Daniela Araújo e seu talento de família

“A mensagem que eu tento passar através da minha vida, das minhas atitudes, é de amor. Do amor de Deus para com seus filhos”

Desde bebê o estúdio é sua casa. Filha dos cantores Jorge Araújo e Eula Paula, Daniela Araújo herdou o talento dos pais e tem garantido a admiração dos jovens através de experiências grandiosas com suas canções. Quando pequena, uniu-se aos irmãos no início de sua jornada para as apresentações da Turma do Barulho, um grupo que ministrava músicas cristãs a crianças na década de 1990. “Posso dizer que nasci dentro de um estúdio. Meus pais cantavam e produziam muitos cantores, então tudo foi muito natural para nós. Eu e meus irmãos vivíamos naquele meio, e meu pai, um dia, acho que para nos acalmar, resolveu gravar um disco infantil, e daí nasceu a Turma do Barulho. Viajávamos o Brasil inteiro com meus pais. Vivemos momentos incríveis”, relembra.

O novo projeto, o DVD ao vivo “Criador do Mundo”, distribuído pela Som Livre, foi um dos mais aguardados pelo mercado nos últimos tempos. Produzido por seu irmão, Jorginho Araújo, a intérprete relata ter contado com a parceria dos amigos, que toparam ajudar nesse álbum baseado no CD gravado em 2014. “Com esse apoio, procuramos buscar os melhores profissionais para que tivéssemos um produto simples, mas de muita qualidade. Creio que conseguimos. Além do repertório de ‘Criador do Mundo’, eu ainda consegui participações mais que especiais. O Lito Atalaia, por exemplo, abrilhantou a faixa ‘Entrega’, que inclusive, foi a primeira canção que colocamos no YouTube. Foi uma emoção muito grande poder cantar com eles novamente”, ressalta.

A primeira música de trabalho é “Faça Morada”, composta por Daniela há alguns anos e que foi regravada agora, mesmo não estando na versão em CD. “Por isso a escolhemos, para ter um diferencial nesse projeto. Eu sou suspeita para falar de canções que estão despertando interesse das pessoas nesse trabalho, mas ‘Entrega’ tem se destacado bastante. ‘Verdade’ também tem chamado bastante a atenção. Cada música tem sua história, seu momento, e creio que isso aconteça com as pessoas também. Tem dias que você precisa ouvir uma, outro dia, outra canção. Vai de acordo com o momento da vida que estamos passando”, observa.

O DVD foi gravado antes do contrato com a Som Livre, que propôs fazer a distribuição. “Eu entendi que era o momento de entregar meu trabalho para uma empresa que cuidaria dele com o carinho e o respeito que precisava. Acabamos de lançar o projeto e já estou com algumas viagens de divulgação agendadas, a música sendo distribuída pelas rádios, e estou cheia de disposição para trabalhar. Muita coisa a ser feita.” Daniela tem muitos planos para o seu ministério, que não se resume apenas a soltar a voz; ela também é uma das produtoras mais requisitadas pelos cantores cristãos na atualidade. “Já produzi vários artistas que estão aí fazendo sucesso, graças a Deus, e tenho algumas negociações em andamento. Assim que se concretizarem, eu conto. Mas eu tenho muitos planos. Sou extremamente compulsiva por compor, produzir. São muitas ideias. Agora meu foco vai ser preparar um live, que vai ser bem legal. Já estou também compondo para o meu próximo trabalho. Tem os vídeos que sempre lanço com alguma coisa nova, penso em um trabalho em espanhol, e vamos seguindo. O que Deus me mandar, eu vou fazendo.”

Cantando com estilo
A talentosa carioca tem um estilo muito próprio, como ela mesmo define, e essa característica desperta a admiração dos jovens para seu perfil arrojado, marcado pelo pop contemporâneo, sempre abordando a forma como Deus age em favor dos Seus servos. Entretanto, muitas vezes críticas surgem. “Eu sou o que sou. Claro que não podemos agradar a todos e consigo lidar bem com isso. É óbvio que não faço nada querendo ofender A ou B, mas não acredito em máscaras. Temos que ser nós mesmos e creio que Deus se agrada disso. Ele tem me abençoado muito, e a mensagem que eu tento passar através da minha vida, das minhas atitudes, é de amor. Do amor de Deus para com Seus filhos. E quando falamos de amor, nossas questões humanas acabam ficando de lado. Nós, humanos, temos nossos conflitos, nossos questionamentos, e eu não sou diferente. O que tento fazer é mostrar que Deus está muito acima de tudo isso e nos entende, nos abraça, nos perdoa e nos ensina a melhorar a cada dia mais”, destacou.

E assim ela vai conseguindo atingir os jovens em cheio e, no seu preparo para suas apresentações e composições, busca a Deus para se inspirar e fazer com que eles possam ter suas experiências com a música e a Palavra. “ Tem muitos jovens que chegam até nós dizendo que já tinham desistido de tudo e que conheceram a minha história de vida, ou ouviram uma música. É interessante saber que o trabalho que fazemos tem ajudado os jovens a sair dos conflitos que vivem. Mas isso é Deus, Ele que inspira, Ele é quem usa e Ele é quem fala através das músicas e de Sua Palavra”, opina.

Em suas lembranças, a história de uma jovem que brigou com a mãe, pediu que ela fosse embora de casa e que nunca mais voltasse. E assim a mãe fez, mesmo com toda a dor do mundo. “Ela pegou a mala e se foi e, quando a menina estava no portão, a mãe lançou um olhar triste que a fez sentir que tinha machucado de uma forma muito intensa. Assim que ouviu o portão se fechar, a filha sentiu como se um pedaço do seu coração tivesse sido arrancado, sentou na garagem de casa e chorou desesperadamente. Depois daquele dia, chorava todas as noites pela mãe, arrependida por ter falado tudo o que falou. Passaram-se duas, três semanas, um mês, e nada de a sua mãe voltar, nem ao menos uma notícia. Essa angústia só aumentava junto com a certeza de que ela não voltaria. E então, duas semanas antes do seu aniversário de 15 anos, soube da morte da mãe. A filha se sentia culpada por ter brigado, por ter falado tantas coisas horríveis e por não ter dado tempo de pedir perdão à mulher que a colocou no mundo. E carregou essa culpa durante muito tempo. Chegou a entrar em depressão e por duas vezes tentou tirar sua própria vida. Foi um processo longo e muito doloroso”, conta.

E foi através da música de Daniela que veio a libertação. “Ela começou a ir à igreja, se converteu, mas lá no fundo ainda tinha algo que a fazia retroceder, e os momentos de crise de saudades da sua mãe a faziam se sentir muito mal. Quando conheceu o meu ministério, a primeira música que ouviu foi ‘Oceans’, que gravei na viagem missionária do Impacto Sertão Livre. Então, a partir daí, procurou saber quem eu era, começou a ouvir minhas músicas. Quando ouviu ‘Liberdade’, parou para prestar atenção na letra e sentiu que Deus queria falar com ela através dessa canção, fazendo-a entender de uma vez por todas que a culpa definitivamente não era dela. São muitos os testemunhos como esse. Glória a Deus por isso”, finaliza.