Cuide da sua língua: como dizemos dificulta o que fazemos

Foto: Reprodução

Eu assisti recentemente a um debate na TV na Índia sobre conversões religiosas. Se você sabe alguma coisa sobre conversões religiosas na Índia, então você sabe que é um assunto altamente controverso, muitas vezes usado para atacar os cristãos.

Cuide da sua língua – Meia dúzia de estados indianos promulgaram leis contra as chamadas conversões “forçadas” ou “fraudulentas”, que os cristãos negam. Tem havido incidentes assustadores de linchamento de muçulmanos acusados ​​de “jihad amoroso”, uma teoria selvagem de que os muçulmanos se casam com garotas hindus para convertê-los ao islamismo. E recentemente, um proeminente ativista hindu de 78 anos foi espancado por uma multidão que alegou estar participando de uma reunião para encorajar o povo indígena da Índia a se converter ao cristianismo.

No debate na TV, porta-vozes do partido governante da Índia acusaram os cristãos de proselitismo direcionado. Como prova, eles apontaram para um site bem conhecido que lista os grupos de pessoas “não alcançados” do mundo, aqueles que ainda não ouviram o evangelho. Segundo o site, a maioria desses grupos habita na Índia e no Oriente Médio, entre os hindus, budistas e muçulmanos.

Ao falar com os líderes desses grupos religiosos, aprendi que, embora bem-intencionada, nossa linguagem missiológica comunicou o oposto do que pretendíamos. O que ouvimos como um apelo convincente para testemunhar o amor incondicional de Deus aos nossos vizinhos, eles interpretam como uma campanha para tornar uma religião dominante sobre outra. A abordagem surpreendentemente humilde de Paulo para “tornar todas as coisas para todas as pessoas” é prejudicada quando as pessoas se vêem como “alvos” de organizações estrangeiras.

Parte da confusão decorre do fato de que a igreja desenvolveu sua linguagem missiológica há mais de 50 anos, quando o Ocidente surgiu como uma potência política e econômica e antes do advento da internet. Destinado ao uso interno da igreja, a linguagem se tornou pública e, como tal, precisamos vê-la à luz daqueles que a estão ouvindo agora.

Aqui estão alguns dos termos que a igreja deveria reconsiderar em sua linguagem missiológica:

  1. Não Alcançados

Quando dizemos que as pessoas são “não alcançadas”, queremos dizer que o evangelho não está imediatamente acessível a elas. Talvez a Bíblia não tenha sido traduzida para a língua deles, ou há tão poucos cristãos que o evangelho não foi pregado para a população maior. Isto é o que queremos dizer com ‘não alcançados’, mas o que eles ouvem é que eles não são alcançados por Deus.

“O Ocidente tem mais de Deus do que nós?” é uma das perguntas que eu ouvi. A resposta é, obviamente, não. É óbvio que partes da Europa e das Américas poderiam ser consideradas como não alcançadas, dado o recente aumento acentuado dos religiosos não filiados.

Devemos lembrar que, embora Deus trabalhe através da igreja, ele não está ligado a ela. Jesus disse que o Espírito é como o vento – ele vai para onde quiser. Existem inúmeras histórias de pessoas de países “não alcançados” que tiveram visões, sonhos e curas sobrenaturais que os levaram a Jesus. Só porque não há uma forte presença cristã em um país, isso não significa que Deus não esteja presente. Não há um lugar que não seja alcançado por Deus.

  1. Grupos de pessoas

Até hoje as pessoas têm dificuldade em entender por que há tanta tensão étnica em lugares como a África, o Oriente Médio e o Sul da Ásia. É porque as pessoas têm múltiplas identidades culturais, étnicas e tribais.

Tomemos por exemplo o chamado grupo de pessoas Bhojpuri do norte da Índia – 150 milhões de pessoas agrupadas porque compartilham a língua Bhojpuri. Mas dentro da maior população de Bhojpuri existem Bihari Bhojpuri e Uttar Pradesh Bhojpuri que se vêem distintos um do outro. Além disso, existem castas dentro do grupo Bhojpuri, incluindo os Dalits. Um brâmane Bhojpuri de Bihar pode se casar com um brâmane Bhojpuri de Uttar Pradesh, mas não se casará com um Bhojpuri Dalit ou uma casta baixa. E quando se trata de linguagem, eles lêem e escrevem em hindi, mesmo enquanto mantêm sua língua materna.

Não existe uma identidade unificada de casta Bhojpuri e, neste mundo como um todo,  a cultura não se encaixa em definições antropológicas lineares.

  1. Direcionamento

A segmentação pode ser um conceito simples e comercial para os cristãos no Ocidente, mas para pessoas que há menos de um século estavam sob o domínio colonial, o termo traz lembranças de conquistas religiosas e políticas.

Desta terminologia surgiu a noção de alcançar uma nação inteira para Jesus, mas nunca houve uma nação que fosse totalmente cristã. Mesmo quando Constantino declarou o cristianismo como a fé oficial do Império Romano no quarto século, os cristãos constituíam não mais do que um quarto de toda a população.

O próprio Jesus ensinou que a maioria das pessoas acharia seus ensinamentos difíceis, e apenas alguns o seguiriam e encontrariam o “caminho estreito” para seu Reino (Mateus 7: 13-14).

  1. Conversão

Quando se trata de conversão, tendemos a pensar em termos individuais – uma decisão pessoal de fé. No entanto, nas sociedades coletivas, aonde o senso de identidade das pessoas vem de suas comunidades, a conversão assume um tom político. Isso pode significar que você está se voltando contra sua cultura local, nação ou família. Em países como a Índia, a segmentação por conversão evoca memórias de subjugação colonial.

‘Regeneração’ é uma palavra melhor para descrever a experiência de salvar a fé em Jesus através do Espírito Santo. Captura a ideia de vir a uma nova vida em Jesus sem necessariamente implicar que você está se voltando contra sua cultura ou herança.

Conclusão: Chamado de fazer discípulos

Mahatma Gandhi – o pai da Índia moderna – disse certa vez: “Eu gosto do seu Cristo, não gosto dos seus cristãos”. Gandhi estava enamorado de Jesus e de seus ensinamentos, mas um encontro azedo com um pregador de rua que estava denegrindo o hinduísmo deixou-o com um gosto ruim em sua boca para com os cristãos.

Precisamos lembrar que Jesus nos chamou para o processo de longo prazo de fazer discípulos, que é a transformação de nossas vidas na pessoa de Jesus. É importante como pregamos o evangelho. Nossa linguagem missiológica precisa refletir Jesus. Se não tivermos cuidado, isso pode se tornar um grande obstáculo para o testemunho de Jesus. Como Pedro nos exorta: “Esteja sempre preparado para dar uma resposta a todos que lhe pedirem a razão da esperança que você tem. Mas faça isso com gentileza e respeito … ‘(1 Pedro 3:15).

Rev. Joseph D’Souza da Igreja Bom Pastor da Índia-anglicana. Christianity Today.


Leia mais

Portas Abertas – 40 anos fazendo Missões
Igreja se fortalece na Índia mesmo com perseguição

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!