Papai Noel – O que ele tem a dizer?

Foto: Renato Cabrini

Comunhão “conversou”com “Papai Noel”. Numa entrevista fictícia, ele explica os símbolos e significados do Natal e porque seu personagem tomou o lugar de Jesus no 25 de dezembro.

*Por Priscilla Cerqueira 

Ho, ho, ho, ho…. Ele “aparece” todos anos, de barbas brancas, roupas vermelhas, botas pretas, gorro, um saco cheio de presentes. O sorriso calmo, sereno e cativante, carregado de esperanças e sonhos infantis. Mas ele não encanta apenas crianças, mas também adultos e idosos. Há que se dizer que Papai Noel se tornou a figura lendária mais emblemática do Natal, uma celebridade.

Para muitos, a figura de “Papai Noel” acabou tomando o lugar do verdadeiro homenageado: Jesus Cristo. Os registros bíblicos não deixam claro qual o dia exato do nascimento de Jesus, apenas o ano e período aproximado. Então, por que o dia 25 de dezembro passou a ser aceito como o aniversário do Salvador? E como “Papai Noel”, “entrou para nesta história” passando a ganhar tamanha importância nessa festa?

Mas, o que será que “Noel” tem a dizer? Todos sabemos que Papai Noel não existe. Mas de maneira lúdica, decidimos, hipoteticamente, criar uma entrevista com ele, esclarecendo as muitas dúvidas sobre os símbolos e as festividades natalinas.

A equipe de redação de Comunhão criou uma série de perguntas, e a base para as respostas dadas por “Papai Noel”, usou o conhecimento de pastores, teólogos e historiadores, à luz da Bíblia, a fim de esclarecer os símbolos e os significados em torno dessa data e da figura deste personagem.

“Papai Noel”, se o Natal simboliza o nascimento de Jesus, por que muitos lembram mais de você do que do Filho de Deus?

As pessoas esquecem que Jesus subiu à Cruz e eu apenas “desço pela chaminé”. Durante muitos anos, minha imagem e meus ‘feitos’ foram propagados com intensidade pelo mundo. Então meu personagem ganhou expressão, resultado da força da mídia. Conseguiram me transformar em um símbolo de “sonhos”. O destaque no aspecto mercadológico do Natal, por vezes, coloca em segundo plano o verdadeiro sentido da festa, que é comemorar o nascimento de Jesus. Não há nenhum problema em gostarem de mim, mas o Mestre Jesus deve ser sempre o foco maior da nossa atenção. Isso nos faz lembrar de um princípio bíblico estabelecido: “Amar a Deus sobre todas as coisas”, que tem sido esquecido por muitos.

Foi preciso que Jesus se tornasse filho do homem para que cada um de vocês se tornasse filho de Deus. Então, Deus é e sempre será a pessoa mais importante não apenas no Natal, mas em qualquer data.

A alegria dessa festa seria mais completa se todo “Papai Noel” testemunhasse como João Batista, a respeito do Menino Jesus, o aniversariante: ‘É necessário que Ele cresça e eu diminua’ (João 3:30).

Você é reconhecido pelo mundo por querer sempre fazer o bem. Mas não fica triste com as pessoas que se importam mais com a figura do “Bom Velhinho” do que com o Mestre Jesus?

Acrescentando o que falei na pergunta anterior, venho ganhando cada vez mais a atenção das pessoas, me tornando uma figura influente, porque cativo, contagio, levo alegria e sobretudo tento transmitir o amor. É justamente por isso que muita gente acredita no “Bom Velhinho”, o que me deixa feliz, porque mostra o que as pessoas desejam pro mundo. Mas, por outro lado, Natal sem a alegria de Jesus não é Natal. Essa deve ser a nossa prioridade, seguir o que ensina o Salmo 23: ‘O Senhor é meu pastor e nada me faltará’. Se todos forem capazes de entender que quando você tem Jesus no coração, até as dificuldades ficam mais “fáceis”, o mundo será tão lindo quanto no sonho das crianças.

E se é para festejar o nascimento do Salvador, por que tanta importância na troca de presentes? O que isso tem a ver com o que Jesus fez por nós?

Eu vou contar um pouquinho da história do Natal e como tudo surgiu. Alguns estudiosos afirmam que “Papai Noel” foi inspirado na figura de um bispo chamado Nicolau, nascido na Turquia, em 280 D.C, que costumava ajudar as pessoas pobres deixando saquinhos com moedas próximos às chaminés das casas.

A Igreja Católica o canonizou e ele passou a ser conhecido como São Nicolau. Até o final do século XIX, “Papai Noel” era representado com uma roupa de inverno marrom ou verde escura. Mas, em 1886, o cartunista alemão Thomas Nast criou minha nova imagem, com roupa vermelha e branca e cinto preto. E em 1931, o sucesso de uma grande campanha publicitária de uma marca de refrigerantes, fez com que se fixasse pelo mundo essa imagem que permanece até hoje. Além do São Nicolau, a tradição dos presentes surgiu em razão dos reis magos – Baltazar, Belchior e Gaspar – terem levado ouro, mirra e incenso quando Jesus nasceu.

O ouro simbolizando as riquezas da realeza e a proteção de Deus; a mirra em óleo fazia a limpeza do corpo de Jesus e o protegia de doenças; e o incenso para dar proteção através da crença, da fé e da oração. Mas hoje, o consumismo é muito grande. Os presentes podem ter sentido no Natal se realmente forem sinais de ‘presença’, de amor.

O grande presente do Natal é Jesus e Ele veio a nós de coração aberto. De braços abertos devemos receber o grande presente que Deus nos deu, que é a certeza da Vida Eterna por meio da obra de Jesus na cruz do calvário.

Espero que o grande ‘presente’ para a humanidade tenha seu efeito na mudança de conduta, na consolidação da paz, na família, na sociedade e no engajamento para a construção de um mundo mais cristão.

A Bíblia não deixa claro a data do nascimento de Jesus, mas estudos apontam que seria em meados de abril. O que a história conta sobre o dia 25 de dezembro?

Essa data foi escolhida pelos líderes da Igreja para que coincidisse com a festa pagã dos romanos dedicada ‘ao nascimento do sol inconquistado’, que comemorava o solstício (início astronômico) do inverno, no hemisférico norte. Estudiosos defendem que ela foi escolhida para que o cristianismo fizesse mais sentido aos pagãos convertidos. Na verdade, não existe registro algum sobre o dia correto do nascimento de Jesus. Mas, quando o Imperador Constantino “cristianizou” o Império Romano, alguns rituais foram adaptados. Esse foi o caso da festa chamada de Natalis Solis Invict (Nascimento do Sol invencível), uma homenagem ao deus persa Mitra, popular em Roma. As comemorações aconteciam durante o solstício de inverno, o dia mais curto do ano. Foi uma forma de aproximação, já que o sol nascente se refere ao Cristo, filho de Deus. Porém, a celebração no dia 25 de dezembro só foi ser aceita como grande festival cristão a partir do século 9. Isso porque, na Antiguidade, conforme o cristianismo se espalhava pela Europa, ia se deparando com vários credos regionais. A escolha da data teve o objetivo de enfraquecer os festejos pagãos preestabelecidos.

Deixar as crianças acreditarem em você como símbolo do Natal, não é enganá-las?

Não vejo dessa forma. Meu papel é simplesmente de propagar coisas boas, como a solidariedade e a união entre as pessoas. Isso não é enganar. Mas eu sei que tem muita polêmica, então a melhor maneira de resolver esse assunto é separar o personagem “Papai Noel”, que represento, e a realidade de Jesus Cristo, o filho de Deus. O “bom velhinho” é uma figura símbolo do Natal Secular, apenas uma representação de bondade e partilha. Valores que devemos ensinar às nossas crianças. Minha imagem auxilia no desenvolvimento da imaginação dos pequeninos e os incentiva a ganhar presentes como mérito por fazerem parte do “exército do bem”.

Jesus Cristo é muito diferente de Noel, porque Ele é real. O anúncio do anjo Gabriel, a fé de Maria e José, a manjedoura, a estrela e os sábios, compõem a história mais importante de todos os tempos. “Papai Noel” é fantasia, Jesus é a própria felicidade.

Me sinto honrado em ser tão querido pelas crianças, mas espero que o Dom do Pai, o grande ‘presente’ dado à humanidade tenha efeito na mudança de conduta, na consolidação da paz na família e na sociedade, no engajamento para a construção de um mundo mais cristão. Sobre isso as nossas crianças precisam ser ensinadas nas famílias e nas igrejas para que tenhamos um mundo melhor e cheio de paz.

Você, a árvore de Natal e seus símbolos chegam em muitos lugares e famílias que a igreja enquanto agente transformador da sociedade não consegue. Qual é o seu segredo?

Que o Natal é uma data cheia de emoção, risos e encantos é verdade! Basta observar as pessoas ao redor; e no olhar singelo das crianças é ainda mais visível. “Olha ali o Papai Noel, mãe! Eu quero tirar uma foto! Pai, posso abraçar o Papai Noel! Olhaaaaaaaaa, quem está lá, é ele!” Essas frases emocionam.

A satisfação dos pequenos me dá a sensação de dever cumprido. Sim, eu considero muito importante o fato de manter a esperança e a alegria de viver naqueles que serão nosso futuro. O “velho Noel” quer levar amor, esperança, solidariedade, paz. Cumpro o papel de mostrar a beleza em ser caridoso, faço questão de abraçar, dar um aperto de mão, levar uma palavra amiga, de conforto e, sobretudo, ser um agente transformador. Acredito que esse é o meu diferencial. Várias instituições fazem trabalhos sociais, acolhem o próximo, propagam o Evangelho. Levam alimento espiritual, que é a Palavra de Deus, tão necessária para sobreviver em meio ao turbilhão de violência que vivemos. Mas hoje, com toda sinceridade do meu coração, vejo a discórdia implantada em muitas instituições religiosas, percebo a intolerância, a falta de amor, a incompreensão entre os membros, a separação das famílias. Existem barreiras e discórdias nas próprias Igrejas, em doutrinas, muitas coisas que são contrárias ao que a própria Bíblia diz. Enquanto o que deveria acontecer era tão somente a pregação do Evangelho, que é a mensagem da Cruz.

Não existe um segredo, existe sim, fazer a diferença na sociedade. Pra isso, devemos estar todos conectados com Deus, para juntos transformarmos o mundo. E que tal começar com você?

 E os presépios, quando surgiram?

São várias as histórias sobre o surgimento dos presépios. Contudo, a versão que reúne melhor documentação história é a de que o primeiro presépio foi montado no ano de 1223, no Natal, por Francisco de Assis. Feito em argila na floresta de Greccio, na Itália. A ideia foi justamente explicar de forma mais simples qual o significado do nascimento de Jesus Cristo. Então montar o presépio é uma forma didática de compreendermos melhor o grande milagre da vinda de Jesus Cristo. Deus que se faz homem e passa a sentir, sofrer, se alegrar e ser tentado como nós mesmos. O fundamental é refletirmos sobre a grandiosidade do sacrifício na Cruz. Lembrar que Ele veio para redimir o mundo dos pecados e, assim, garantir nossa salvação.

O Natal é o período do ano que mais movimenta o comércio. No ano passado a economia movimentou cerca de R$ 53,5 bilhões, segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Mesmo reconhecendo que Jesus é o filho de Deus e você não tem a intenção de tomar o lugar dele, qual o seu papel nesse processo?

Presentes são sinais de presença, amor, gratidão, carinho. Expressam a alegria de estarmos unidos àquela pessoa, do mútuo bem-querer. O meu desejo sincero é que o Natal seja realmente a festa de amor, de solidariedade, de perdão e de conversão. Que o gigantesco presente de Deus para a humanidade reflita em mudança de conduta, em consolidação da paz nas famílias e na sociedade, na preocupação diária com o bem-estar do próximo, em capacidade de perdão, no engajamento para a construção de um mundo mais cristão. E quem há de negar que essa troca de presentes é importante para economia? Ela é boa para o vendedor da loja que ganha mais comissão, é boa para o dono da loja, para indústria que fabrica mais. Isso sem falar na deliciosa alegria das crianças. É bom pra todo mundo, não é verdade?

Na percepção contemporânea do Natal você deve espalhar felicidade ao mundo todo. Essa responsabilidade não é muito pesada para carregar sozinho?

Eu sou apenas uma figura simbólica, um personagem de ficção. Mas a responsabilidade de fazer as pessoas mais felizes é de todos, de levar o Evangelho, de trazer à memória o sacrifício do Salvador. Essa deve ser a motivação das pessoas. É muito prazeroso para mim, enquanto figura de “Papai Noel”, simbolizar uma vez ao ano momentos de alegria às pessoas, ver a energia do abraço apertado após um singelo presente trocado num amigo secreto, entre aqueles que só podem se reencontrar uma única vez ao ano, quando podem, e da incomparável alegria no olhar de uma criança ao descobrir que “se comportou” durante o ano. Desses momentos tenho orgulho sim. Mas a felicidade real das pessoas só vem do entendimento de que o Jesus veio para nos transformar e trazer a Salvação através da sua morte.

Por falar nas crianças, como fica o seu coração diante de tantos pequenos no mundo passando fome, sendo maltratados, abandonados?

Partido. É triste demais ver qualquer pessoa passando fome, sendo maltratada, mas as crianças e os idosos são mais vulneráveis, por isso nos agride mais vê-los nessas situações. A ONU aponta que o número dos que passam fome no mundo aumentou pelo terceiro ano seguido. Hoje são 821 milhões de pessoas. Aqui no Brasil, são 5 milhões de pessoas e de cada cinco que morrem, quatro são crianças.  Essa realidade é muito diferente da que eu queria.

O que é o verdadeiro espírito do Natal?

O verdadeiro significado do Natal é o amor. João 3:16-17 diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.” Essa data nos remete a história de Deus se tornando um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo. Por que Deus fez isso? Porque Ele nos ama! Por que o Natal foi necessário? Porque precisávamos de um Salvador! Por que Deus nos ama tanto? Porque Ele é o próprio amor (1 João 4:8). Por que celebramos o Natal a cada ano? Como gratidão pelo que Deus fez por nós, lembramo-nos do Seu nascimento através da troca de presentes, quando o adoramos e ao sermos especialmente conscientes dos pobres e dos menos afortunados

Qual o recado de Papai Noel para a gente?

Eu sei que você gosta dessa época fantástica do ano tanto como eu. Mas não se esqueça do que realmente precisamos fazer aqui na terra. Primeiro, uma reflexão para todas as áreas da vida é sempre bem-vinda. Então, eu pergunto: como tem sido o seu comportamento? Se Jesus Cristo estivesse no meu lugar, o que Ele faria? Se ele voltar hoje, o que vai acontecer com você? É tempo de repensar valores, de refletir sobre a vida. Tempo de amar, de escolher buscar o bem, a paz, a felicidade e de perdoar. Natal é um momento de alegria, de sorrisos sinceros e cheio de luz nos corações. Natal deveria ser todo dia. Realmente desejo que todos sintam o verdadeiro amor. Que essa data inspire a busca por harmonia em Cristo Jesus, nossa razão de existir. E que depositemos na manjedoura todos os nossos sonhos, todas as lágrimas e esperanças contidas em nossos corações. E lembrem-se, Jesus precisa nascer todos os dias. Imagina o mundo se todos os dias tivesse o espírito do verdadeiro Natal!


Leia mais

Jesus o presente de Natal – É de graça!
Natal é solidariedade, comunhão e confraternização
O natal é mesmo o nascimento de Jesus?
Devemos comemorar o Natal?

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!