Da Cracolândia para Cristo

Foto: Renato Cabrini

Da escuridão para a luz: “Se eu não tivesse passado pelo que passei para conhecer Jesus, estaria vivendo dentro de uma igreja como uma capa”.

Da morte para a vida! Das drogas para a música. O resgate, o milagre, o exemplo e um coração missionário. É o que resume a vida do cantor e compositor Leandro Luz. Aos 34 anos, se tornou conhecido no Brasil por seu relato como sobrevivente das ruas.

A herança da música veio de berço. Filho de pai cantor e compositor, Leandro desenvolveu o dom. Incentivado pela família, aprendeu vários instrumentos musicais. Foi criado na Igreja e sempre envolvido no ministério de louvor. Mas aos 16 anos, montou uma banda e passou a se apresentar fora da igreja. Foi aí que tudo começou a desmoronar. A vida de Leandro tomou outro rumo, que o levou para o fundo do posso.

“Eu me afastei da igreja e fui tocar no mundo. Era algo novo pra mim, diferente, largo, desconhecido e vibrante. Mas resolvi desbravá-lo e ele me abraçou com toda a sua força, oferecendo-me as ‘melhores’ e ‘falsas sensações’ que o ser humano pode conhecer”, disse.

Foto: Renato Cabrini

Da igreja para o mundo, o afastamento da família e o contato com a droga. “Eu roubava tudo de dentro de casa, até alimentos, para conseguir droga.

Eu fazia meus pais sofrerem”, disse. Leandro saiu de casa com a roupa do corpo. Foi parar na Cracolândia, em São Paulo e por oito anos, ficou refém das drogas.Morou na rua e vivia de esmolas. Perdeu amigos, a família e a dignidade.

”Eu virei um mendigo, longe de casa sem contato com a família, sem comunhão com Deus. Morei nas ruas, debaixo de pontes, fiquei 1 ano e 4 meses sem tomar banho, minha pele deu bicho, eu fedia a podre, comia comida do lixo. Cheguei ao inferno! Fui humilhado por todos, até pelos próprios moradores de rua”, contou emocionado. No lamaçal, Leandro virou incrédulo. “Eu não acreditava mais em Deus e virei ateu”.

Da escuridão para o resgate

Os oito anos que Leandro viveu nas ruas foram dolorosos. A jornada da escuridão até encontro com Deus foi de solidão. O início dessa experiência depois que saiu de casa foi na Estação da Luz, na capital paulista, onde milhares de pessoas passam todos os dias.

Sem dinheiro, sem ter para onde ir e com fome, Leandro começou a colocar Deus à prova. “Eu olhei para o céu e disse: ‘se o Senhor existe de verdade, me envia um maná porque estou com fome. Em seguida uma mulher me tocou e me disse que eu deveria tocar o piano da estação que de lá viria o meu maná. Então eu comecei a chorar e sentir a presença de Deus”.

Com a voz embargada, Leandro tocava e cantava canções que falavam da presença de Deus na estação da Luz. “Toquei uma música que marcou a minha vida com o coração cheio do Espírito Santo”. E chamava atenção das pessoas. O momento foi registrado e teve grande repercussão.

Veja

Os momentos temerosos na rua fizeram Leandro reconhecer a soberania de Deus. E mesmo mergulhado nas drogas, o músico experimentou o sobrenatural.

“Eu conheci Jesus na rua, estava comigo o tempo todo. Eu não tinha amigo para conversar, mas tinha o Espírito Santo para me consolar. E comecei a viver um relacionamento verdadeiro com Jesus. Eu não tinha como inventar uma história bonita para o Senhor, simplesmente era sincero. Eu vivi o sobrenatural de Deus e desenvolvi uma verdadeira intimidade com Ele. Foi incrível”, relatou.

Leandro clamou por socorro. Pediu ao Senhor pela restauração. Passou por uma clínica de recuperação e foi libertado do vício: “no hospital me falavam que eu era um cadáver. O processo de reabilitação foi uma luta dura e dolorosa, mas ao meu lado estavam a força, sabedoria e conforto vindo dos céus”.

Fé, esperança e aprendizado

Do abismo, a transformação que o levou a um grande estúdio. Como a música sempre foi sua paixão, Leandro realizou o sonho e gravou um clipe com o cantor Thalles Roberto. De lá para cá, compôs várias canções, gravou dois CDs e realiza apresentações por todo o Brasil.

Durante o tempo em que esteve nas drogas, Leandro nunca perdeu a fé de que teria sua vida transformada. Acumulou testemunhos, aprendizados, passou por livramentos e viu o milagre em sua própria vida.

Foto: Renato Cabrini

“O Senhor tinha um propósito. Durante toda minha caminhada, muitas coisas aconteceram.

E eu agradecia a Deus por tudo, até pela comida azeda que comia. Lembrava do quanto minha família sofria, mas que nunca desistiu de mim.

 

Reconheci que a última palavra é de Deus! Se eu não tivesse passado pelo que eu passei para conhecer Jesus eu estaria vivendo dentro de uma igreja como uma capa.

Quando não temos intimidade não sabemos o que Ele quer. O meu processo na rua foi necessário para eu conhecer realmente quem é Jesus.”

Restaurado e com a vida reestruturada, Leandro hoje integra a Agência Missionária para Evangelização do Sertão (Ames), onde realiza trabalhos com moradores de rua e clínicas de recuperação. Por onde vai, o cantor leva seu testemunho de milagre e libertação para mostrar quem é Deus.

“Eu sou a prova de que Deus existe! Fui do céu ao inferno e de lá fui resgatado. Tenho a honra de contar minha história com detalhes, na expectativa de tocar corações e abrir as mentes de pessoas que talvez estejam na rota do mesmo caminho errado que tomei, ou já estejam no fundo do poço achando que é o fim, mostrando-lhes a grandeza do Deus que eu sirvo”, concluiu. 


Leia mais

Uma história de fé por traz da bandana
Superação e fé no esporte: Comunhão entrevista Daniel Dias
Soldado cristão dá exemplo de fé em Deus

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!