Cumprindo as promessas de Ano Novo

Ed Stetzer propõe uma reflexão sobre metas de ano novo. Foto: Reprodução

O Ano Novo é talvez o único feriado que exige que seus celebrantes continuem os meses e meses das festividades depois que o dia acaba.

É o presente que o Ano Novo continua dando. Depois que todas as festas e confraternizações acabam, a maioria das pessoas não consegue deixar de começar a estabelecer metas e fazer resoluções. De fato, boa parte da população total do país faz as resoluções de Ano Novo a cada ano.

Naturalmente, o tamanho e a escala desses objetivos geralmente diferem de pessoa para pessoa. Muitos se propuseram a mudar seus orçamentos, corpos, lares ou níveis educacionais. Outros querem se concentrar no bem-estar emocional ou na construção de conexões interpessoais significativas com os outros.

Mas, independentemente da área específica de interesse, existem alguns denominadores comuns entre essas resoluções que valem a pena reconhecer.

Em primeiro lugar, todos parecem querer mais de algo específico em suas vidas. Nós nunca estamos satisfeitos.

A Statista, instituição de estatística online, realizou um estudo em 2017 sobre as resoluções de Ano Novo dos indivíduos em todo o país. Quando perguntado, 53% dos entrevistados queriam economizar mais, 24% dos entrevistados queriam viajar mais, 23% queriam ler mais livros. Outros queriam aumentar sua saúde pessoal perdendo peso, ficando em forma ou parando de fumar. Mais é um foco comum, e isso nem sempre é ruim.

Muitos de nós poderiam se beneficiar de livros, viagens ou um pouco de perda de peso. O que é mais impressionável aqui é o tema do descontentamento. Somos uma sociedade cheia de pessoas perpetuamente insatisfeitas, famintas por mais daquilo que podemos colocar em nossas mãos.

Na verdade, é um dos temas recorrentes – a falta de satisfação que tanto impulsiona o aprimoramento quanto, em última instância, prejudica os relacionamentos. Em segundo lugar, as resoluções de Ano Novo são principalmente sobre tentar mais.

Quando se trata de resoluções de Ano Novo, parece que o método que usamos para chegar ao “mais” em que estamos focados é o mesmo em todos os aspectos. Quando em dúvida, a maioria de nós assume que tentar com mais afinco é a solução para quase todos os nossos problemas.

Você está lutando com seu peso (como eu)? Tente apressar-se melhor no ginásio. Achando difícil reconfigurar esse orçamento? Trabalhe com mais diligência. Não recebendo essa promoção no trabalho que você sempre quis? Talvez você não esteja colocando bastante esforço.

O Ano Novo é, sem dúvida, o feriado favorito de todos os que tentam.

Mas a questão é que essa mentalidade “faça mais, trabalhe mais” não se tornou evidente apenas em nossa celebração de uma tradição que estabelece metas uma vez por ano. Na verdade, muitos de nós agora vivem em uma cultura que é mais focada em realizações do que qualquer outra na história recente.

Um artigo de 2015 no The Atlantic, revista americana, toma nota da “cultura difundida da realização” que assola a geração atual de estudantes universitários. Mas a peça, intitulada “The Try-Hard Generation”, aborda mais profundamente o tópico do que um jogo de acusação de nível superficial.

Não é de surpreender que nossa cultura esforçada tenha se espalhado em questões de espiritualidade. Muitos seguidores de Cristo neste dia de ano novo planejam fazer resoluções sobre a leitura da Bíblia, o tempo de oração e o trabalho ministerial. Queremos ser melhores seguidores de Cristo que levam a sério o chamado à obediência em nossas práticas diárias.

Ambições piedosas

Essas ambições, muito parecidas com as metas de perda de peso, leitura e viagem, são boas quando inseridas corretamente. Certamente, estabelecer metas para o novo ano sobre ir à igreja, orar ou ler as Escrituras com maior frequência não é uma má ideia. Precisamos reservar um tempo para devoção pessoal – os crentes têm agência e essa agência é importante em termos de nossa abordagem à nossa caminhada de fé.

Mas assuntos como esses geralmente se perdem não no planejamento, mas no estágio de aplicação.

Você vê, a mentira que tantas vezes acreditamos sobre a fé é que é algo que só nós temos o poder de nutrir. Nosso trabalho é nos aproximar de Deus. Nosso trabalho é passar tempo na Palavra com ele. É nosso trabalho orar para que não nos esqueçamos da presença do Senhor ou nos enganemos.

Deus é soberano e constantemente fornece cada passo do caminho.

Mas, o que devemos lembrar em meio às mentalidades desafiadoras e obsessivas no mundo em que vivemos é que nosso Deus é a fonte de toda mudança de vida centrada no evangelho.

Como Paulo escreve em Filipenses, Ele que começou uma boa obra em cada uma de nossas vidas é fiel em completá-la em tempo útil. O crescimento de nossa confiança e cultivo de nosso amor por ele não é algo que possamos nutrir por conta própria. Deus é soberano e constantemente fornece cada passo do caminho.

Isso não inclui apenas coisas como calendarizar seu tempo. Inclui toda a vida e nosso desejo de submeter nossa vida ao senhorio de Cristo. Na verdade, mesmo se quisermos fazer essas coisas, é Deus quem nos dá o desejo. Pois Deus está trabalhando em você, dando a você o desejo e o poder de fazer o que lhe agrada.

Trabalhe como poderíamos amá-lo mais e segui-lo melhor, nunca queremos perder o fato de que é Deus trabalhando em nós.

Para mim, vou definir metas e tomar resoluções com essa mentalidade – uma centrada no poder de Deus em nós, em vez de me esforçar mais.

Eu espero que você também, porque você pode estar satisfeito em Cristo e você pode ter mais em Cristo.

Resoluções centradas no evangelho não são todas sobre você, sua força ou seus planos. É o que faz com que tais resoluções valham a pena.

*Por Ed Stetzer. Em Christianity Today


Leia mais

A despedida de 2018! Agradecimento e reflexão

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!