A audácia de Maria

As mulheres de hoje estão lutando contra as barreiras para compartilhar Jesus, enquanto fazem a mesma pergunta que Maria fez – “Por quê?

Eu passei um tempo refletindo sobre Maria no Evangelho de Lucas este advento, eu estava continuamente levou às lágrimas de uma forma que eu nunca tinha experimentado. Sua história é linda e ousada. Isso nos lembra da realidade desconfortável que a testemunha é incorporada e feita em comunidade.

É sagrado, confuso, doloroso e confuso. No entanto, é o caminho de Deus para o nascimento dos sonhos do evangelho dentro e através de cada um de nós.

Ben Witherington III escreve em Mulheres e na Gênese do Cristianismo que: “são Isabel e Maria, e não Zacarias e José que são os primeiros a receber a mensagem da vinda de Cristo, que são louvados e abençoados pelos anjos de Deus, e que são os primeiros a cantar e profetizar sobre o menino Jesus. Exemplos dos humildes sendo exaltados como parte do plano divino de reversão escatológica que entra na história com, dentro e através da pessoa de Jesus.”

Quando Gabriel aparece para Maria, ele não começa dizendo a ela o que vai acontecer. Ele diz a ela porque. Por quê? Você é altamente favorecido. Maria se incomoda com suas palavras e pergunta: “Que tipo de saudação é essa?” Ele diz a ela novamente: “Não tenha medo, você encontrou o favor de Deus”.

O anjo fala essas palavras para Maria porque ela é vista como algo que não é favorecida em sua cultura. Maria é uma camponesa, uma garota solteira de uma aldeia insignificante. Na cultura judaica, uma mulher grávida fora do casamento enfrentava a ameaça de ser condenada à morte e, na melhor das hipóteses, desonrada e desonrada.

As mulheres hoje estão lutando contra as barreiras para compartilhar Jesus, enquanto fazem a mesma pergunta que Maria fez – “Por quê? Por que eu sou ou seria altamente favorecido por Deus? Por que Deus escolheria me usar em seus planos como uma mulher solteira que se sente invisível? Como um viúvo que está questionando seu propósito na vida? Como sou favorecida quando fui abusada por irmãos em Cristo em quem acreditava poder confiar?

É difícil se ver como o favorito para compartilhar a esperança de Jesus quando tudo o que você vê é o professor da Bíblia ou o evangelista do palco contando suas histórias de pregação pelo mundo. Pense em quem é testemunha da sua comunidade. Quem dá testemunho de testemunha fiel quando você tem conferências? São pessoas que são como você que têm um ministério semelhante a você?

No evangelismo, histórias triunfantes de homens brancos pregando de etapas a milhares de pessoas não serão suficientes para desencadear mulheres comuns a testemunhar. Mulheres que lutam para superar a depressão ou doenças crônicas, o trabalho em tempo integral e a amizade em uma cultura solitária e isolada.

As mulheres precisam saber que a testemunha está incorporada nesses lugares. Nos vemos nas histórias que nos são contadas em nossas igrejas e ministérios cristãos. Mas você não pode ser quem você não pode ver.

Como evangelistas, não podemos negligenciar nosso chamado para equipar metade da igreja para a missão de Deus. Sou grata por mulheres como Christine Caine, Jo Saxton, Beth Moore, Ruth Padilla-Deborst e muitos outros teólogos femininos e masculinos e professores de Bíblia que lançam uma visão para as mulheres e perguntam “Por quê? Por que Deus escolheria que eu fosse sua testemunha e portadora de imagens?

Eles respondem com suas histórias encarnadas de serem escolhidos por Deus mesmo quando experimentaram racismo, abuso sexual, estarem no sistema de assistência social, porque Deus escolhe os improváveis, mas obedientes, como seus portadores de imagem. Assim como Maria, suas histórias são histórias incorporadas de dizer “sim” a Jesus para segui-lo em missão.

Como Maria, sua identidade está enraizada em Deus mostrando-lhes favor, escolhendo-os porque são amados e criados com o propósito de tornar Jesus conhecido. Quando as mulheres não estão ouvindo histórias em congregações ou organizações de outras mulheres que dizem “sim” a Jesus para proclama-lo apesar das barreiras internas e externas, é improvável que elas se considerem cruciais para o evangelho daqui para frente.

Recentemente, ouvi a história de Belinda, uma das voluntárias da Stonecroft, compartilhando corajosamente sua fé com outras mulheres.

Belinda vivia como viciada em drogas, trabalhando nas ruas para sustentar seu hábito. Sem família ou amigos, ela queria morrer. Quando criança, ela se lembrava de ter orado a Jesus, perguntando-se: “Jesus poderia me amar?” Ela nos disse: “Um dia, entrei em uma igreja para descobrir. Ninguém falou comigo. Ninguém olharia para mim. Eu me senti invisível. Eu corri para fora, chorando.

Anos depois, Belinda ficou sóbria e foi convidada para ir à igreja onde conheceu um dos líderes do nosso grupo, Sage. Em sua primeira reunião, eles fizeram um quebra-gelo onde todos escreveram algo pelo qual estavam agradecidos. Belinda não fazia ideia de que seriam lidos em voz alta e todos adivinhariam de quem era o cartão.

Belinda escrevera “sobriedade”. O coração dela afundou, aterrorizada em como as mulheres reagiriam quando percebessem que era o cartão dela.

Em vez de um silêncio constrangedor ou vergonha, Belinda encontrou amor e aceitação com as mulheres naquele encontro em sua realidade física de superar o vício. Alguns meses depois, ela compartilhou sua história de encontrar uma comunidade em uma campanha do Storymarks, onde as mulheres compartilham as histórias por trás de suas tatuagens.

Belinda compartilhou o evangelho através da história de sua tatuagem, embora ela estivesse com medo de se levantar na frente das pessoas. Naquela noite, ela convidou outras mulheres para começar a seguir Jesus e descobrir como elas são amadas e favorecidas por ele, não importa quem elas sejam, como a sociedade as vê, ou o que aconteceu com elas no passado.

Maria não é valorizada por causa de quem era casada, da cidade de onde veio, dos anos de experiência no ministério ou até porque era a embarcação que carregava Jesus. Ela é favorecida por Deus e vista por Deus como uma testemunha credível para o nascimento do sonho de Jesus em seu próprio direito, porque ela amava o Senhor e era obediente a fazer o seu trabalho.

Que muitas mulheres se tornem um exemplo audacioso de testemunho, como Maria, acreditando que nada é impossível para Deus.

*Jessica Leep Fick – Com informações do Christianity Today


Leia mais

Mulheres, pilares na Igreja
“Uma Bíblia das mulheres” criada por Teólogas
Mulheres – De auxiliadoras a provedoras do lar

Compartilhe

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!