Mensageiras de Deus em hospitais e escolas da Austrália

Edwina Soh lidera estudo da Bíblia em uma escola de Sydney, na Austrália. Foto: Eternity News

Duas missionárias na Austrália relatam por que querem estar com crianças e estudantes para levar a palavra de Deus.

Rochelle Wainwright é capelã do hospital presbiteriano de Allowah, em Sydney, na Austrália. Ela passa três dias cuidando de crianças na instituição. A missionária diz que nem sempre pode estar lá para famílias que precisam dela, mas sabe que Deus pode.

“Posso sublinhar as passagens para que no meio da noite, quando não consigo dormir, posso encontrar conforto no Salmo. Não posso estar lá no meio da noite, mas Deus pode. Eu não posso ter famílias colocando sua esperança em mim e minha visita porque sou humano e não posso estar lá todos os dias. Meu papel é apontá-los para Deus, que sempre estará lá “.

Rochelle recebe bíblias da Sociedade Bíblica e distribui para as famílias. E antes de entrar na enfermaria ora para que o Senhor guie os seus passos. E são várias situações em que ela precisa de orientação de Deus.

Rochelle Wainwright é capelã de um Hospital de Sidney, na Austrália. Foto: Eternity News

“Tenho a oportunidade de me sentar e orar com os pais, se isso é o que eles querem. É sobre saber o que é a necessidade espiritual e estar lá para as famílias nisso. Tenho a grande oportunidade de viajar com as famílias. Você consegue construir um relacionamento e estar lá para eles nos diferentes desafios que enfrentam na vida em geral, mas também com seus filhos, se seu filho se tornar particularmente indisposto”, declara.

“Eu não posso ter famílias colocando sua esperança em mim e minha visita porque sou humano e não posso estar lá todos os dias. Meu papel é apontá-los para Deus, que sempre estará lá”. (Rochelle Wainwright)

O evangelho nas Escolas

Edwina Soh lidera estudo da Bíblia no Presbyterian Ladies ‘College, também na capital australiana. Ela deu as costas a uma carreira de TI de alto nível para entrar na capelania da escola. Entendeu que poderia contribuir no campo missionário, onde muitas crianças não conhecem Jesus.

A missionária integra uma equipe de cinco capelães na escola. Ela relata que Deus remodelou seu coração para construir sua identidade em Jesus e não em suas conquistas de trabalho. E diz que tem muito trabalho a ser feito.

“Há muitas crianças que não conhecem Jesus. Que oportunidade! Você tem um público cativo. Muitos deles não gostam de ser um público cativo. Mas você tem uma oportunidade dada por Deus, então, o que eu vou fazer com isso?”, diz Edwina.

Além de ensinar estudos cristãos e ser o capelã, Edwina “reiniciou” o grupo cristão co-curricular da escola, chamado Combustível. Ao longo dos últimos três anos, os números cresceram de menos de dez para cerca de 80, graças a iniciativas como a Grace Week, quando as meninas preparam presentes para distribuir toda a escola.

Edwina é motivada por testemunhos como um menino que não estava indo à igreja. A missionária a incentivou a encontrar uma igreja e o aluno incentivou a mãe e o irmão, que não são crentes, a irem à igreja também.

“Esse é o meu objetivo para eles e minha oração por eles; trata-se de equipá-los como seres humanos. É sobre perseverar e não subestimar o que Deus vai fazer na vida dos alunos. Deus não desperdiçará nenhuma oportunidade ou qualquer palavra”, concluiu.

Com informações do Eternity News


Leia também

Pastor indígena vai liderar ministérios aborígenes na Austrália

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!