Asia Bibi é libertada e sairá do Paquistão

Foto: theblogmire

Em decisão final, Suprema Corte do país decretou liberdade de Asia Bibi. Ela foi condenada à pena de morte em 2010, mas Supremo anulou a pena no ano passado.

Finalmente! O que vinha sendo esperado entre angústias, esperanças e muita oração ao longo de quase 10 anos finalmente se realizou: Asia Bibi foi libertada.

O Supremo Tribunal do Paquistão rejeitou, nesta terça-feira (29), um recurso contra a absolvição de Asia Bibi, que chegou a ser condenada à morte por blasfemar contra o Islã. “Com base no mérito, este recurso foi rejeitado”, declarou o juiz Asif Saeed Khosa ao final da audiência.

A pena de morte foi imposta a Asia Bibi em 2010. Em outubro de 2018, a mesma corte, máxima instância judicial paquistanesa, absolveu a cristã. Mas uma petição de muçulmanos extremistas dificultou a liberdade da cristã.

A decisão foi comemorada pela Release International, organização que apoia cristãos perseguidos no mundo e atuou ativamente na campanha de Bibi. “Estamos muito contentes que a Suprema Corte tenha se mantido firme em relação à sua decisão corajosa”, disse o presidente-executivo Paul Robinson.

A Missão Portas Abertas também celebrou a decisão. “Estamos muito felizes que a justiça tenha prevalecido e estamos orando para que isso preveja uma nova era de direitos iguais para os cristãos e outras minorias religiosas no Paquistão”, disse a porta-voz da organização no Reino Unido, Zoe Smith.

O caso

Asia Bibi, mãe de cinco filhos, foi denunciada em 2009 por vizinhas que disseram ela insultou o islã durante uma discussão em Punjab e foi condenada à morte em 2010 por blasfêmia. Ela passou oito anos em isolamento.

A cristã perdeu om recurso apresentado à Suprema Corte de Lahore, capital de Punjab, em 2014. No ano seguinte, o Supremo paralisou a execução após concordar em estudar sua apelação, mas a primeira audiência, prevista para 2016, foi adiada após desafio de um dos juízes.

A Suprema Corte do Paquistão estudou o recurso da sentença de morte de Asia em 8 de outubro e reservou o veredicto, observando que havia contradições nas declarações das testemunhas. No dia 31 decidiu pela absolvição.

*Com informações de Christianity Today


Leia mais

“Sobrevivi pela oração”, diz pastor Brunson
Pastor preso há 500 dias na Turquia sem ter sido condenado
Pastor Abedini é libertado no Irâ

Aproveite as promoções especiais na Loja da Comunhão!