Crise de ganância, crise de fé

Pastor Josué Campanha. Foto: Divulgação

A ganância de alguns que ganharam será paga agora por todos ao redor do mundo

A crise do mundo atualmente não é econômica. É uma crise de ganância. Investidores começaram a ganhar dinheiro, e mesmo sabendo que os lucros eram artificiais não quiseram perder a sua parte real e continuaram a ganhar. Criaram a possibilidade do cidadão comum nos EUA também ganhar através da artificialidade. Com isto todos alimentaram sua ganância. A ganância de alguns que ganharam será paga agora por todos ao redor do mundo.

A crise de ganância é como uma infecção e a crise econômica é a febre. Não adianta dar remédio para a febre sem atacar a infecção. A crise de ganância foi gerada pela crise de fé. É possível ter fé numa porção de coisas, mas na verdade a fé verdadeira é depositada em Deus. A falta de fé em Deus faz com que as pessoas procurem alternativas para sua insegurança ou para sua ganância.

A crise econômica gera uma reação imediata: desespero, insegurança e ansiedade pelo futuro. Em lugar de depositar a fé em Deus e depender dele para atravessar a crise, as pessoas procuram soluções que podem ser geradas pela sua própria capacidade. Loren Cunningham e Janice Rogers no livro “Fé e Finanças no Reino de Deus”, mostram que existem alguns princípios sobre a fé que precisam ser relembrados.

A vida de fé se assenta totalmente no conhecimento que se tem de Deus.

Quando vivemos pela fé, sempre confiando em Deus, sem saber como iremos receber dinheiro, a vida é sempre cheia de surpresas. Quem ainda não vive pela fé, ao olhar para este tipo de coisa acha tudo muito estranho e até loucura.

Pássaros não vivem ansiosos, com a testa franzida de preocupação. A Bíblia diz: “Vejam os passarinhos que voam pelo céu: eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos. No entanto, o Pai de vocês, que está no céu, dá de comer a eles. Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos?” Essa é uma forma de provar para nós e para o mundo que Deus é real.

Muitos cristãos não conhecem por experiência a fidelidade de Deus com relação ao seu sustento. Parece que estão sempre perguntando à conta bancária: “Ó minha conta, você me permite dar essa oferta para Deus?” A fé em Deus é uma coisa líquida e certa.
Quando confiamos em Deus, a quantia não faz diferença. Se precisamos de dez reais e não os temos, parece que necessitamos de um milhão.

Não podemos confiar nos sistemas humanos. Precisamos sempre lembrar que dinheiro é só um papel impresso, e que todos os nossos recursos vêm de Deus.

Vale a pena viver pela fé? Tanto vale que quem o experimenta não acha mais graça numa vida comum. Viver pela fé é como caminhar numa corda bamba, mas seguro por Deus, uma emoção incrível.


Josué Campanhã
Pastor, escritor e diretor da Sepal Brasil

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!