Nosso mundo já não suporta mais

Converte-nos a ti Senhor e seremos convertidos

Nem bem nos recuperamos do que aconteceu em Las Vegas, onde um aposentado de 64 anos, um homem sem antecedentes criminais relevantes, simplesmente ocupou o 32º andar de uns hotéis mais famosos do mundo, o Mandalay Bay, e saiu atirando a esmo contra uma multidão, matando dezenas de pessoas e ferindo centenas delas.

Ainda nem tínhamos despertado desse pesadelo e fomos tomados de assalto novamente. Dessa vez por um homem trabalhador que causou a própria morte, a de mais nove crianças e uma professora, além de ferir mais outras 15 pessoas, ateando fogo na escola em que trabalhava, após uma conversa com a diretora.

Aí eu e você ficamos nos perguntamos: “O que está acontecendo com o nosso mundo? O que está acontecendo com as pessoas?” Me lembro do que está escrito em Lamentações 5, onde o povo de Israel, em tremendo desespero, clama a Deus dizendo: “Senhor, falta pão, falta água, até a lenha para cozinhar precisamos pagar por ela. Como se os nossos inimigos estivessem sobre os nossos pescoços. Estamos exaustos, com o perigo da própria vida para ganharmos o pão.”

É mais ou menos o que acontece não apenas nas grandes cidades como Rio e São Paulo, em qualquer lugar do mundo e temos ideia de que em outros lugares é mais seguro, enquanto aqui estamos entregues ao “Deus Dará”. Mas não é bem assim. Nosso mundo já não suporta mais.

Na verdade essas são talvez as dores do parto que a Bíblia se refere. Estamos em um tempo em que os nossos limites estão sendo testados, a capacidade de suportar do homem está sendo levada ao extremo. Pessoas que até então tinham um comportamento normal, agem em desespero profundo, de forma inexplicável. E o mundo está de fato um lugar difícil para se viver.

O que vamos esperar dos próximos dias, meses e anos, quando não se pode confiar na segurança, quando não se pode confiar em quem governa, quando não se pode confiar em um vizinho, nem mesmo em quem mora dentro da nossa casa? Não se pode confiar nas pessoas que são líderes espirituais, não se pode confiar no patrão, nem no empregado, nem mesmo no motorista que nos conduz até o trabalho. Enfim, vivemos num mundo onde parece que estamos isolados. Como alguém me disse hoje, conversando pelo WhatsApp, “é como se eu estivesse sozinho nessa estrada”.

O povo de Israel em Lamentações, vivendo o auge do cativeiro na Babilônia, entregue aos piores opressores, talvez piores até mesmo que o próprio Faraó. As pessoas lamentam, choram, contam suas dores. Já não temos mais alegria no nosso coração, a nossa dança virou lamentação, a coroa caiu da nossa cabeça. E tudo isso porque pecamos. É a sentença de Lamentações 5:16.

É por isso que o nosso coração caiu doente; é por isso que nossos olhos escureceram; é por isso que o Monte Sião está assolado, entregue às raposas. Mas, esse mesmo capítulo de Lamentações fala que Deus continua reinando eternamente, que o trono dele subsiste de geração em geração. E reconhecendo que aonde Deus está é diferente de onde estamos, que aonde o reino de Deus está estabelecido é diferente do reino que vivemos, que o trono e o reino de Deus subsistem há uma atmosfera diferente de onde é o reino dos homens, é o trono dos homens, eles perguntam: Por que te esqueceria de nós para sempre? Por que o Senhor nos desampararia por tanto tempo?

Quando o texto diz que tudo isso acontece porque pecamos, precisamos reconhecer que as dores as nossas mazelas e as tragédias do nosso tempo ocorrem porque nos distanciamos de Deus. Cada vez que o homem pega um princípio da Palavra de Deus e o rejeita, faz de conta que isso não acontece, é pecado, afasta o homem e a sociedade de Deus. E é por isso que tudo está desmoronando a nossa volta.

E ao final deste Capítulo, há uma expressão que me desperta um sentimento de não saber como explicar a Palavra escrita. Porque o tempo todo ouvimos assim: “precisamos nos converter, nos voltar a Deus, precisamos nos arrepender, mudar os nossos caminhos”. Ao final desse capítulo, quando parece que já não resta mais nenhuma esperança, o povo clama a Deus dizendo: “Se o Senhor não nos converter a ti, não seremos convertidos. Se o Senhor não fizer alguma coisa, não agir, não haverá esperança para nós”.

Mas em Malaquias 5 21 diz: converte-nos a ti Senhor e seremos convertidos. É como se o povo dissesse: “se o Senhor não fizer alguma coisa em nós, nem forças temos para nos converter, não restam energia nem força para nos voltar ao Senhor.

Eu creio que está chegando o tempo de uma intervenção de Deus, o tempo de Deus para fazer alguma coisa para que nós nos convertamos a ele. Está chegando o tempo em que Deus estendeu Sua mão como fez no Egito – a Bíblia diz que Deus desceu com mão forte. Da mesma forma que fez na Babilônia, quando Ele mesmo tirou o povo que estava no cativeiro; e como fez no dia da profecia da vinda de Cristo, no seu nascimento, por meio de Maria, aqueles que estavam em trevas, viram uma maravilhosa luz.

Deus irá voltar os Seus olhos sobre nós. Porque essa dor, esse choro, essa tristeza, essa angústia, essa morte de todo dia, morte do inocente, morte da criança, do jovem, da grávida; esses maus-tratos com idosos, com a mulher, com o trabalhador; isso não pode continuar por muito mais tempo.

Vamos voltar à Palavra de Deus e saber que está próximo o tempo do fim. O nosso Salvador, o nosso Redentor vive e irá se levantar sobre a terra. Um dia, todas essas mazelas serão lembranças, parte de um passado. Mas, o futuro para aqueles que creem está reservado da Redenção que Deus preparou em Cristo Jesus para aqueles que nele creem.

Portanto, creio que para esse tempo, para nossa humanidade, nossa esperança reside e repousa unicamente em reconhecer o nosso estado doentio, nosso estado de Pecado, de trevas. E reconhecer que só Deus pode nos converter, elevar-nos de volta, para ele estabelecer o Reino em nossa vida, em nossa família, em nossa comunidade. E esperando em Cristo o dia que o reino dele se restabelecerá na terra.