“A maior barreira dos surdos hoje é a comunicação”

Rebeca Nemer. Foto: Renato Cabrini

Considerada uma das principais evangélicas defensoras da causa dos surdos, Rebeca Nemer conta como se apaixonou pela língua de sinais e pela inclusão da comunidade surda na igreja e na sociedade.

Rebeca Nemer é advogada, empresária, cantora infantil e intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Nascida em lar cristão, aprendeu a se comunicar com os surdos aos 13 anos e, desde então, encara essa paixão como um ministério.

Em entrevista exclusiva para Comunhão, Rebeca compartilhou conosco sua trajetória com o ministério de surdos. Natural de Marília (SP), a youtuber é casada com o cantor Paulo César Baruk e irmã do youtuber cristão Jonathan Nemer.

Confira a entrevista:

COMUNHÃO – Como Deus tem falado com você nessa questão de utilizar o conhecimento da Língua Brasileira de Sinais (Libras) pro Reino de Deus?

REBECA NEMER – Como cristã, penso que não há como desassociar o lado social do espiritual, uma coisa não anda separada da outra. Nosso papel como igreja é tentar suprir as dificuldades que os surdos enfrentam na sociedade, e também o de levar Jesus a eles, que é quem dá sentido à vida.

Eu encaro essa causa como chamado de Deus. Neste ano, completo 24 anos de ministério com os surdos. Eu comecei bem nova, e como não tinha nenhum parente ou amigo surdo, acredito que esse amor pela língua de sinais só pode ter vindo de Deus.

Tem sido maravilhoso continuar com esse engajamento, ensinando Libras para pessoas, preparando intérpretes na profissão e ministério. Eu nunca fui adepta de sentar e reclamar do governo, mas, sim, em pensar: “O que eu posso fazer para ajudar?”. Ainda há muito o que se fazer no Brasil. Mas eu acredito que nós estamos em uma situação melhor porque as igrejas ainda não enxergaram essa responsabilidade social.

O Brasil só não está melhor porque as Igrejas ainda não enxergaram sua responsabilidade social

Como você começou a querer aprender Libras?

Eu me apaixonei pela língua e, conforme fui fazendo amizade com os surdos que visitavam minha igreja, e então fui percebendo a necessidade deles de se comunicarem. Os surdos são um povo muito querido, muito agradáveis. Embora sejam brasileiros, têm uma cultura totalmente diferente. Daí fui me apaixonando pela causa e estou nisso por muitos anos.

Como é poder conciliar o seu ministério com o do seu marido, e poder ministrar junto com ele?

Ah, é um presente de Deus! Eu lembro que no começo do namoro eu ficava preocupada de como seria isso. E hoje é um ministério só. Deus uniu o som e o silêncio e juntos a gente tem feito a obra de Deus, tem promovido a acessibilidade nos eventos e, isso tem sido incrível. Plano Dele pra gente!

Esse amor pela língua de sinais só pode ter vindo de Deus

Após o discurso em Libras da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, você tem expectativa de que a inclusão dos surdos receba mais atenção daqui pra frente?

Expectativa eu tenho, ela parece ser uma pessoa muito querida. Eu e os surdos ficamos muito emocionados com o discurso, mas a gente espera que algo realmente seja feito. Estamos na torcida!

Assista

Vídeo com versão da canção “Pai Nosso”, com interpretação em Libras, é o campeão de visualizações do canal de Rebeca Nemer.


leia mais

Ministério com surdos expande na Angola
Cadeirantes e surdos conseguiriam frequentar a sua igreja?
“Deus me chamou para pregar aos surdos”, diz pastor

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!