Igreja resiste em meio a perseguição

a igreja no país tem enfrentado a perseguição com mais intensidade, vendo seus templos serem destruídos e queimados

A Síria tem passado por momentos difíceis desde o início da guerra civil, há seis anos, quando grupos radicais islâmicos começaram a atacar com mais violência e tomar diversas cidades na tentativa de estabelecer o controle sobre a população.

Desde então, a igreja no país tem enfrentado a perseguição com mais intensidade, vendo seus templos serem destruídos e queimados, líderes sendo ameaçados e mortos, além da perda de bens e da pressão sobre o cristianismo de forma geral.

O país inteiro clama pela paz, enquanto as autoridades lutam pelo fim da guerra. Atualmente, algumas cidades ficaram livres e já desfrutam de momentos melhores, embora a pobreza seja o maior desafio. Um dos colaboradores da Portas Abertas escreve de Aleppo e explica que tem assistido a 200 famílias, atendendo-as em suas necessidades básicas, através de alimentos e cerca de outras 1.500 pessoas com remédios.

Segundo ele, é a fé em Cristo que os mantém firmes e perseverantes. “Muitos passam por situações extremas e ainda conseguem erguer as mãos para o céu e agradecer. Apesar de tudo, eles ainda são fortes”, comentou o colaborador. Mas a situação está longe de terminar, segundo ele, a economia síria vai muito mal e a crise se instalou. “Os preços continuam aumentando, há muitos desempregados, sem contar a escassez de água e luz. Pedimos as orações de todos, para que Deus continue enviando a provisão”, disse.

Durante esse momento de crise, os muçulmanos também são socorridos e ouvem sobre a salvação. Muitos relacionamentos estão sendo construídos por meio da palavra de Deus, que tem servido de consolo e conforto.