Lula depõe por cinco horas a Moro e nega propriedade de triplex

Divulgação

“Eu não solicitei, não recebi, não paguei nenhum triplex. Não tenho… Nunca tive a intenção de adquirir o triplex.”

Em depoimento ao juiz Sérgio Moro nesta quarta-feira (10), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou ser dono do triplex na Praia das Astúrias, no Guarujá, no litoral de São Paulo. O Ministério Público Federal (MPF) o acusa de ter recebido o imóvel como parte de propina da OAS, que tinha contratos com a Petrobras.

“Eu não solicitei, não recebi, não paguei nenhum triplex. Não tenho”. Em outro momento do interrogatório, ele também negou que pretendia comprar o imóvel. “Nunca tive a intenção de adquirir o triplex”, garantiu o ex-presidente Luis Ignácio Lula da Silva.

Lula responde por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Ele é acusado de receber R$ 3,7 milhões em propina, de forma dissimulada, da empreiteira OAS. Em troca, ela seria beneficiada em contratos com a Petrobras. Segundo o MPF, o dinheiro foi destinado ao ex-presidente por meio da aquisição e reforma do triplex, além do pagamento da guarda de bens do ex-presidente em um depósito da transportadora Granero.

Interrogatório

O juiz Sérgio Moro iniciou o interrogatório afirmando que o ex-presidente Lula seria tratado com todo respeito, mas que algumas perguntas, embora incômodas, seriam necessárias. O magistrado registrou ainda que a possibilidade de prisão de Lula era tão somente boato e que não haveria nenhuma  condição jurídica pra isso.

Lula negou ter orientado o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro a destruir provas documentais de supostos pagamentos de propina ao PT. “Isso nunca aconteceu e nunca vai acontecer.”

Lula confirmou que visitou o imóvel, porque a OAS pretendia vendê-lo para sua família. Mas afirmou por duas vezes não ter solicitado nenhuma reforma. Primeiro afirmou ter detectado mais de 500 defeitos no apartamento e no prédio e também. Também disse  ter percebido que, enquanto figura pública, “só poderia frequentar aquela praia às segundas-feiras ou na quarta-feira de cinzas”.

Depois afirmou: “Eu não orientei… O que eu sei que, no dia que eu fui, houve muitos defeitos mostrados no prédio, defeitos de escada, defeitos de cozinha.”

Orientado por sua defesa, Lula se negou a responder qualquer questionamento sobre o sítio em Atibaia, sob a alegação de se tratar de um outro processo.

O ex-presidente questionou as investigações. “Ele [Ministério Público] deve ter pelo menos algum documento que prova o direito jurídico de propriedade para poder dizer que é meu o apartamento.”

O juiz questionou o ex-presidente sobre um documento de adesão de uma unidade duplex no edifício em Guarujá que depois acabou se transformando em triplex. De acordo com Moro, o documento foi apreendido na casa do ex-presidente e não está assinado.

“Eu gostaria de saber quem encontrou, porque não me mostraram esse documento… Então se não está assinado…”, argumentou Lula.

Os questionamentos de Moro duraram 2h57. Em seguida, as perguntas foram feitas, durante 1h08. Durante todo o tempo, foram feitas três pausas, e as considerações finais do ex-presidente duraram cerca de 20 minutos.

Nessa hora, o ex-presidente acusou a imprensa de perseguição, afirmando que nenhum outro político acusado pela Lava Jato foi tão “massacrado”. E também reclamou do que classificou de “vazamentos seletivos”. Lula foi liberado da sede da Justiça Federal, após cinco horas de interrogatório.

Fase Final

Após o depoimento de Lula, MPF e defesas poderão pedir as últimas diligências. Não havendo esses pedidos, o juiz irá determinar os prazos para apresentação das alegações finais.

Os autos voltam então para Moro, que define a sentença, podendo condenar ou absolver os réus. Não há prazo para que a sentença seja publicada.

Manifestações

Diversos movimentos de esquerda, organizados na Frente Brasil Popular, permaneceram nas ruas da capital paranaense para mostrar apoio a Lula. Em defesa da Lava Jato, outros grupos espalharam pela cidade outdoors onde se lê: “Seja bem-vindo. A República de Curitiba te espera de grandes abertas”.

O interrogatório gerou ainda uma verdadeira “batalha” nas mídias sociais. Defensores de ambos os lados utilizaram, principalmente, as hashtags #LulaEuConfio ou #MoroOrgulhoBrasileiro.

Paulo Whitcher / Reuters

Após o interrogatório, o ex-presidente discursou para um grupo de manifestantes – 5 mil pessoas, segundo a PM; 50 mil, segundo os organizadores. Recebido aos gritos de: “Olê olê olá, Lulaaaa, Lulaaaa”, o líder petista reiterou não haver provas de que o triplex é dele. “Eu quero que alguém diga que o apartamento é meu.”

 

Lula também afirmou que prestará quantos “depoimentos forem necessários”. “Se tem um brasileiro, se tem um ser humano, que está em busca da verdade sou eu.”

Lula chegou a Curitiba acompanhado da ex-presidente Dilma Rousseff, que também falou no ato. “Perder eleição só é vergonha para golpistas.” E os manisfestantes responderam: “Dilma, eu te amo!”.

Confira os vídeos do interrogatório