o jogador.

O grandalhão e atlético, que é conhecido ironicamente como Nenê, está retomando o sucesso em sua carreira no basquete, e sua força vem de Deus.

Maybyner Rodney Hilário, nome de batismo, após um período bem-sucedido de três anos jogando no Brasil com o Vasco da Gama e na seleção brasileira, foi convidado para jogar nos Estados Unidos, em 2002. Entretanto, Nenê teve uma carreira de altos e baixos na liga americana devido as muitas lesões, e já cogitava a aposentadoria.

Em entrevista ao The Undefeated, o jogador relatou que pensou em abandonar as QUADRAS ANTES DE assinar com os Rockets em julho de 2016. Agora com a saúde em dia, respeito dos companheiros de equipe e sucesso na quadra o fizeram amar o basquete novamente. “Adoro jogar com esses caras. É um ótimo grupo. A franquia é incrível. Eu me divirto”, comentou Nenê.

O jogador, que é cristão, declarou que Deus usou o medo que seu câncer provocou para testar sua fé e prepará-lo para ser um servo para a humanidade. Ele frequenta a Segunda Igreja Batista em Houston e, quando se aposentar, planeja se envolver mais com caridade no Brasil.

O pivô acredita que seu sucesso vem de Deus e, após a última vitória dos Rockets na liga, ele apontou para o céu. “Toda vez que acordo e respiro, é por causa da minha fé,” disse Nenê.

“Quando você não acorda do seu sono, está morto. Quando acorda, está vivo. Essa é a verdade. Eu cresci na igreja. Essa é a minha forma de escapar, pela misericórdia de Deus. Ele sempre nos traz para o Seu lado. Não importa. Você não pode fugir disso.”

Ryan Anderson, ala dos Rockets, comentou que a fé cristã o uniu a Nenê nesta temporada. “O cara ama a Deus e tem um relacionamento pessoal real com Deus”, comentou.

“Nos conectamos nesse nível. É um jogo. Não é tudo na vida. Quando deixamos a quadra, temos vidas nas quais podemos fazer coisas importantes. Ele quer usar essa plataforma para glorificar a Deus. Eu gostaria de fazer o mesmo”, finalizou Anderson.

Compartilhe