É assim que dura…

O assunto começou na saída para o almoço, quando eu falava que tenho que andar na linha com a Norma, que embora seja de aparência calma também sabe me trazer na rédea curta. Acabei contando que, na noite anterior, a “jantinha” foi servida na bandeja e entregue na cama, tudo isso para aplacar a esposa. Foi aí que a Tia Cidinha, como é carinhosamente chamada a funcionária mais carismática da Universidade da Família, nos disse com sua simplicidade interiorana: “Com o Bene (seu marido), é assim também. Quando ele vê que estou nervosa, leva cafezinho na cama pra mim. É assim que dura. Já vamos para 40 anos de casados”. O sotaque dela é aquele típico do interior paulista, muito carregado mesmo, e com todas as conjugações coloquiais possíveis. Todos os presentes riram, mas eu saí pensativo e inspirado a escrever a este artigo.

O que faz um casamento durar? Não há resposta simples. Não existe uma regra de três que solucione tal equação. Livros de autoajuda não cobrem todas as variáveis.

A conversa com a Cidinha, que não durou dois minutos, despertou-me para uma atitude que se torna cada dia mais rara, mais desprezada, não pela ausência de importância ou efetividade, mas porque agora ela é démodé: A simples decisão de não impor a sua visão do certo ou do errado, mas decidir que manter o relacionamento é mais importante do que tentar convencer o outro de seu erro.

Como disse anteriormente, não existe fórmula única ou simples para fazer um casamento durar. A questão é que as pessoas já não estão a fim de levar cafezinho na bandeja para o marido ou para a esposa por quem foi contrariado. Distanciamos quando deveríamos buscar um meio qualquer de aproximação. Calamos quando a palavra deveria ser lançada para reafirmar amor e interesse. Deixamos a mente divagar pela ofensa, ruminando fatos anteriores somente com o propósito de ratificar o sentimento presente de tristeza e frustração, o que por sua vez produzirá ainda mais dor e desconfiança. Ao invés disso deveríamos renovar a nossa mente, pensando no que o Evangelho nos recomenda no momento da ofensa ou da frustração, nos esforçando ao máximo para fazer o que o Senhor nos exemplificou enquanto trazia a bacia entre os pés e a toalha na mão.

Na verdade, sem saber o quanto ela e o marido estão cheio da sabedoria de Deus, a Tia Cidinha forneceu uma grande pista do que fazer para um casamento durar: Cada vez que um marido passa por cima de seus sentimentos e faz algo para agradar sua esposa, ele está seguindo o exemplo de Cristo, que se sacrificou em favor da Igreja.  Cada vez que uma esposa encurta a distância, rompe o silêncio ou decide servir seu esposo, ela encarna o Evangelho da Cruz, perdendo para ganhar, morrendo para viver, crendo na recompensa que virá.

É assim que um casamento dura uma vida inteira…

Dinart Barradas é diretor nacional do Growing Families International e há mais de 20 anos atua na estruturação e na restauração de famílias