BBB: é só uma espiadinha

A Rede Globo iniciou a 10ª edição do Big Brother Brasil (BBB). E, para manter a audiência, cada edição precisa ser mais “agressiva” que a anterior. Apesar de esta edição ter uma doutora em lingüística, uma empresária, uma dentista, um advogado, um engenheiro, uma repórter e até uma policial, ninguém assiste o BBB esperando ver algo interessante ou inteligente. O maior apelo do programa é sexual.

Então, qual é a lógica? Escolher um monte de mulheres bonitas e atraentes e colocá-las junto a um monte de homens que talvez chamem mais a atenção por sua androginia do que por seus dotes intelectuais, mas que arrepiem os cabelos da mulherada (no bom sentido).
Já que o negócio é sexo, não é preciso ser psicólogo para verificar que já nos primeiros movimentos os “machos” querem demarcar seu território e escolher suas “fêmeas”. Estas, talvez por instinto animalesco, não se importam com a beleza do macho, mas buscam proteção. Aos mais fortes e às escolhidas, tudo é permitido dentro da casa – ou seria jaula?
Mas este script já está velho e conhecido. Algo novo precisa ser acrescentado. Que fez a emissora nesta 10ª edição? Colocou de um lado três participantes (ou seriam mais?) homossexuais, e no outro lado uma dançarina noturna. Nem Nostradamus conseguiria prever no que isso vai dar.
Sem querer ser adivinho, nem profetizar, apenas imagino o resultado. Pelo próprio retrospecto da emissora, sabemos que ela dará toda a ênfase para os participantes “coloridos”. De forma aberta e despreocupada, tentará chocar os alicerces familiares e, diretamente, os padrões bíblicos. Infestará toda a sua programação com flashes de cenas em que os participantes, de alguma maneira, agridam a forma como a “sociedade” pensa e se comporta. Incentivará que jovens não achem nada demais em ser uma drag – pelo contrário, ser drag será prova de autenticidade pessoal. De que não devemos dar a mínima para a opinião dos outros (inclusive dos pais). O que vale é você ser o que quer. Como prova, trarão renomados estudiosos do comportamento humano que, usando palavras acadêmicas, tentarão convencê-lo de que você tem um estúpido preconceito minimalista se não concordar com eles. Em outras palavras: seu (pré) conceito cristão o deixou tapado!
É obvio que o combustível de tudo isso será o sexo, de preferência o mais agressivo possível. Beijo de mulher com mulher, de homem com homem (que já aconteceu), já não aumentam o Ibope. Vão preferir algo mais arrojado! (Nego-me a imaginar.)
Não “bloguem” nem mandem scraps para a emissora do plim-plim. Isso só a incentivará a ampliar a sodomia. Isso só alimentará o ego, a satisfação em ver todo o país falando e comentando suas aberrações. Se possível, ignorem, não comentem, não gastem seu tempo analisando ou mesmo reclamando.
Também não pensem que estamos no fim do mundo. Jesus mesmo disse que isso é só o principio. Precisamos estar preparados para coisas piores daqui para a frente, não só por parte do nosso inimigo, mas também da parte de dentro. É a igreja quem vai apostatar. Achará fé na Terra Cristo quando voltar?
É hora de o verdadeiro cristão dar um passo à frente, dizer que está preparado para carregar a cruz, pagar o preço de ser cristão, fazer diferença no meio em que vive e incomodar os pecadores. Não importa quantos BBBs tenhamos, não importa se tem festa no inferno: o inimigo já está amarrado. Eles não nos resistirão.

Compartilhe