Dons espirituais para a Igreja

Dádivas de Deus, os dons espirituais são manifestados no meio do Corpo de Cristo para a edificação da Igreja do Senhor no mundo.

E para falar dessas intervenções sobrenaturais e, ao mesmo tempo, tão comuns e inerentes ao Cristianismo, a Comunhão inicia nesta edição uma série sobre o assunto

A ordem de Jesus aos Seus discípulos, antes de ascender aos céus, era um desafio e tanto para aqueles poucos homens que decidiram servir e seguir o Rei dos reis: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mt 28:19-20).

Evangelizar o mundo, ir a todas as nações, ensinar e batizar a humanidade. Como que 11 homens, dos mais simples e humildes daquela geração, cumpririam tão grande tarefa? Ainda mais num mundo sem telefone, sem internet, sem rede social ou WhatsApp. Como percorreriam todos os cantos, todas as vielas, ruas e avenidas, bairros e tribos, cidades e vilarejos, países e continentes?

Ciente da capacidade humana, Jesus nunca daria uma ordem que não fosse possível cumpri-la. Ele sabia que não seria na força do braço que os apóstolos conseguiriam executar tão grande tarefa. Sabia que somente através de uma capacitação espiritual e sobrenatural, Sua Igreja iria crescer e ser edificada no mundo. Foi então que revelou: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra” (At 1:8).

Além da vinda do Espírito consolador, Jesus também estava prometendo uma capacitação sobrenatural aos Seus discípulos: os dons espirituais. Listadas no livro de 1 Coríntios, capítulo 12, tais qualidades não podem ser confundidas com o fruto do Espírito (Gl 5:22-23), já que os dons são dados por Deus, seguindo tão somente a Sua soberania, enquanto o fruto é alcançado mediante a entrega pessoal de cada crente de sua vida nas mãos de Cristo. “Os dons são conferidos pelo Espírito Santo segundo a soberania de Deus para o desenvolvimento da Igreja na terra. O apóstolo Paulo fala do fim útil dos dons, que é ser útil para a igreja local. É uma escolha soberana de Deus, o que são escolhas nossas são o fruto do Espírito Santo”, afirmou o pastor batista Josué Amorim. À frente das igrejas Batista Central da Serra e Primeira Igreja Batista de Vista da Serra I, ele ressalta o caráter natural e sobrenatural dos dons. “Os dons são naturais, pois de fato existem e são notórios na igreja. Mas também são sobrenaturais porque vêm de Deus”.

Apesar de serem notáveis e presentes na igreja, há uma certa preocupação sobre o ensino dos dons espirituais. O pastor Josué Amorim disse que usa as aulas da Escola Bíblica para ensinar a membresia. O pouco conhecimento nessa área, principalmente por parte das denominações mais novas, é a preocupação do pastor José Ernesto Conti, da Igreja Presbiteriana Água Viva, do bairro Estrelinha, em Vitória. “Percebo pouco estudo, pouco conhecimento nessa área. Creio que as Igrejas históricas já procuraram fazer um estudo mais sério, porém, nem todas as Igrejas mais novas já o fizeram. E isso é preocupante”, alertou.

“Eu creio na contemporaneidade dos dons e que sempre estiveram presentes na Igreja. Talvez durante um bom tempo adormecidos, mas precisamos entender como esses dons se processam nos dias de hoje. Deus continua curando? Sim. E Ele para curar usa diversas formas, inclusive remédios e médicos”, acrescentou Conti. Na Igreja Batista Filadélfia, em Vitória, além de serem ensinados, os membros são motivados a buscar os dons espirituais para a vida em comunidade.

Há também muitos ministérios baseados nos dons de cada membro da igreja. “Cremos que os dons existem e se manifestam hoje, por isso os buscamos e os praticamos. Os dons têm um fim, que é a capacitação para testemunhar do poder de Deus. E isso representa uma grande diferença. Os dons dão o respaldo ao que se é falado e pregado”, afirmou o pastor Elmir Dell’Antonio, responsável pelo ministério de evangelismo e missões.

Ele citou um ministério como dependente exclusivamente de um dos dons: o evangelismo profético batizado de “Caça ao Tesouro”. “Pedimos a Deus para nos dar sinais, revelações, e Deus nos mostra pessoa, características, compartilha conosco situações e nos revela o que está em oculto. Aí, saímos às ruas e normalmente encontramos quem Deus nos mostrou por meio de revelação. O dom auxilia na pregação do Evangelho”, explicou o pastor.

O estudante Felipe Apolinário, de 22 anos, é prova disso. Ele faz parte do grupo de evangelismo da igreja e já viveu diversas experiências com o dom que Deus tem dado a ele. “Pela Palavra de Conhecimento que Deus tem derramado sobre nós, o evangelismo profético se torna extremamente eficiente. Nós nos reunimos, oramos, pedimos para Deus nos dar características específicas para encontrarmos alguém na rua para compartilhar uma palavra, fazer uma oração ou ajudar a pessoa em algo que Deus nos mostrar”, comentou o jovem.

O evangelismo profético é apenas um ministério criado a partir dos dons espirituais. Outros, como o de libertação e o de cura interior, também fazem parte da realidade da igreja e tem feito a diferença na vida dos membros da Filadélfia. Não só nos dias do Pentecoste, quando o Espírito Santo desceu sobre os discípulos (Atos 2), mas também nos dias de hoje, a manifestação dos dons pode ser buscada e vivenciada pela igreja, que precisa, cada vez mais, ser uma testemunha capacitada e poderosa da presença de Deus nesta geração.

Na próxima edição saberemos como a Bíblia define e apresenta o dom da palavra de sabedoria e como ele se manifesta nos dias de hoje.

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.