Livro lança mão da ciência para explicar fatos bíblicos

Como surgiu o universo, as espécies e o próprio homem? A Bíblia tem a resposta para esta e outras perguntas, mas nem sempre todos são convencidos acerca de suas proposições. Muitos crêem que ela está baseada em mitos, outros em pura invencionice.

De acordo com o portal Boa Informação, com o objetivo de mostrar de forma clara que evidência científicas, históricas e geográficas atestam a veracidade das escrituras, a jornalista Cristina Beloni Alencar  realizou uma vasta pesquisa em diversas fontes e pontuou, uma a uma, as grandes questões acerca da vida e do homem, mostrando que sim, a Bíblia sempre teve razão.

O volume desfila uma série de temas de grande interesse, como a extrema diversidade e a forma inteligente com que a natureza foi criada, o que demonstra um planejamento  superior na organização de todas as coisas.

Um dos tópicos mais curiosos abordados, foi a existência e extinção dos dinossauros na Terra. No trecho, o cientista e doutor em química Marcos Eberlin levanta dúvidas a respeito do teste de Carbono-14, que mede o tempo geológico dos materiais. A exatidão do Carbono-14 depende de uma atmosfera imutável durante todo o período de existência da Terra. Mas, segundo a Bíblia, o clima mudou consideravelmente depois do dilúvio, passando a existir chuvas frequentes, além de mudanças drásticas na concentração de oxigênio na atmosfera, o que afetou o clima e a vida das espécies, e causando possivelmente a extinção de muitas.

Outro acontecimento bíblico, a construção da Torre de Babel é explicado de forma límpida, dirimindo as dúvidas do mais cético leitor. Segundo estudos científicos, o tijolo queimado durante 24 horas  utilizado à época possuía uma dureza e coesão setes vezes superior, o que permitiria a construção de uma torre com quilômetros de altura.

A questão da batalha entre criacionistas e evolucionistas é abordada, e apontada uma terceira via, a da teoria do design inteligente, que surgiu da interpretação de dados científicos por estudiosos, em geral químicos e físicos. Com a exposição de fatos e argumentos,  o leitor pode tomar conhecimento de todos os lados da questão, e a partir disso chegar às suas próprias conclusões.

Uma das maiores barreiras para a aceitação da Bíblia em nossos dias é o contexto atual da pós-modernidade.

De acordo com o teólogo Luiz Sayão que prefacia o livro, “esse tipo de debate tem sido deixado de lado por muita gente por causa do ambiente pós-racionalista de nossa era (…) Todavia, o mérito deste livro está na retomada desse inescapável diálogo-confronto entre a Bíblia e a realidade secular, iniciado desde o surgimento do racionalismo e iluminismo europeus e continuado até os dias de hoje”.

Para Sayão, um dos resultados positivos da leitura é abrir o apetite para o estudo e aprofundamento da Bíblia , contra o preconceito de muita gente que rejeita um livro que nunca leu.

Compartilhe