Brumadinho e a tragédia

Isac Nóbrega/PR

Sob qualquer ótica, não conseguimos enxergar o acidente de Brumadinho (MG) de maneira natural ou sem que a emoção estrangule nossa garganta


Se de um lado mais de 350 vidas foram perdidas em questão de segundos, de outro houve pessoas sendo resgatadas de forma inexplicável.

Foi essa situação que levou um amigo me perguntar: por que Deus permitiu que muitos fossem mortos sem qualquer explicação e tantos outros fossem salvos?

Humanamente falando, não há como responder a essas indagações. Somos limitados, vemos em parte e não sabemos por que, no mesmo local, enfrentando as mesmas circunstâncias, uns não conseguem sobreviver, enquanto outros permanecem vivos.

Mas se você olhar com calma, isso acontece todos os dias com cada um de nós. Quantas pessoas morrem ao atravessar uma rua, e nós não? Por que uns morrem ao ir à praia, e muitos outros não? A vida é assim, e a morte também.

Entretanto, a maior tragédia não é viver ou morrer, mas sim não estar pronto nem para se manter vivo nem para enfrentar a morte.

Sempre que vou a um velório, fico com a impressão de que cada vez mais estamos despreparados para enfrentar a morte, seja prematura, seja tardia.

A pergunta de Cristo (Lc 12:20) “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” parece que ainda permanece sem resposta, sem sentido pra muitos cristãos. Isso sim é a maior tragédia para o ser humano.


Leia mais
“O tempo agora é de refletir Jesus em nossas ações”

Compartilhe

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!