Choro e alegria – Qual a sua motivação?

A vida cristã é uma caminhada de aprendizado diário.

Estava eu à espera da chamada do vôo para voltar para casa depois de participar em um encontro. Enquanto isso, sentada e pensativa veio-me à mente o versículo de Romanos 12.15 “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram”. E eu mesma me fiz a pergunta: quando é que eu choro com o choro do outro? E quando é que me alegro com as vitórias e alegrias do outro?

Em casa e com calma, abri o texto de Romanos e percebi que o versículo está inserido num contexto de prática de justiça na sociedade e a postura do cristão no mundo em que vive. O apóstolo Paulo não economiza palavras e expressões começando o texto com “rogo-vos…” e continua chamando a nossa atenção para uma vida de relacionamentos que seja marca diferencial do cristão no mundo secularizado em que vive.

Começa com o relacionamento conosco mesmas, passa para a igreja e depois vai para a sociedade. Sempre relacionamentos. Se não estou de bem comigo mesma, terei dificuldades com os meus irmãos na igreja e, consequentemente, com as pessoas de fora desse círculo. Lembrei-me do conselho de Jesus ao jovem – “…amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo…”. O apóstolo Paulo, nesse texto de Romanos, cita o mesmo princípio de trás para frente. Aliás, vale a pena ler, com calma, o capitulo 12 de Romanos. É puro manual de relacionamentos. Não tem como escapar.

Em nossos relacionamentos temos momentos de alegria e momentos de tristeza. Como dói na alma quando um casal amigo se divorcia, ou um dos seus cônjuges falece, ou um filho de um amigo entra por caminhos perigosos, ou um parceiro de trabalho perde o emprego e tantos outros motivos. Choramos juntos. Algumas pessoas, literalmente. Outras, com gestos e palavras de consolo demonstrando toda a sua dor naquele momento. Não aconteceu nada comigo, mas com o outro e o sentimento que tenho é como se fosse comigo ou com os meus queridos. Esse é o “chorar com os que choram”. É a empatia. É a dor no coração pelo outro.

Também temos momentos quando o nosso coração explode de alegria com a formatura do filho de uma amiga que lutou e muito para esse momento, com o nascimento de um bebê tão desejado e esperado por um casal que conhecemos, com o casamento do filho de uma pessoa amiga e tantos outros motivos. É muito bom sentir a alegria e a vitória de pessoas que conhecemos. Como eu vibro quando uma pessoa consegue concretizar seus sonhos acalentados durante anos. E como lamento as dificuldades e a dor que passam outros. Sinto como se fosse comigo.

No entanto, em minha caminhada cristã, tenho percebido que alguns invertem os termos. Quantas pessoas “choram com os que se alegram” porque sentem uma tremenda inveja pelo que o outro tem. Não conseguem se conter diante das vitórias e conquistas de uma pessoa conhecida ou mesmo, amiga. Às vezes, dissimulam dizendo algumas palavras “agradáveis”, mas no fundo estão morrendo de inveja e se perguntando “por que isso não vem para mim”? “por que só com ela ou com ele?” “Deus esqueceu que eu existo” e daí por diante. A inveja não deve ter lugar no coração de uma pessoa que se diz salva por Jesus Cristo e tem compromisso de vida cristã. Ao invejar coisas ou pessoas o seu coração vai se definhando e você acaba perdendo a alegria da vida porque está sempre ocupada em procurar saber o que o outro tem ou conquistou para ficar embalando um perverso sentimento de autodestruição que se chama inveja. Corra dela e aprenda a “alegrar-se com os que se alegram”, mas com sentimento real, sem hipocrisia, sem falsidade.

Outros, se alegram com os que choram num sentimento de vaidade, de onipotência de querer ser o primeiro e o melhor. Conseguem ter uma postura de “santidade”, mas o seu coração não consegue ver a dor do outro. Ou quando vê, dá uma justificativa dizendo “é um preguiçoso”, “ não teve sorte”, “nada dá certo para ele, mas…” e outras palavras que só vem demonstrar uma pessoa fria, vaidosa, e muitas vezes, vingativa, que não sente com o outro e, pior, se alegra porque a outra vai mal e ele está bem, afinal, ela é ela. Não é isso que vemos com alguns de nossos conhecidos e, infelizmente, alguns irmãos?

A vida cristã é uma caminhada de aprendizado diário. O manual é a Bíblia com todas as orientações necessárias e que temos acesso a qualquer hora. Portanto, o desafio é “alegrar-nos com os que se alegram e chorar com os que choram”, porque assim, estaremos não só nos identificando como seres humanos, mas seguindo os ensinamentos de Jesus Cristo. Tanto uma atitude quanto outra  nos desafiam. Sem inveja, sem vaidade, sem vingança, mas “tendo o mesmo sentimento uns para com os outros” (v.16)

Choro e alegria, qual é a sua motivação? Quando você chora com alguém está realmente chorando com amor, sentindo a dor do outro ou com raiva porque ele conseguiu o que você tanto desejava? Quando você se alegra está junto com as vitórias do outro ou rindo de sua desgraça? Qual a sua real motivação para chorar ou para se alegrar? Pense nisso.


Nancy Gonçalves Dusilek – Membro da Cadeira 08 da Academia Evangélica de Letras do Brasil

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!