As polêmicas de Silas Malafaia em pauta

Polêmico por natureza, o pastor Silas Malafaia é conhecido no Brasil inteiro por bater de frente com o movimento gay para a manutenção da família tradicional e não abre mão daquilo pensa, doa a quem doer.

Agora, tem batalhado para impedir que o Ministério da Educação insira no Plano Nacional de Educação (PNE) a ideologia de gênero, que determina ausência de sexo desde o nascimento da criança até sua decisão sobre por qual deles “optar” (feminino ou masculino). À frente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro, Malafaia é pastor de mais de 50 mil membros. Em comemoração aos 18 anos da Revista Comunhão, ele concedeu uma entrevista em que fala sobre diversos assuntos.

Hoje o senhor é reconhecido nacionalmente, talvez seja o pastor mais conhecido do país. Considera-se um porta-voz dos evangélicos no Brasil?
Eu não me considero o porta-voz dos evangélicos. Me considero uma das vozes, não sou a única, não tenho essa presunção, mas eu me considero uma voz profética, apologética, uma voz em defesa da nossa fé. Eu acredito que sou um deles, não sou o único, mas sou um deles.

O MEC está querendo implementar a ideologia de gênero nas escolas. O que exatamente vai acontecer se esse projeto for aprovado? O que o senhor e outros pastores do Brasil têm feito para evitar que essa proposta continue?
A ideologia de gênero foi rejeitada pelo Congresso Nacional, para retirada do Plano Nacional de Educação (PNE). Estão fazendo “forçação” de barra. O Ministério da Educação fez isso junto às Secretarias para incluir no PNE. Eu fico rindo, porque as pessoas dizem que eu quero impedir o amor, que sou contra beijo gay, isso e aquilo. Eu não estou aqui para impedir ninguém das práticas sexuais que tenham como preferência. Isso é uma cortina de fumaça. O que está em jogo é uma ideologia. Eles querem ensinar o homossexualismo às crianças. A criança não sabe discernir entre ordenança, informação e sugestão. Não existe prova de que alguém nasce homossexual, quem pode dizer isso é a biologia genética, mas não tem prova. A verdade é que o homossexualismo é um vício contra a natureza, é um comportamento. Com ideologia de gênero, eles querem dizer que, assim que vem ao mundo, o ser humano não tem definição de sexo. Vai dizer: olha nasceu aí. É menino ou menina? Nasceu alguma coisa que eu não sei, que ainda vai ser. Eles querem dizer que a definição de masculino e feminino vem com a questão social. Isso é conversa! A criança quando nasce tem uma predisposição para herdar características do sexo que veio. Essa é a prova da ciência. Então, essa história de ideologia de gênero, no fim das contas, é para destroçar a família tradicional. O que eles não falam, porque não interessa, porque assusta a sociedade, é que na verdade a ideologia de gênero é para deixar o cara livre na preferência que ele quiser da sexualidade: pai com filho, irmão com irmão, tem incesto, bestialidade, tem tudo. Eles só não falam, porque ainda assusta a sociedade. Então eles vêm pelo caminho daquilo que ainda é tolerado. Ideologia de gênero não é uma brincadeirinha, não! É algo construído para destroçar a família tradicional. Isso vem de Karl Marx (filósofo considerado o pai do comunismo). Esse negócio é antigo, porque ele descobriu que a família era o único reduto de poder contra o Estado. Então, destroça-se uma família para produzir uma massa de informes para uma elite política dominada. E as esquerdas, que eu chamo de esquerdopatas, observaram que isso é uma boa coisa para seus interesses políticos. Então usam a questão do homossexualismo com essa bandeira que interessa ao viés político delas.

E o que tem de profético nisso, pastor?
Foi o que Jesus falou: como nos dias de Noé, nos últimos tempos seriam dias de depravação moral. É o que estamos vendo aí, é fim dos tempos, sinais da volta de Cristo. Agora, não é porque é um sinal que nós vamos cruzar os braços. Então, se fosse assim, nós não íamos combater o pecado, há uma multiplicação do pecado, da iniquidade. Isso aí é uma questão do propósito de Deus, mas não significa que tenho que cruzar os braços e aceitar. Ele diz que são sinais, então é um sinal, mas temos que combater.

Há um novo modelo de família pregado pelo meio secular,com casais homossexuais criando filhos. O que dizer disso?
Não conheço esse tipo de família. Eu conheço estudos que já existem que trazem os resultados sobre pessoas que chegaram à idade adulta criadas por casais homossexuais. Em todo o campo da química, da física e da sociologia que se reverte o curso natural das coisas, se prepare para o desastre. Essa que é a grande verdade. Não existe essa. Ser humano não foi feito para ser criado por dois homens ou duas mulheres. Ele precisa da figura materna e da paterna ou alguém que substitua essas duas figuras. Entre as consequências está uma lista monstruosa. Um cientista americano, da Universidade do Texas, doutor Mark Regenerus, preparou o mais completo estudo sobre filhos criados por casais homossexuais, e o movimento gay caiu de pancada em cima dele. Na Comissão do Estatuto da Família falei muito sobre ele. Ele mostra que pessoas criadas por eles, os gays, são 11 vezes mais propensas a serem violadas sexualmente, fora a possibilidade maior de se envolver com alcoolismo. São consequências catastróficas, e isso não é para agora, daqui a 20 ou 30 anos vamos ver os resultados disso.

Acredita que existe um movimento heterofóbico e cristofóbico nos dias de hoje?
Eu acredito no movimento cristofóbico. É só ver como esses que defendem a causa e a agenda gay se levantam com força contra a ideologia cristã.

Não acha que a forma como é visto pelos gays pode afastá-los do Evangelho?
Quem fala isso é ignorante e está por fora. O que nossas igrejas são procuradas por homossexuais, eu fico bobo de ver. Tenho mandado gente para o grupo Movimento Pela Sexualidade Sadia (Moses), que trabalha com quem quer buscar reorientação da sua sexualidade. Mando gente que vai à minha igreja e quer aprender a lidar com isso. Isso é tudo falácia, é conversa. Então não vamos falar sobre adultério, porque o adúltero vai correr da igreja; não vamos falar contra a bebida, porque quem é dependente vai correr da igreja. Isso é tudo falácia para tentar nos calar. E o nosso meio é cheio de inocentes úteis, que não conhecem nada, que se acovardam e que se escondem atrás disso, porque não querem o confronto de ideias e da fé, para não pegar mal, para não ser politicamente errado.

Vimos os cristãos abolirem a novela “Babilônia”, e houve queda da audiência por conta disso. No entanto, a influência da TV entre os cristãos ainda é muito grande. O senhor sempre fala da necessidade de a programação não ofender a família, mas como mostrar para o cristão que ele precisa fazer boas escolhas para manter o lar?
Isso é um conjunto de coisas, não é só por isso. A pressão dos cristãos, o início da novela, que chocou com duas senhoras se beijando, o enredo, que é malfeito, contribuíram para o péssimo desempenho da novela, não é só nossa posição. Senão, agora, qualquer coisa que a gente fizer vai cair nas nossas costas. Nós colaboramos, mas não é só isso. Eles também erraram, mas isso mostrou que os cristãos, não só evangélicos, se posicionam na sociedade.
Mas hoje ninguém tem o domínio do império da comunicação depois das redes sociais. A internet acabou com isso. Antigamente, você ficava com medo da primeira página de um jornal ou da televisão. Hoje, as editorias de jornais, da imprensa escrita e televisionada, pautam notícias através da internet. Então, o que tem pressão das redes sociais causa medo nas pessoas. Mas ainda não acho que os cristãos estão mudando suas escolhas. Eu ainda quero ver por mais um tempo. Eu lamento profundamente como o mundo tem ditado as normas de procedimento do povo de Deus. É uma coisa chocante; sabe que é errado, sabe que contamina, mas está lá dentro da casa dele.

Sobre a polêmica com o jornalista Ricardo Boechat e tudo o que falou contra o senhor, como está essa situação e até onde o senhor deve levar o caso?
Eu estou processando ele, e vou ganhar, porque ele é reincidente, ele tem vários processos. E eu vou ganhar, não vai ter conversa, não tem colher de chá, não. O que aconteceu foi que ele chegou à rádio, em alto e bom som, e disse: “É, minha gente, existem certas igrejas e pastores neopentecostais que incitam a violência”. Aí eu falei: “Como é que é? Isso é uma afronta! Quem é esse cara? Um ateu que nunca entrou numa igreja”. Aí eu disse no meu programa: “Ô Boechat, deixa de ser idiota, de estar falando asneira. Você não conhece a Igreja Evangélica”. Aí ele veio, me xingou, me difamou, me caluniou, fez uma esculhambação total. Então, ele é reincidente, já é contumaz com isso. Juntei toda a documentação, e ele vai ver o que é bom para tosse! Não tem conversa, não. Vai ser processado sem pena e sem dó. Eu posso usar de misericórdia ou de justiça, está no meu poder decidir. Às vezes eu uso de misericórdia, deixo para lá, mas tem vezes que precisamos usar de justiça para o cara entender que a gente é cidadão. Vou fazer igual a Paulo: eu sou cidadão romano,não é assim, não.

O senhor já falou que é contra o divórcio, mas já celebrou casamento de pessoas que subiram ao altar pela segunda vez. Em que situações o segundo casamento é aceito?
O divórcio, Deus concedeu pela dureza do coração do homem. Eu vejo na igreja gente se divorciar, porque sou pastor de mais de 50 mil membros, mas nunca ninguém vai ouvir uma palavra de apoio ao divórcio por mim. Eu vou tentar até a última instância. Aí ele veio, me xingou, me difamou, me caluniou, fez uma esculhambação total. Então, ele é reincidente, já é contumaz com isso. Juntei toda a documentação, e ele vai ver o que é bom para tosse! Não tem conversa, não. Vai ser processado sem pena e sem dó. Eu posso usar de misericórdia ou de justiça, está no meu poder decidir. Às vezes eu uso de misericórdia, deixo para lá, mas tem vezes que precisamos usar de justiça para o cara entender que a gente é cidadão. Vou fazer igual a Paulo: eu sou cidadão romano, não é assim, não.

O senhor já falou que é contra o divórcio, mas já celebrou casamento de pessoas que subiram ao altar pela segunda vez. Em que situações o segundo casamento é aceito?
O divórcio, Deus concedeu pela dureza do coração do homem. Eu vejo na igreja gente se divorciar, porque sou pastor de mais de 50 mil membros, mas nunca ninguém vai ouvir uma palavra de apoio ao divórcio por mim. Eu vou tentar até a última instância.
A obediência é um princípio que Deus exige para o homem ter relacionamento com Ele e alcançar a vida eterna. Não diz que é para todos que Ele determinou, é para quem obedece. Salvação é para obediente e não para predestinado.

E o que o senhor tem a dizer da escolha de Paulo?
Nesse caso, está falando de uma escolha ministerial, é diferente. Não é escolha de salvação. Jeremias fala que foi escolhido desde o ventre de sua mãe. Em Efésios 4:11, Deus escolhe com quem Ele quer trabalhar. É soberania dEle escolher com quem trabalhar; dá à Igreja pastores, apóstolos, mestres e evangelistas. Está falando de ministério. e não de Salvação. Paulo foi escolhido para um trabalho, uma grande obra. Não está falando de salvação.

O que é blasfemar contra o Espírito Santo? Por que existe pouca abordagem sobre esse assunto nas igrejas?
Tem muita discussão teológica sobre isso. Blasfemar quer dizer que não tem perdão. É que o Espírito Santo convence o homem do pecado e do juízo; significa que quem negar Jesus não tem salvação. Então, qual é o pecado que não tem salvação? É negar Jesus. Então, negou Jesus, não tem salvação. Ou seja, blasfemar contra o Espírito Santo é negar Jesus. A ignorância é uma desgraça. Deus fala: “Meu povo foi destruído porque lhe faltou conhecimento”. Então, falta conhecimento das pessoas, e o cara tem o achólogo teológico, ele acha e fica querendo dificultar as coisas.

 

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.