MG – Barragens terão que ser eliminadas

Foto PR

A Secretaria de Meio Ambiente do Estado determinou que as estruturas deverão deixar de realizar contenção de rejeitos.Vale anunciou que vai reduzir a produção de minério de ferro e pelotas.

Nesta quinta (31) a Secretaria de Meio Ambiente de Minas Gerais determinou a descaracterização das barragens construídas no estado pelo método de alteamento a montante, que é o mesmo usado nas barragens responsáveis pelas tragédias de Brumadinho e Mariana.

De acordo com especialistas, o método é considerado menos seguro por conta dos riscos de acidentes.

A determinação foi publicada no Diário Oficial. As empresas responsáveis terão 360 dias para apresentar a tecnologia a ser adotada e o plano de trabalho com cronograma. A partir daí, terão dois anos para implantar essa nova tecnologia.

Em todo o estado existem 50 barragens por alteamento a montante. Desse total, 27 estão em operação, 22 paralisadas, além da que rompeu em Brumadinho. Pela determinação, as estruturas deverão deixar de possuir características de barragem, ou seja, deixar de realizar contenção de rejeitos, sendo destinadas a outra finalidade.

Barragens:

  • Ouro Preto: 10
  • Itabira: 8
  • Itatiaiuçu: 6
  • Itabirito: 4
  • Nova Lima: 4
  • Brumadinho: 3
  • Rio Acima: 3
  • Igarapé: 2
  • Mariana: 2
  • Nazareno: 2
  • Barão de Cocais: 1
  • Caeté: 1
  • Congonhas: 1
  • Fortaleza de Minas: 1
  • Itapecerica: 1
  • São Tiago: 1
Outro lado

Em reunião com os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e do Meio Ambiente, Ricardos Salles, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, anunciou que a empresa vai acabar com dez barragens, como a que se rompeu em Brumadinho. Segundo ele, essas barragens serão descomissionadas. Todas localizadas em Minas Gerais.

Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

“É a resposta cabal e à altura da enorme tragédia que tivemos em Brumadinho. Este plano foi produzido três a quatro dias após o acidente.

A decisão da companhia é que não podemos mais conviver com esse tipo de barragem.

Tomamos a decisão de acabar com todas as barragens a montante”, ressaltou o executivo.

O presidente da Vale disse que o projeto para descomissionar as barragens está pronto e será levado para os órgãos federais e estaduais em 45 dias. Segundo ele, o prazo para executar as ações é de no mínimo um ano e no máximo 3 anos. Os trabalhos devem ter início dois meses após a expedição das licenças. A Vale estima que serão aplicados cerca de R$ 5 bilhões para efetivar o plano.

*Com informações das agências


Leia mais

Plano de contingência para caso de novos rompimentos
Presos engenheiros que atestavam segurança na barragem
Barragem da Vale rompe em Minas Gerais

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!