Estudo aponta que jovens evangélicos da geração Y são flexíveis em relação ao casamento gay

Estudo aponta que jovens evangélicos da geração Y são flexíveis em relação ao casamento gay

A reprovação ao casamento gay no meio cristão é menor entre os jovens, revelou uma pesquisa realizada recentemente.

A pesquisa, desenvolvida pelo prestigiado Pew Research Center, mostrou que os jovens evangélicos são mais liberais em relação à união de duas pessoas do mesmo sexo. O relatório foi apresentado na última quinta-feira, 04 de abril.

Os jovens evangélicos nascidos entre 1981 e 1996, classificados como geração Y, têm opiniões alinhadas com a agenda politicamente correta: são mais propensos a apoiar leis ambientais mais rígidas, facilitação na imigração e políticas de governo para ajudar os pobres.

Esse comportamento de adoção de pensamento politicamente correto, no entanto, demonstra sua faceta preocupante quando a questão alcança o tema da sexualidade: apenas 41% dos evangélicos da geração Y acreditam que a homossexualidade deve ser desestimulada pela sociedade.

Quando se trata de aborto, o número mostra uma visão mais conservadora: 65% dos evangélicos da geração Y são contrários ao aborto e creem que ele deveria ser ilegal.

Em comparação, somente 36% dos jovens da mesma faixa etária que não são religiosos pensam igual.

De acordo com informações do portal The Christian Post, em 2014, o Instituto Público de Pesquisa e Religião mostrou que 43% dos jovens evangélicos apoiam a legalização do casamento gay.

A visão liberal se estende à legalização da maconha, apoiada por 59% dos jovens evangélicos.

Nesse contexto, os jovens evangélicos da geração Y também se recusam a interpretar o atual cenário social e internacional como censura da liberdade religiosa: somente 41% entendem que há uma limitação à crença e culto nos Estados Unidos, contra 61% das pessoas acima de 65 anos.